Jogo político

As cartas na manga de Flávio Dino para as eleições 2018

Weverton Rocha (PDT) tem tudo para receber apoio do governador na disputa ao Senado. O outro escolhido segue uma incógnita. Veja as chances de cada um

O jogo político visando as eleições de 2018 já começou. A cada nova rodada, os jogadores vão colocando suas cartas na mesa. O governador Flávio Dino (PCdoB) aparece como o principal jogador neste momento e precisa escolher quais cartas mais lhe convém para conseguir a reeleição em 2018. Oficialmente, o Palácio dos Leões desconversa sobre o assunto, tenta manter suas cartas escondidas na manga e deixar a discussão para o ano que vem. Apesar de adotar uma postura observadora para com os postulantes ao Senado Federal, o governo demonstra ter escolhido uma das duas cartas em disputa: Weverton Rocha (PDT).

Nas mãos, o governador segura cinco cartas. Cada uma tem seu valor, sua importância e um determinado significado. A primeira delas tem a imagem do deputado Weverton Rocha. Esta carta representa uma parceria antiga e bem interessante para o PCdoB.

É claro que esta “escolha” pode ser um blefe dos comunistas, mas os apoios públicos de políticos ligados à base aliada de Flávio Dino demonstram que esta carta fará parte do baralho do governador até o fim.

Para mostrar sua importância, Weverton tornou-se o pré-candidato ao Senado mais viajado até agora. Já fez reuniões em várias partes do estado e demonstra ter conseguido apoio de regiões valiosas para a reeleição do governador.

O jogo continua

Com uma carta praticamente certa, resta a Flávio Dino fazer sua segunda escolha dentre as quatro cartas restantes em sua mão: Zé Reinaldo (PSB), Waldir Maranhão (PP), Eliziane Gama (PPS) e um representante do PT. Todos os citados manifestaram o desejo de concorrer ao Senado, desde que tenham o apoio incondicional do Palácio dos Leões.

A grande quantidade de pré-candidatos a uma vaga pode parecer um blefe e tanto. Há quem pense que é melhor colocar o nome agora em uma eleição majoritária para que, no fim, concorra mesmo para outro cargo.

Nesta análise, a segunda carta traz o deputado federal Zé Reinaldo. O parlamentar deixou bem claro que quer o Senado a qualquer custo. A situação dele é a seguinte: vai sair do PSB e deve se filiar ao DEM, desde que tenha o apoio para seguir seu sonho.

A favor do ex-governador do Maranhão está a aliança com o presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem), prefeito Cleomar Tema (Tuntum), e, consequentemente, o apoio de outros gestores municipais. Na semana passada, Zé Reinaldo esteve frente a frente com Dino, em uma conversa classificada como “muito proveitosa”. “Trocamos ideias sobre a conjuntura nacional e sobre o Maranhão mais especificamente. Analisamos o momento político nacional”, disse o pré-candidato.

Nada de blefe

A terceira carta em jogo é a da deputada Eliziane Gama. Ela segue as orientações do Diretório Nacional do seu partido, que já afirmou que o nome da parlamentar maranhense é o ideal para concorrer ao Senado.

Durante a semana, até surgiu uma falsa notícia sobre a desistência de Eliziane do pleito, que foi logo desmentida. “A candidatura ao Senado no Maranhão é um projeto nacional e eu sigo as orientações partidárias”, afirmou a deputada.
Pré-candidata assumida, Eliziane também busca ser a carta que resta no baralho de Dino. A aproximação da deputada com o governador cresce e isso favorece os planos do PPS.

Waldir e o PT

O deputado Waldir Maranhão é a quarta carta. Traz consigo um acordo verbal para concorrer ao Senado, mas não demonstra estar com força suficiente para ser o escolhido pelo governador Flávio Dino. Maranhão quis cavar um lugar no PT, ao postar uma foto com o ex-presidente Lula sugerindo um apoio do petista à sua pré-candidatura.

A foto causou rebuliço em um primeiro momento e nada mais. O PT desconhece qualquer acordo entre Maranhão e Lula e detalhe: o partido sinaliza negativamente sobre uma possível filiação do deputado. As chances do deputado ser descartado é grande.

Por falar em PT, o partido está querendo se aproximar cada vez mais do governador Flávio Dino. O Partido dos Trabalhadores é um verdadeiro coringa no baralho político para o Senado. Mas para ser um coringa com importância neste jogo, o PT pleiteia a indicação de um nome próprio para a eleição do Senado ou a indicação do vice na chapa de Flávio Dino.

Recentemente, os nomes do secretário de estado do Esporte e Lazer, Márcio Jardim, e até da ex-presidente Dilma Rousseff foram ventilados. Mas, até o momento, os dois são considerados apenas blefes, o que não impede que surja outro nome por parte do PT.