ATENÇÃO CONCURSEIROS

Conheça as principais técnicas de memorização para concursos

O primeiro passo para memorização de conteúdo é conhecer seu perfil de aprendizagem

Reprodução

Para assimilar e memorizar conteúdos exigidos numa prova, a única saída é estudar – e muito. Mas quantidade nem sempre é tudo. Segundo a servidora pública e professora do IMP Concursos de Direitos Humanos e Legislações Específicas, Dayane Xavier, certas técnicas relativamente simples podem otimizar o tempo e alavancar o rendimento do aluno.

Segundo ela, cada estudante tem um método mais eficaz para sua própria memorização. A dica é que eles explorem ao máximo todas as possibilidades e descubram o que é melhor para si.

“Para criar um bom mapa mental, por exemplo, é importante se atentar para os pontos chaves dia material teórico e perceber também onde há predominância de cobrança pelas bancas”, explica.

Como  método de ensino, Dayane explica que prefere utilizar tudo de forma objetiva e direta, com o auxílio de mnemônicos, palavras-chaves e mapas mentais. “Acredito que os alunos aprendem muito com estes esquemas. Gosto de fazer mapas mentais a mão mesmo, por exemplo. As cores e as técnicas auxiliam muito os candidatos”, diz. 

A professora explica também que sempre conta histórias e exemplos de casos reais, misturados com palavras-chaves, que tem a ver com o conteúdo da aula, para ajudar na diversificação da aprendizagem. “ Estudar pra concurso não é uma tarefa fácil. É um trabalho árduo.

Os concursos  estão cada vez mais concorridos e é preciso ter uma técnica de estudos mais dinâmica”, acrescenta. “Os mapas mentais dão tão certo na aprendizagem, que os próprios alunos começam a criar seus próprios desenhos e trazer para a sala de aula também. Isso tem dado um resultado interessante”.

Eduardo Cambuy, é professor e coach do Gran Cursos Online e também praticante de Programação Neurolinguística. Para ele, as técnicas de memorização são essenciais pois podem ser definitivas para a aprovação. “Para isso, a programação neurolinguística ajuda a compreender qual a nossa melhor forma de absorção de conteúdo , como na de “sistemas representacionais”, que mostra qual nosso canal predominante de aprendizagem: visual, auditivo e cinestésico.

Assim, o primeiro passo para memorização de conteúdo é conhecer seu perfil de aprendizagem, pois isso irá limitar ou direcionar a escolha da melhor ferramenta de memorização”, diz.

“Exercite a repetição e desenvolva o hábito de usar a melhor ferramenta para você antes, durante ou depois dos ciclos de estudos. Respeite seu processo de aprendizagem, que pode durar 3 meses, 1 ano ou mais. Sua reprovação em um concurso de curto prazo pode significar que ainda está em desenvolvimento, não que seu método está errado”, pontua.

Saiba quais são as principais técnicas de memorização:

  • Storytelling (contar histórias): Por meio da criação de histórias e enredos criativos, nosso cérebro tende a reter mais a informação estudada. Ao estudar direito constitucional, por exemplo, criar situações dramáticas e próximas da realidade ajudam a aumentar seu aprendizado.
  • Mapas mentais: Com a quantidade enorme de matérias para serem estudadas, nossa mente precisa saber organizar todas elas de forma lógica e eficaz, para só a partir daí se preocupar com a memorização. Com os mapas mentais, vê-se que a organização macro da matéria auxilia na memorização dos pontos-chave e colabora para melhor aprendizagem. 
  • Fichamentos (repetição): Todos já ouvimos ditados populares como “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”, para representarem a obtenção de resultados por meio da insistência, a repetição. De fato, quanto mais acesso a matéria você tiver, maior sua chance de retê-la. Os fichamentos ajudam a repetir questões erradas, partes difíceis e mais abstratas. 
  • Mnemônicos (acrósticos): A criação e a consequente manutenção de mnemônicos e acrósticos deve ser pessoal e fazer sentido para a pessoa. Quando lembramos do LIMPE (legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência), percebemos logo que nos auxilia a compreender vários conceitos de uma só vez, mas que, por vezes, precisamos trazer mais para nossa realidade nos perguntando: “LIMPE de quê?”, “LIMPE é parecido com limpeza” ou “a administração tem que ter todos os princípios para ser LIMPA”. 
  • Resumo gráfico: É um mix de técnicas: mapas mentais, mnemônicos, resumos e fichamentos. Com seu uso, o cérebro consegue captar o máximo de informações em menor tempo possível, favorecendo a memorização. 
  • Revisão: De forma geral, uma dica importante que o candidato precisa ter é que a revisão deve ser obrigatório no seu processo de aprendizagem e que as técnicas de memorização permeiam processos de revisão contínua. 
Veja alguns exemplos de mapas mentais que são utilizados nas aulas da professora Dayane Xavier, sobre direitos humanos e legislações:
VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias