MARANHÃO

Carnaval é cancelado em dois municípios

O motivo? Falta dinheiro. Prefeitos eleitos na última corrida eleitoral alegam ter encontrado cofres vazios, dívidas e servidores com salários atrasados

Reprodução

O povo maranhense brinca carnaval talvez na mesma alegria que brinca bumba meu boi, mas a primeira grande festa do ano está ameaçada ou mesmo já cancelada em vários municípios do estado. O motivo? Falta dinheiro.
Prefeitos eleitos na última corrida eleitoral alegam ter encontrado cofres vazios, dívidas e servidores com salários atrasados. Alguns conseguiram quitar tudo e assegurar a folia de Momo, outros, decretaram “contas antes, diversão depois”.
Na cidade de Santa Inês, onde a nova gestão encabeçada por Vianey Bringel, do PSDB, assumiu a cidade após a conturbada gestão de Ribamar Alves (PMDB), que foi acusado de estupro em 2016, preso, afastado do cargo e então recolocado no executivo, teve as contas públicas bloqueadas para que as dívidas, incluindo bancos, fossem pagas.
Segundo a assessora de comunicação do município, Rianny Brandão, este ano a Princesa do Vale não brincará carnaval, pois o tempo é de organizar a festa de 50 anos de emancipação política de Santa Inês. “Não vai ter carnaval por falta de verbas. Quando entramos, a prefeitura estava inadimplente até com a Previdência. A prefeita resolveu pagar os salários atrasados de dezembro e o 13º salário. No próximo mês, a cidade faz 50 anos de emancipação. Então, é a festa que vamos fazer, contratar bandas. É uma data importante”, explicou Rianny Brandão .
Na outra ponta do mapa, Açailândia também não terá festa de carnaval promovida pela gestão municipal. Lá a prioridade é recuperar as ruas, com pavimentação asfáltica e reformar escolas. “Não teremos carnaval pois em tempos de crise não se pode falar em festa. A prioridade da prefeitura é recuperar as ruas que estão sofrendo com o inverno. Esta semana ainda deflagraremos uma operação tapa buracos”, disse o assessor de Comunicação de Açailândia, Wilton Lima.
Ainda de acordo com o assessor, uma das principais preocupações do prefeito reeleito Juscelino Oliveira é reformar as escolas municipais, e a economia com o carnaval será muito útil para melhorar as condições da educação municipal. “Precisamos urgente reformar as escolas, algumas ficam em prédios alugados, mas já está acontecendo o processo licitatório”.

Sem carnaval em Bacabal

Pagar os servidores, uma dificuldade recorrente em vários municípios é mais uma ação para qual o dinheiro economizado com a folia será empregado. “O prefeito priorizou pagar os salários no fim do ano, e estamos conseguindo manter a folha”, disse Lima. Outra cidade onde o carnaval está ameaçado é Bacabal, onde a turbulência política tem prejudicado vários setores da vida do bacabalense. A posse do prefeito Zé Vieria (PP) teve de ser feita na Justiça, e por falta de recursos, já que as contas estavam congelados, o Pronto-Socorro Municipal, o Hospital Materno Infantil e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram reabertos apenas no fim de janeiro, após serem fechados com a nova eleição. A prefeitura municipal da cidade foi procurada pela reportagem de O Imparcial, mas não houve sucesso no contato.

MOSTRAR MAIS