CORONAVÍRUS

No Maranhão

745
59850
34210
1467

República esculhambada

Até quando a nação brasileira vai assistir a esse espetáculo deprimente de ópera bufa, que se desenrola na capital da República? Diariamente os mesmos personagens tentam oferecer à plateia, perplexa, remendos de um enredo canhestro, cujos atores se esforçam para mostrar suas habilidades na arte de manipulá-lo. Tudo e todos agindo em posições que lhes […]

Até quando a nação brasileira vai assistir a esse espetáculo deprimente de ópera bufa, que se desenrola na capital da República? Diariamente os mesmos personagens tentam oferecer à plateia, perplexa, remendos de um enredo canhestro, cujos atores se esforçam para mostrar suas habilidades na arte de manipulá-lo. Tudo e todos agindo em posições que lhes agradam, desde que amanhã possam abocanhar o poder central, se manter nele ou receber os nacos que exigem em negociações escusas. Nesse chafurdo, o ano de 2015 está terminando como se nem tivesse começado. Totalmente perdido.
Um país de 204 milhões de habitantes está entregue à sanha de partidos, grupos agindo a todo vapor num confronto bestial, como bandos, onde o foco de todos os atores é o Palácio do Planalto. “E o povo? E as pessoas? E os jovens que sonham com um país desenvolvido? Ninguém liga para nada. Só se fala no mesmo assunto: o impeachment da presidente Dilma, Congresso, com seus interesses inconfessados e inconfessáveis em jogo, só vota mediante negociações das quais o povo que elegeu deputados e senadores é o maior penalizado.
As negociações correm frouxas, enquanto o desemprego avança, a confiança dos investidores desaba, a indústria retrai, o consumo acompanha e a briga política não dá sinal de trégua. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, lidera o movimento do impeachment de Dilma, mesmo metido até o pescoço em denúncias de recebimento de propina. Ele é simplesmente o segundo nome na sucessão presidencial e demonstra não estar nem aí para as revelações sobre contas clandestinas de milhões de dólares na Suíça.
Enquanto o Brasil tem o seu grau de confiança no mercado rebaixado por agências que operam para os grandes bancos mundiais, a enxurrada de pedidos de impedimento da presidente da República não para de chegar à Câmara, produzida pela oposição que planeja: “Se não derrubar Dilma, agora, não será depois”. Assim, cada dia a esculhambação aumenta. E a crise aprofunda. Até ministros do Supremo Tribunal trocam farpas sobre decisões da Corte, como se não fossem juízes, mas políticos manipulando os ditames da Constituição e ajudando a tornar a democracia brasileira um ponto de interrogação perante o mundo.
VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias