EM FESTA

Pré-Carnaval na Madre Deus agita o primeiro fim de semana do ano

Os blocos tradicionais Príncipe de Roma, Os Feras, a escola de samba Turma do Quinto e a Máquina de Descascar’alho comandam hoje o pré-carnaval na I lha

Reprodução

O pré-carnaval toma hoje conta do bairro da Madre Deus. Acontece hoje, a partir das 17h, a segunda etapa do Projeto Batuques Maranhenses, no Largo do Quinto (na Madre Deus). Idealizado pela Máquina de Descascar’alho, o evento vai reunir em um só palco vários sotaques maranhenses na Madre Deus durante o mês de janeiro.

A recepção dos convidados fica por conta da Máquina de Descascar’alho. A brincadeira nasceu de uma reunião de muitos músicos que resolveram fazer uma batucada pelas ruas da Madre Deus no ano de 1984. A base era feita pelos músicos do Grupo Regional 310, que fazia o cortejo pelas ruas do bairro sempre nos três fins de semana antes do carnaval. De acordo com Boscotô, somente no ano de 1986 é que a manifestação carnavalesca foi batizada como Máquina de Descascar’alho. “A Máquina surgiu com intuito de fazer o povo se divertir. E não de resgatar o carnaval de rua como muitos pensa. A ideia era fazer um carnaval com alegria e muita irreverência”, explicou Boscotô.

A Máquina é conhecida pelo seu repertório recheado de marchas de carnaval, samba, blocos, tambores e afoxés e pela valorização e resgate de composições maranhenses da ‘velha guarda’ dos antigos compositores, como Fuzileiro da Fuzarca do bairro boêmio da Madre Deus.

Outra atração do evento é o Bloco Tradicional Príncipe de Roma, fundado em 1982. A sede do bloco fica localizada na Rua da Felicidade, 1035, Madre Deus. Conforme calendário de ensaios, o Príncipe de Roma aproveita o período de pré-carnaval para ensaios abertos, eventos ou apresentações pelas ruas da Madre Deus, Goiabal e São Pantaleão.

O Batuques Maranhenses contará ainda com a participação do bloco tradicional Os Feras. A brincadeira carnavalesca foi fundada no Dia das Crianças, em 1996, no tradicional bairro de São Pantaleão, em São Luís. Seus integrantes em sua maioria são oriundos de famílias que têm algum tipo de ligação direta ou indireta com os blocos tradicionais.

O encerramento da festa será comandada pela Bateria da Turma do Quinto. A escola também tem a sede no bairro da Madre Deus e possui as cores azul e o branco. Foi fundada em 25 de dezembro de 1940, sendo a terceira escola mais antiga existente na cidade, logo após Turma da Mangueira (1928) e Flor do Samba (1939). Seus enredos quase sempre tratam sobre a cultura maranhense. Um dos desfiles mais marcantes foi o de 1981, onde o enredo foi a Praia Grande. No ano passado, a escola levou para a passarela do samba O Quinto canta Akomabu: a cultura não deve morrer. Para o carnaval de 2018, a proposta vencedora foi dos compositores Luzian Filho e Josias Filho, baseada no enredo Dos Versos do Guriatã a Turma do Quinto canta as 27 Aldeias de Upoan-Açu, em homenagem a Humberto de Maracanã, do bumba meu boi de Maracanã, assinado pelo carnavalesco Washington Coelho.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS