ENEM 2020

Dez ações pedem na Justiça a suspensão de inscrições no Sisu

Um outro levantamento, feito pelo MPF, contabilizou ao menos 250 queixas de candidatos que pedem apurações de erros na correções

Reprodução

Os erros na correção das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019 renderam pelo menos 10 ações judiciais contra o Executivo federal. Os processos, de acordo com a Advocacia-Geral da União (AGU), pedem a revisão na correção da prova ou a suspensão do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), processo seletivo que usa a nota do Enem como parâmetro para o ingresso em universidades públicas.

As ações vieram de seis diferentes unidades da Federação — apesar de o Ministério da Educação (MEC) alegar que as falhas relacionadas à prova ficaram concentradas em cidades do interior de Minas e da Bahia. Apenas no Distrito Federal, foram três. Goiás e Minas Gerais têm duas, enquanto Maranhão, Rio de Janeiro e Pará registram um processo cada.

Alguns dos pedidos, inclusive, já aguardam um posicionamento do governo federal. Nesta quinta-feira (23/1), a Justiça Federal paraense determinou, em medida liminar, que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) revise, em até 48 horas, a nota de uma candidata que questiona se a correção de sua prova não teve erros, como ocorreu com os quase 6 mil participantes lesados pelo equívoco do órgão e que tiveram a nota ajustada.

Responsável por assinar a decisão, o juiz Jorge Ferraz de Oliveira Junior alerta que “é grave o risco de não revisão da nota da estudante, já que é desse resultado que depende o seu ingresso em uma universidade”. “O periculum in mora é evidente considerando que a nota dos candidatos é fator preponderante para o ingresso dos estudantes em algumas instituições de nível superior”, escreveu o magistrado, na sentença.Continua depois da publicidade

Além disso, o juiz avaliou que o meio de comunicação (um e-mail) e o prazo (até às 10h da última segunda-feira) estabelecidos pelo MEC para os candidatos pedirem uma reavaliação não foram adequados. “Entendo inequívoca a afronta ao princípio da publicidade, assim como do devido processo legal, no que tange ao prazo e forma em que dada publicidade aos candidatos com o fito de formalizarem requerimentos para reanálise da correção, subsistindo insegurança dos candidatos quanto à análise inicial de suas provas”, frisou. A AGU informou que irá recorrer da decisão.

250 queixas

Um outro levantamento, feito pelo Ministério Público Federal (MPF), contabilizou ao menos 250 representações de candidatos que pedem apurações sobre o erro na correção das provas. Por causa da falha, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão recomendou ao governo suspender o Sisu.

Para compensar, o MEC estendeu as inscrições no Sisu até domingo, alterando o cronograma inicial, que definia o dia de hoje como a data-limite para aplicações ao processo. Para a procuradoria, contudo, a prorrogação não é suficiente para resolver a divergência entre as notas dos candidatos. Isso porque a mudança das pontuações cria alterações na nota de corte e na classificação parcial da seleção, prejudicando o planejamento de milhões de alunos.

“Processos seletivos públicos exigem a mais ampla e irrestrita transparência e publicidade, bem como mecanismos fidedignos de correção das provas, já que destes dependem a legitimidade, solidez, eficácia e credibilidade do sistema”, apontou o órgão. O MEC tem dito que nenhum estudante foi prejudicado e que vai dar todos os esclarecimentos ao MPF.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias