Série C

Sampaio Corrêa se prepara para jogo contra o Fortaleza

Derrota para o Fortaleza ( 1 a 0) obriga o Sampaio Corrêa a ganhar com dois ou mais gols de diferença no Castelão

Reprodução

A péssima apresentação do Sampaio Corrêa diante do Fortaleza foi o assunto dominante ontem em meio a torcedores, jogadores e comissão técnica do Tricolor. De um modo geral, todos reconheceram que a equipe maranhense jogou muito aquém das expectativas e poderia até ter sofrido um placar mais dilatado.

A derrota por 1 a 0 (gol de Leandro Cearense) agora obriga os bolivianos a conquistar uma vitória com dois ou mais gols de diferença, a fim de que possa ir à final da Série C do Brasileiro. A segunda partida está marcada para o Estádio Castelão, às 17h do próximo sábado, em SãoLuís.

Apesar de reconhecer que a derrota foi ruim, no entanto, o meia Marlon entende que dá para tirar a vantagem e garantir a vaga na final: “Não tem nada perdido.Estamos cientes de que não rendemos o esperado, mas futebol é assim mesmo. Tem dias que nada dá certo. Mas é um resultado plenamente reversível”, afirmou.

Torcida
Para dar o troco ao Fortaleza, Marlon espera contar com o apoio maciço da torcida tricolor. “O nosso torcedor terá um papel fundamental para modificarmos esse placar. Esperamos que o Castelão esteja novamente lotado. Vamos unir forças para buscar essa classificação”, disse ao site oficial.
A delegação boliviana retornou ontem ao meio-dia e seguiu direto para o CT José Carlos Macieira. À tarde, houve um treino regenerativo para os jogadores que foram titulares e trabalho com bola para o restante do grupo.

O presidente Sérgio Frota, que retornou com a delegação, também reconheceu que a equipe não esteve bem, porém, disse acreditar que em São Luís a situação será diferente. “Confio no grupo e entendo que vamos chegar à grande final. Deixamos para trás o que aconteceu ontem e vamos trabalhar agora só para atingirmos nosso objetivo”, disse aos repórteres.

O técnico Francisco Diá, conformado com a derrota, por perceber que sua equipe jogou mal, disse que a queda de rendimento de alguns atletas e a dificuldade para ser cumprido o que foi determinado nos contra-ataques foram as principais causas do revés.

“Acho que a comemoração pela classificação atrapalhou um pouco. Não fizemos um grande primeiro tempo. Queria uma equipe com a marcação mais forte para sair em velocidade no contra-ataque. A mudança de postura do Fortaleza nos incomodou. Alguns jogadores não estiveram no seu melhor dia. A decisão está em aberto e temos condição de inverter a situação em casa”, analisou.

MOSTRAR MAIS