SEGURANÇA PÚBLICA

São Luís registra queda nos índices de criminalidade

Para o Anuário de Segurança Pública, São Luís foi uma das poucas capitais que registrou queda no índice de crimes violentos. Em 2016, foram 20% a menos que em 2015

Reprodução

Mais de 61 mil mortes violentas intencionais foram registradas no Brasil, em 2016, segundo o 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta segunda-feira, 30. Esse é o maior número já registrado, que equivale ao dano provocado pela explosão da bomba nuclear na cidade de Nagazaki, no Japão, em 1945. A pesquisa faz um levantamento dos índices de criminalidade nas capitais brasileiras.

São consideradas mortes violentas intencionais todos os casos de homicídio doloso, lesão corporal seguida por morte e latrocínio (roubo seguido de morte), além de mortes decorrentes de intervenção policial, incluindo índice de policiais civis e militares mortos. Liderando o ranking, Sergipe ocupa o primeiro lugar nacional, com uma taxa de 64 mortes a cada 100 mil habitantes, seguido do Rio Grande do Norte (56,9) e Alagoas (55,9). As taxas superam em mais de cinco vezes o que a ONU considera como violência endêmica.

A organização do Anuário classificou, ainda, os estados de acordo com a qualidade estimada dos registros estatísticos oficiais. As unidades da federação foram divididas, inicialmente, em três grupos: aqueles com maior qualidade de informação, os com qualidade ‘intermediária’ e os com menor qualidade. A Bahia foi o único estado categorizado no chamado ‘grupo 4’ que, segundo o estudo, significa que optou por não responder o questionário enviado pela pesquisa; assim, os organizadores não classificam a qualidade dos dados informados.

Confira o infográfico e os dados completos da pesquisa.

Maranhão

São Luís foi uma das poucas capitais que registrou queda no índice de crimes violentos. Em 2016, foram 533, 20% a menos que o mesmo período em 2015. O número de homicídios caiu de 584 para 498 (-15%). Lesão corporal seguida de morte e latrocínio reduziram em mais da metade, -63,9 e -52,5, respectivamente.

De acordo com o estudo, a capital maranhense apresentou a quarta maior redução com relação a outras capitais do país.

No geral, o maranhão apresentou um crescimento de 2% em comparação a 2015, registrando 33 mortes a cada 100 mil habitantes. Houve queda em ocorrências de tráfico de entorpecentes (-0,8%) e aumento de investimentos voltados ao policiamento (60,1%).

A Secretaria de Segurança Pública do Maranhão afirmou em nota que, desde 2015, o Maranhão vem investindo fortemente em Segurança Pública, atingindo o recorde de 12 mil policiais no Estado. Já foram entregues mais de 830 viaturas, delegacias vêm sendo construídas e reformas e as forças de inteligência têm sido equipadas e valorizadas.

MOSTRAR MAIS