EDIÇÃO DIGITAL

A banda maranhense Raiz Tribal faz tributo ao The Gladiators

A banda Raiz Tribal vai relembrar os primeiros sucessos da banda The Gladiators

Reprodução

A ban­da ja­mai­ca­na The Gla­di­a­tors é con­si­de­ra­da uma das mais impor­tan­tes ban­da de reg­gae do mun­do. For­ma­da em 1968, a ban­da fez mui­to su­ces­so du­ran­te a dé­ca­da de 1970, per­ma­ne­cen­do ain­da nos di­as de ho­je, uma re­fe­rên­cia no ce­ná­rio reg­gae. E pa­ra mos­trar a for­ça mu­si­cal do reg­gae fei­to pe­la The Gla­di­a­tors, a ban­da Raiz Tribal faz ho­je, a par­tir das 21h, no Crèole Bar, na La­goa, um tri­bu­to com a par­ti­ci­pa­ção do can­tor Lu­cas Ló, da ban­da Upa­on-Açu At­tack, de Nohan, ba­te­ris­ta da ban­da Ce­na Ro­ots, e de Fi­li­pe Lis­boa, guitarris­ta da ban­da Vi­la Ver­de.

For­ma­da pe­los mú­si­cos Gill En­nes, Ke­ké En­nes e Léo Ma­ra­nhão, a ban­da Raiz Tri­bal es­tá há 16 anos na es­tra­da. Se­gun­do Gill En­nes, a ideia do tri­bu­to sur­giu em uma ro­da de con­ver­sa so­bre o re­per­tó­rio mu­si­cal do The Gla­di­a­tors, que é sem­pre re­vi­si­ta­do pe­la Raiz Tri­bal, e daí re­sol­ve­ram cha­mar Lu­cas Ló, ar­tis­ta ce­a­ren­se que es­tá despontan­do na ce­na mu­si­cal con­tem­po­râ­nea ma­ra­nhen­se. “O The Gla­di­a­tors é uma ban­da que to­do ma­ra­nhen­se de­ve­ria co­nhe­cer por con­ta de sua im­por­tân­cia pa­ra o reg­gae mun­di­al. Eles per­ten­cem a mes­ma li­nha­gem de Bob Marley, Gregory Isa­acs, Eric Do­nald­son e De­nis Brow. Va­mos lem­brar os su­ces­sos que mar­ca­ram a tra­je­tó­ria do The Gla­di­a­tors  que era for­ma­da por Al­bert Grif­fiths que se reveza­va nos vo­cais com Clin­ton Fe­a­ron e Dal­li­mo­re Suther­land demons­tran­do a gran­de ver­sa­ti­li­da­de do gru­po”, dis­se Gill En­nes.

No tri­bu­to a The Gla­di­a­tors, a ban­da Raiz Tri­bal vai re­lem­brar o primei­ro gran­de su­ces­so da ban­da, que foi a can­ção me­ló­di­ca Hel­lo Ca­rol, além de mú­si­cas dos dois ál­buns mais fa­mo­sos da ban­da jamai­ca­na que são: Tren­ch­town Mix Up (1976) e Pro­ver­bi­al Reg­gae (1978). A ideia é que os tri­bu­tos aos gran­des no­mes do reg­gae se­ja lem­bra­dos em uma sex­ta-fei­ra de ca­da mês no Crèole Bar. E o no­me do ho­me­na­ge­a­do se­rá es­co­lhi­do pe­lo pú­bli­co por meio de vo­ta­ção nas re­des so­ci­ais da Raiz Tri­bal.

Com o dis­co no for­no, a Raiz Tri­bal dis­po­ni­bi­li­zou re­cen­te­men­te em su­as pla­ta­for­mas di­gi­tais três mú­si­cas: Ei Johny, Pa­re e Pra vo­cê que dá tí­tu­lo ao no­vo tra­ba­lho. “Es­ta­mos em es­tú­dio gra­van­do o novo dis­co que te­rá a par­ti­ci­pa­ção de Sau­lo (ex-in­te­gran­te da ban­da Eva), Tony Gar­ri­do (Ci­da­de Ne­gra) e Le­vi Li­ma (can­tor da Ja­mil). A gen­te es­tá ten­tan­do fa­lar com Al­ci­o­ne pa­ra que ela tam­bém fa­ça uma par­ti­ci­pa­ção, mas até ago­ra ain­da não ob­ti­ve­mos re­tor­no. Mas es­ta­mos na ba­ta­lha”, dis­se Gill En­nes.

Pa­ra Lu­cas Ló, que é na­tu­ral do Ce­a­rá, mas es­tá ra­di­ca­do há qua­se dois anos em São Luís, es­ta é uma gran­de opor­tu­ni­da­de de to­car com a ban­da Raiz Tri­bal. “Eu vim pa­ra o Ma­ra­nhão es­tu­dar reg­gae. Eu nun­ca ima­gi­na­va em 13 anos de mú­si­ca eu apren­de­ria tan­to como es­tou apren­den­do com a mú­si­ca do Ma­ra­nhão. Pa­ra mim, é uma gran­de hon­ra fa­zer par­te des­te tri­bu­to”, dis­se o can­tor.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS