Opinião

O espaço que fascina

A ambição do homem não tem limites.  Sua determinação, sua inteligência, seus sonhos, etc.  Ser astronauta é o sonho de milhares de crianças.  Visitar a Lua e outros planetas, ver a Terra de longe e viver sem gravidade são coisas que mexem com a imaginação de muita gente.  Os cientistas vêm presumindo há muito tempo […]

A ambição do homem não tem limites.  Sua determinação, sua inteligência, seus sonhos, etc.  Ser astronauta é o sonho de milhares de crianças.  Visitar a Lua e outros planetas, ver a Terra de longe e viver sem gravidade são coisas que mexem com a imaginação de muita gente.  Os cientistas vêm presumindo há muito tempo poder visitar os planetas, estudá-los de forma mais clara, poder vê-los mais de perto, etc.  Hoje em dia, com os avanços na tecnologia, muitos desses sonhos se tornaram realidade.

E 12 de abril de 1961, o cosmonauta Yuri Gagarin, com apenas 27 anos de idade, tornava-se o primeiro homem a sair dos limites da atmosfera terrestre e entrar no espaço, dentro da cápsula Vostok 1 que decolou da plataforma de Baikonur, no Cazaquistão, república da antiga União Soviética, para um voo que durou uma hora e 48 minutos realizando uma volta elíptica ao redor da Terra, a 302 km de altitude.  Pouco anos depois, exatamente em 20 de julho de 1969, naquele domingo, o norte americano Neil Armstrong, de 38 anos, tornou-se o primeiro homem a pisar na superfície da Lua.  Em seu relatório da missão, ele declarou que aquele acontecimento representava “um pequeno passo para um homem, porém um grande salto para a Humanidade”.

De lá para cá, mais de 50 anos se passarem, e um pequeno contingente de 55 mulheres e 498 homens, de 38 nacionalidades diferentes, inclusive o nosso querido Marcos Pontes que nos honrou com sua visita na semana passada, coube a missão de viajar pelo espaço.  Sondas, espaçonaves, veículos exploradores, ônibus espaciais, e até robôs já foram enviados para além da Terra com o objetivo de explorar nosso vasto universo.

O incrível é que o talento, a vontade e a criatividade humana não têm limites.  A corrida espacial continua desafiando toda a humanidade.  Diversas conquistas e descobertas científicas foram feitas no último ano com a descoberta de água corrente em Marte e do gelo em uma lua de Júpiter.  A Nasa desenvolveu o Epaçonave (Cápsula Espacial) Orion, veículo que irá transportar nossos astronautas nas próximas missões.  A Nasa desenvolveu também o sistema de propulsão alimentado por energia solar, além do novo sistema de lançamento espacial –SLS que ela vem sendo produzindo desde 2011.

O próximo passo da corrida espacial é de poder colonizar ambientes com possiblidade de desenvolver neles a vida humana e Marte está na mira.  Além da Nasa, outras startups estão interessadas na exploração do espaço e em especial em habitar o planeta vermelho.  Há cerca de dois anos surgia a startup Mars One com intuito de levar humanos para o planeta vizinho.  Mars One, chegou a abrir, em 2013, inscrições para candidatos a uma viagem sem volta ao planeta vermelho.  O número de inscritos ultrapassou as 150 mil pessoas do mundo inteiro, inclusive brasileiros.

Para estabelecer vida em Marte, a estratégia é de aquecer o planeta para poder derreter a água que está congelada na sua superfície.  Esse processo é chamado de terraformação.  Os cientistas acreditam que se estabelecemos uma sociedade humana em Marte com uma capacidade industrial significativa, poderemos criar gazes de efeito estufa e consequentemente aquecer o planeta fazendo com que a água, que está congelada no solo, se derreter correndo novamente sobre os rios de Marte, enchendo os lagos, e colocando o vapor da água na atmosfera.

Com o acúmulo de dióxido de carbono na atmosfera, a pressão atmosférica aumentaria, levando a um maior aquecimento e formação de oceanos.  Depois de décadas de terraformação, o planeta vermelho poderá então aparecer azul e cheio de água como a Terra.  E depois de algum tempo, ele poderá se transformar em um planeta rico em oxigênio e muito parecido à terra.

Outro desafio é como chegar até Marte? Isso não será fácil!  Embora marte seja nosso vizinho mais próximo do sistema solar.  Uma viagem a Marte é restrita pela posição dos planetas ao redor do sol e da movimentação dos planetas em suas orbitas.  Quando ele fica mais próximo da terra, Marte estará a mais de 54 milhões de quilômetros.

A janela de oportunidade para fazer uma viagem da terra a marte ou de marte à terra se abre a cada dois anos.  Uma viagem da Terra a Marte dura cerca de seis meses e a volta só poderá acontecer após dois anos quando abre a janela.  A viagem deve ser calculada com muita precisão.  Assim, serão realizadas viagens de dois em dois anos e cada tripulação ficará pelo menos dois anos em Marte.  Os cientistas acreditam que seremos capazes de alcançar o planeta vermelho entre 2035 e 2040.  Entretanto, esta conquista requer grandes investimentos em Pesquisa, grandes estratégias, e um grande líder mundial como foi o caso do ex-presidente dos Estados Unidos John Fred Kennedy responsável pela ida do homem à lua.  O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chegou a declarar que a Nasa fará missões tripuladas a Marte na década de 2030.

As novas gerações precisam se motivar mais, estudar mais, serem bastante inovadores, e sobre tudo, que eles tenham o desejo e a vontade de romper as barreiras tecnológicas e irem além do possível.  É a ciência que nos faz sonhar, é a ciências que nos fascina, e é a humanidade que se une e que acredita em seu potencial e seu futuro.

Em um tempo de máquinas poderosas, esses homens e mulheres devem provar que nenhuma tecnologia, por mais avançada que seja, pode substituir o talento e a criatividade humana.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias