ENTREVISTA

Paulinha Lobão sem perder o ritmo

Empresária, radialista, esposa, mãe, avó e inúmeras outras funções que requerem uma atenção e cuidado especial, mas mesmo com todas as tarefas profissionais e familiares do dia a dia

Foto: Reprodução/instagram

Com certeza você já ouviu falar sobre a deusa do patriarcado capitalista. Ela representa uma mulher com diversos braços, fazendo mil coisas ao mesmo tempo. É possível que ela possa resumir a nossa entrevistada de hoje, a apresentadora de TV e jornalista, Paula Studart Quinta Lobão, ou melhor, aos mais próximos, digamos que milhões de maranhenses, a nossa Paulinha Lobão, a rainha da televisão maranhense que comanda, aos sábados, o programa “Algo Mais”.

Empresária, radialista, esposa, mãe, avó e inúmeras outras funções que requerem uma atenção e cuidado especial, mas mesmo com todas as tarefas profissionais e familiares do dia a dia, ainda resta um tempo para sua tradicional academia, até porque é preciso deixar o corpo saudável e a mente sã sempre, para realizar seu novo sonho: inaugurar a rádio Nova FM.

E detalhe: se viu em sua página no instagram algum prato com receita especial e pensa em levar para sua casa a famosa chef de cozinha que preparou as delícias, já sugerimos para tirar o olho da Fafá, sua cozinheira há 26 anos, porque apresentadora relata que não troca, não vende e nem empresta a sua fiel escudeira e já sabemos os motivos.

Quem é a Paula S. Lobão?
Uma mulher, uma buscadora, mãe, avó, esposa, amiga, sétima filha de Regina Stella e Expedicto Quintas.

O início do projeto Algo Mais
No final dos anos 90 fui convidada pelo meu amado comunicador Zé Cirilo a fazer uma entrevista no seu programa. Quando a mesma foi para o ar, senti um chamado. E um ano depois, estreava ao vivo, no palco, pensei ali: “eu sei fazer isso”.

A influência do DNA
Meus pais são jornalistas e tenho irmãos também na profissão. Acho que é algo no meu DNA.

Você é uma mulher conhecida em todo estado. Já fez inúmeras caravanas através do Programa. Como avalia a importância hoje da sua imagem no Maranhão?
A minha responsabilidade é tremenda, já existe uma geração que cresceu me vendo na TV; quem nasceu no ano em que eu entrei no ar, no ano que vem terá maior idade; penso nisso todos os dias. Quando fui solicitada pelo meu marido na campanha de 2014, senti algo impactante e revelador. Por onde eu andei eu senti a maior onda de amor que vinha de crianças de oito anos a senhoras de oitenta anos, ali percebi a dimensão do meu trabalho.

Qual seu desafio hoje?
Não permitir que as pessoas me coloquem num rótulo. Por exemplo, eu me desafio a dançar, a cantar, a superar os meus limites e não aceito rótulos. E no que eu me desafio, procuro inspirar as pessoas: “se a Paulinha faz eu também posso fazer”.

Medo existe para você?
Alguns…os meus medos são infantis, mas eles não me congelam.

Qual seu maior sonho hoje?
A Nova FM. Já tem o dial 93.1. Esse é meu maior sonho.

E sucesso, ele existe?
Sim. Trabalhar em equipe.
Ninguém faz sucesso sozinho.

Até aqui. O que aprendeu de mais valioso?
O que tem de valioso na vida o dinheiro não compra.

Um lugar em São Luís que mais gosta?
Meu jardim sagrado, no bairro do Olho d’Água.

Nas horas livres. O que prefere fazer?
Eu sou dona do meu tempo. Eu tenho tempo pra tudo e não tenho horas vagas; todo meu tempo está preenchido com minha vida, meus filhos, meu neto, meu marido, rs.

São Luís 405 anos.O que é possível fazer para melhorar a cidade?
Eu tenho um sonho com essa cidade. Gostaria de lavar com água de rosas todas as escadarias, azulejos, sobrados, ladrilhos… Cada pedaço desse chão, cada pedra de cantaria, “se essa cidade fosse minha, eu mandava ladrilhar, com pedrinhas, com pedrinhas de brilhantes, para toda essa gente passar”…fazendo referência a uma cantiga de roda da nossa infância.

O que poucos sabem

O que é “Família”? Tudo.
Signo: Áries.
Estilo musical: Eu amo música e tudo meu precisa de uma trilha sonora. De Vivaldi a Anitta.
Time do coração: Sampaio Corrêa, aqui.
Bebida: Champanhe com gelo e morangos (please).
Livro de cabeceira: Bíblia sagrada e Mulheres que correm com os lobos, de Clarissa Pinkola Estés (toda mulher precisa ler esse livro, corrigindo: os homens, principalmente).
O que gosta de vestir? Depende do momento e do dia.
Não troca, não vende e não empresta? Fafá, minha cozinheira há 26 anos.
Se não fosse aqui, onde gostaria de viver? Rio de Janeiro.
Amar é… Sublime.
Largaria tudo por... Amor.
O que detesta? Ingratidão.
O que te inspira? Jesus Cristo.
O que o dinheiro não compra? Alma.
O que causa mais medo? Perdas.
Autoestima: O tempo é meu amigo.
Hipocrisia: Esperar dos outros, aquilo que não se faz.
O melhor da vida é...Vivê-la.
O que mais lhe faz feliz? Comemorar trinta anos de casada, neste mês de setembro.
Principal qualidade: Justa.
O que gostaria de fazer que ainda não fez: Acampar nos Lençóis Maranhenses numa noite de lua cheia.
Sente falta de algo? Do quê? Sim. Do meu pai, Expedicto Quintas.
A melhor hora do dia: O amanhecer. Na gratidão de mais um dia.
O que abomina nas pessoas? Falsidade e mentiras.
Para quem dá nota 10? Edison Lobão, meu sogro, um político que eu respeito.
Para quem dá nota 0? Pra quem se apropria de algo que não é seu.
Frase: “Andar com fé eu vou, que a fé não costuma falhar” (Gilberto Gil).

MOSTRAR MAIS