CULTURA MARANHENSE

Bumba meu boi de Palha leva espetáculo para dois importantes festivais

Com indumentária inspirada no artesanato maranhense, o bumba meu boi de Palha leva o espetáculo Festa Boeira para dois importantes festivais em São Paulo e no Paraná

Assunto: Grupo Boi de Palha - São Luis - MA  Local: Festival do Folclore de Olímpia - SP  Data: 08/2006  Autor: Delfim Martins
O Boi de Palha, com sede na Cohab, está de malas prontas para X Fefosol (Festival do Folclore de Quinta do Sol) que acontecerá entre os dias 4 e 7 de agosto na cidade de Quinta do Sol-PR e para o 51º Fefol (Festival Nacional de Folclore de Olímpia), que ocorrerá entre os dias 8 e 16 de agosto na cidade de Olímpia-SP.
Os festivais paulista e paranaense, segundo os diretores do grupo dos maiores e mais importantes festival do Brasil, reunindo grupos folclóricos de vários estados. Ainda na agenda do grupo estão dois compromissos na cidade de São Paulo, onde fará uma apresentação no Sesc Belenzinho e outra no Centro de Formação Cultural da Cidade Tiradentes. O grupo retorna para São Luís no início de setembro.
Com o espetáculo Festa Boeira, o grupo viajará com 45 integrantes, entre músicos, percussionistas, dançarinos e atores. “O Boi de Palha é uma referência hoje entre os grupos de bumba meu boi em razão de ser um dos poucos que encena, durante sua apresentação, o Auto do Bumba meu boi do Maranhão, contribuindo para a preservação deste enredo”, afirma o criador e fundador do Boi de Palha, Antonio Torres, que ultima os detalhes para a viagem da turnê do grupo.
Esta não é a primeira vez que o grupo representa o estado em festivais. Em mais de duas décadas de atividades o grupo já se apresentou nos estados do Pará, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, e em outros países, como Argentina, Paraguai e Uruguai, onde divulgou o folclore maranhense através do “Projeto BumbAmérica”.
Entre as participações em festivais, destaca-se sua participação em cinco edições do Festival Nacional do Folclore de Olímpia-SP, Festival de Folclore de Guarapuava-PR e Festival Internacional de Dança de Angra dos Reis – RJ. “Desta maneira o grupo cumpre a função honrosa de representar a cultura tradicional maranhense em grandes eventos culturais brasileiros”, afirma Antonio Torres.
O que diferencia o boi dos demais é que sua indumentária é totalmente baseada no artesanato maranhense, criada a partir de elementos visuais do bumba meu boi, usando-se como base a palha do buriti, de cor amarelada, com apliques de peças em veludo decorado com bordados compostos de lantejoulas, miçangas, paetês e outros, resultando num belíssimo conjunto plástico – visual da rara harmonia e equilíbrio.
Pela classificação o Boi de Palha pode ser considerado alternativo por apresentar todos os sotaques do bumba meu boi (orquestra, matraca, zabumba e baixada), além dos ritmos maranhenses como cacuriá, coco, quadrilha, em um espetáculo que dura em média 80 minutos com um corpo de baile que chega a 40 integrantes.
O espetáculo musical, folclórico e teatral encena o auto do bumba meu boi maranhense, cujos personagens são o Boi, o Amo ou dono da fazenda, o Vaqueiro, o Pai Chico e sua mulher Catirina, Índios, Rajados, Índias, a Burrinha, o Palhaço de Palha e a Cazumba ou Cazumbá.

Assunto: Grupo Boi de Palha - São Luis - MA  Local: Festival do Folclore de Olímpia - SP  Data: 08/2006  Autor: Delfim Martins

Origem do Boi de Palha
O Boi de Palha foi criado em 1991 no bairro da Cohab–Anil, em São Luís, por iniciativa da família Torres, e tendo à frente o compositor, intérprete e músico, Antonio Torres. Seus quarenta e cinco componentes são em maioria moradores daquele bairro, dedicados à arte pelo natural talento que dispõe, dentre eles, poetas, músicos, coreógrafos, bailarinos e artesãos, visando unicamente, além do prazer de brincar sadiamente, disseminar e valorizar a arte popular.
Duas perguntas//Werley Torres – Cantor, produtor, fundador
Como vocês estão se preparando para esta turnê?
“Nós recebemos com muita satisfação esses convites para representar o Maranhão. O Festival de Olímpia que é o maior do Brasil nós vamos participar pela décima segunda vez e o da Quinta do Sol é a primeira vez. Além disso, temos outras agendas no Sesc e no Centro de Formação, onde apresentaremos e ministraremos oficinas. É o espetáculo que preparamos quando vamos a esses festivais de acordo com o tempo que temos de apresentação. Para este vamos levar uma mostra dos quatro sotaques e também o tambor de crioula”.
O que você considera fundamental para o grupo que está há 24 anos em atividade?
“Acho que o principal, em que pese o fato de não sermos um grupo de bumba-boi tradicional, é o fato de termos o compromisso com o enredo das apresentações que são pautadas pelo auto do bumba-boi. Somos um dos poucos que apresenta o auto e o espetáculo é em função dele. Digo que nossos personagens são atores também porque de fato eles cumprem o papel de encenação mesmo. Acho que isso foi fundamental para o diferencial do grupo”.
Ficha Técnica
Nome do espetáculo: Festa Boeira
Diretor: Antônio Torres
Produtor: Werley Torres
Tempo de duração: 80 min.
Sotaques apresentados: Orquestra, Zabumba, Matraca, Pindaré
Elenco/personagens: Índio (4), Índia (8), Rajado (6), Catirina (1), Chico (1), Vaqueiro (1), Amo (1), Boi (1), Burrinha (1), Cazumba (2), Banjo (1), Violão (1), Trompete (2), Trombone (1), Sax (1), Percussão (12) e Cantor (2)
Percussão: matracas, maracás, pandeirões, pandeirinhos, zabumbas, tambor-onça e pandeiros-médios
Músicos: violão (1), banjo (1), trompete (2), trombone (1) e sax tenor (1)
Número geral de integrantes: 45
Arranjos: Maestro Francisco Pinheiro
Gênero: folclore/manifestação popular / teatro
Classificação: encenação, dança e música (teatro)
Produção fonográfica: 5 LPs e 2 CDs
VER COMENTÁRIOS
Polícia
Concursos e Emprego
Esportes
Entretenimento e Cultura
Saúde
Mais Notícias