CINEMA

Legalidade é exibido no 42º Festival Guarnicê de Cinema

Numa costura entre 1961 e 2004, ano da morte de Brizola, a jornalista Blanca faz uma investigação que é o fio condutor do filme.

Reprodução

Depois de ter sido exibido no 35º Festival Latino de Chicago em abril, Legalidade, dirigido por Zeca Brito, faz sua estreia em solo brasileiro durante o 42º Festival Guarnicê de Cinema, realizado de 14 a 21 de junho, em São Luís. A exibição do filme na mostra competitiva nacional será no dia 20/6, às 19h, no Teatro Alcione Nazaré, localizado no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, na Praia Grande. A estreia nos cinemas brasileiros está prevista para 12 de setembro, com distribuição da Boulevard Filmes.

Um triângulo amoroso, a luta por uma causa cívica, uma revolução feita pelas ondas do rádio. A inteligência e a coragem de um líder. O poder da comunicação gerando uma verdadeira demonstração de força e civilidade. Um movimento de resistência e mobilização popular sem precedentes na história do país: a Legalidade.

Com Leonardo Machado, Cleo Pires, Fernando Alves Pinto, Letícia Sabatella e José Henrique Ligabue, o filme aborda o momento histórico brasileiro, em 1961, quando o presidente da República, Jânio Quadros, renuncia e seu vice, João Goulart, deve ascender ao posto. Para evitar que um golpe organizado pelos militares entrasse em curso, o governador do estado do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, inicia um movimento inédito no país, pelo respeito à Constituição Federal. “Em Legalidade quis falar de meu país e das raízes políticas que ligam o Brasil à América Latina. A heroica façanha de Leonel Brizola liderando o povo brasileiro em ato de coragem e civismo, garantindo a posse do presidente João Goulart e a soberania da nação. Através das ondas do rádio o despertar para a constituição, o respeito ao voto popular. Um filme que trama ficção e realidade. Um romance que une visões opostas de mundo. Política, espionagem e comunicação, temas que articulam um dos momentos históricos mais intrigantes do país”, explica o diretor, Zeca Brito.

Numa costura entre 1961 e 2004, ano da morte de Brizola, a jornalista Blanca faz uma investigação que é o fio condutor do filme. Em 1961, durante a Conferência das Nações Americanas, em Punta del Este, o antropólogo brasileiro Luís Carlos reencontra seu amigo e herói, o Comandante Ernesto Che Guevara. Já a misteriosa jornalista, Cecília, tem a difícil tarefa de entrevistar o polêmico governador gaúcho, Leonel Brizola. Brizola e Che Guevara convergem em torno das mesmas causas: ideais de cunho social e a libertação da América Latina da opressão econômica e política dos Estados Unidos, atraindo assim a ira das forças conservadoras. Paralelamente ao universo de tensão política que se instaura, Luís Carlos e Cecília vivem uma intensa história de amor interrompida pelo destino.

Pouco tempo depois, no Brasil, o presidente Jânio Quadros renuncia repentinamente. Enquanto seu vice, João Goulart, está em viagem pela China comunista, o governador Brizola se recusa a aceitar a tomada do poder pelos militares e decide resistir para que seja respeitada a Constituição. Dois irmãos vivem intensamente os dias de crise na República: o jovem anarquista Tonho, que trabalha como fotógrafo, e Luís Carlos, professor. Cecília também está em Porto Alegre, para continuar sua reportagem, quando o levante se inicia e logo conhece Tonho. É dentro do Palácio Piratini, numa situação limite, de guerra eminente, que os dois vivem um romance. Uma relação complicada, já que Cecília irá reencontrar Luís Carlos e terá que fazer uma difícil escolha.

O roteiro do filme começou a ser desenvolvido em 2010 e contou com uma extensa pesquisa. Foi escrito a quatro mãos, pela dupla Leo Garcia e Zeca Brito, que repete a parceria iniciada com a comédia adolescente Em 97 Era Assim (direção de Zeca e roteiro de Leo). Ambos também assinam juntos a direção do documentário “A vida extra-ordinária de Tarso de Castro, sobre a trajetória do jornalista gaúcho, que também esteve envolvido na Legalidade.

Legalidade é o sexto longa de Zeca Brito e foi inteiramente rodadono estado do Rio Grande do Sul. O filme é uma produção da Prana Filmes, de Luciana Tomasi.

SERVIÇO

Exibição de Legalidade no 42º Festival Guarnicê de Cinema

Data: 20 de junho (quinta-feira)

Horário: 19h

Local: Teatro Alcione Nazaré

Endereço: Ladeira do Comércio, R. da Feira Praia Grande, 200.

FICHA TÉCNICA

Direção: Zeca Brito

Roteiro: Zeca Brito e Leo Garcia

Elenco: Cleo Pires, Leonardo Machado, Fernando Alves Pinto, José Henrique Ligabue, Letícia Sabatella, Fábio Rangel, Sapiran Brito

Produção: Luciana Tomasi

Direção de Fotografia: Bruno Polidoro

Direção de Arte: Adriana Borba

Direção de Produção: Glauco Urbim

Figurino: Marcia Nascimento

Maquiagem: Nancy Marignac

Consultoria de Roteiro: Hilton Lacerda e Anna Carolina Francisco

Montagem: Alfredo Barros

Som: Gogó Conteúdo Sonoro

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias