História

Sete museus que contam a história do Maranhão

O Imparcial destaca, em lista, alguns dos principais museus localizados em São Luís, para os frequentadores natos ou para aqueles que buscam redescobrir o estado

O Maranhão é um estado de histórias, grandes feitos, grandes pessoas. Nada mais justo que contar com uma ampla gama de museus que fazem um recorte do que estas terras já viram. Numa era em que o passado não tem sido relembrado – vide a frase do filósofo Edmund Burke, “um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la” -, O Imparcial destaca, em lista, alguns dos principais museus localizados em São Luís, para os frequentadores natos ou para aqueles que buscam redescobrir o estado. Confira!

1. Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM)

Foto: Karlos Geromy.

Foto: Karlos Geromy.

O MHAM, localizado na Rua do Sol, no Centro de São Luís, é o museu que conserva o acervo erudito mais importante do estado. São cerca de 10 mil peças, dentre elas mobiliário maranhense da primeira metade do século XIX azulejaria de origem diversa, porcelana, coleção numismática, vidros, cristais, pinturas, esculturas, gravuras, arte sacra católica, arte de origem africana e acervo documental, incluindo o original da obra de Aluízio de Azevedo, ”O Mulato”, além de uma relevante coleção bibliográfica.

O museu foi inaugurado em 28 de julho de 1973, data que se comemora a adesão do Maranhão à Independência do Brasil. O espaço conta com dois pavimentos do prédio histórico conhecido como Solar Gomes de Sousa, além de um mirante. As visitas podem ser realizadas de terça a sexta, das 9h às 17h30 e no sábado, das 9h às 16h. A taxa de entrada é R$ 5,00.

2. Museu de Artes Visuais (MAV)

Foto: Karlos Geromy.

O Museu de Artes Visuais fica localizado na Rua Portugal, no bairro da Praia Grande. Podem ser encontrados, no museu, trabalhos de artistas renomados, como Miguel Veiga, Dila, Antônio Almeida, Newton Sá e outros, além de peças de artistas nacionalmente consagrados, entre eles, Tarsila do Amaral, Alfredo Volpi e Ademir Martins. Um de deus destaques é a coleção doada por Assis Chateaubriand, que contempla entre outros renomados artistas internacionais, a obra tauromaquia do grande mestre Pablo Picasso, recentemente restaurada pelo Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro. O MAV abriga ainda azulejos, peças decorativas em vidros, cristais, metais e madeira, além de Biblioteca Assis Chateaubriand, com acervo especializado na área de arte,história e literatura maranhense.

Não há necessidade de agendamento prévio, exceto para instituições escolares e grupos especiais (que pode ser feito por telefone, (98) 3218-9938 / 3218-9939, ou diretamente no museu). Instituições escolares, grupos especiais, idosos e crianças até a idade de 10 anos são isentos do pagamento da taxa de visitação, que custa R$ 2,00. O museu funciona de terça a sexta, das 9h às 17h, no sábado, das 9h às 16h, e no domingo, das 9h às 14h.

3. Casa do Maranhão

Foto: Karlos Geromy.

Foto: Karlos Geromy.

A Casa do Maranhão tem a proposta de ser uma vitrine das belezas existentes no estado, incluindo uma grande exposição da famosa festa de bumba-meu-boi, uma das mais populares da região. No andar térreo, estão instalados equipamentos que dão uma mostra das riquezas naturais do estado, com monitores de vídeo que exibem imagens com legendas em inglês. Já no primeiro andar, quatro salas têm seus pavilhões montados para retratar momentos do ciclo da festa de bumba-meu-boi: os ensaios, o batismo, as apresentações e a morte. O visitante pode, ainda, conhecer um pouco da cultura maranhense com filmes sobre religiosidade afro e um vídeo com manifestações da cultura popular do estado.

O museu funciona de terça a sábado, das 9h às 17h, e aos domingos das 9h às 13h. A entrada é franca.

4. Centro de Pesquisa de História Natural e Arqueologia do Maranhão

Foto: Karlos Geromy.

Foto: Karlos Geromy.

Fundado em março de 2002,O Centro de Pesquisa de História Natural e Arqueologia do Maranhão/CPHNAMA, localizado na Rua do Giz, tem como objetivo o estudo, valorização e preservação do acervo patrimonial maranhense, em especial os recursos e bens arqueológicos, paleontológicos e a cultura material e tradições dos povos indígenas no Maranhão. O museu conta com três exposições temáticas, situadas nas salas de Paleontologia, Arqueologia e Etnologia. A visitação pode ser feita de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h.

5. Museu de Arte Sacra

O Museu de Arte Sacra fica localizado no solar Barão de Grajaú, situado na Rua do Sol, em anexo ao Museu Histórico e Artístico do Maranhão. O acervo do MAS é constituído por imagens de santos,incluindo santos de roca,que tradicionalmente eram utilizados em procissões da Semana Santa. Assim como também, uma imponente coleção de ourivesaria neoclássica,cobrindo desde o período de finais do século XVIII ao século XX. Objetos sacros utilizados nas cerimônias litúrgicas das Igrejas de São Luis,como cálices de missas,crucifixos em prata de lei com pedrarias,oriundos de Portugal;custódias e lanternas de procissões;vasos raros de Santos Óleos; cruz processional da Capela dos Navegantes; resplendor em prata da Igreja do Desterro e vestimentas utilizadas por padres e bispos em cerimônias religiosas enriquecem o acervo do MAS.

O espaço funciona de terça a sexta, das 9h às 17h, sábado das 9h às 16h e domingo, das 9h às 14h. A taxa de visitação é de R$ 2,00.

6. Casa de Nhozinho

Foto: Karlos Geromy.

Foto: Karlos Geromy.

A Casa de Nhozinho fica localizada no Centro Histórico, e faz homenagem ao trabalho de um dos mais celebrados artesãos maranhenses, mestre na talha de buriti e um dos primeiros a apresentar o Bumba Meu Boi em miniatura, o Nhozinho, Antônio Nogueira. Fazem parte do acervo também objetos tradicionais da cultura do Maranhão. O museu fica aberto para visitação de terça a sábado, das 9h às 17h30, e aos domingos, das 9h às 12h30.

7. Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho

O Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho aglutina, desde 1982, uma exposição permanente de vestimentas, adereços e objetos utilizados em festas e manifestações folclóricas, com foco na preservação da cultura maranhense, como Tambor de Mina, Divino, Tambor de Crioula e Bumba Meu Boi. O espaço pode ser visitado das 9h às 18h.

MOSTRAR MAIS