BASTIDORES

O sonho do centro feliz

No momento em que o governo municipal, o estadual e o federal resolvem “dar um banho de loja” no velho centro histórico de São Luís, vale recordar do seu passado glorioso, charmoso e, acima de tudo, rico. Os milhares de sobradões que reluzem seus azulejos importados da Europa retratam um passado de abundância (do Brasil […]

No momento em que o governo municipal, o estadual e o federal resolvem “dar um banho de loja” no velho centro histórico de São Luís, vale recordar do seu passado glorioso, charmoso e, acima de tudo, rico. Os milhares de sobradões que reluzem seus azulejos importados da Europa retratam um passado de abundância (do Brasil colônia de Portugal), que deu forma, arte e vida à cidade dominada pelos patrícios do além-mar.

Com mais de cinco séculos resistindo à passagem do tempo, sofrendo múltiplas influências, a azulejaria portuguesa de Lisboa marca uma posição de relevo entre as artes decorativas. Apesar de tão longa história, a azulejaria de São Luís “desenvolveu características específicas, entre as quais, a riqueza cromática, a monumentalidade, o sentido cenográfico e a integração na arquitetura”. Foi como descreveu Francisco Aragão num texto sobre os azulejos de São Luís, falando dos 400 anos da cidade, em 2012.

Agora, observa-se forte movimento de rejuvenescimento do Centro Histórico, tombado pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade. O governo federal investiu R$ 33 milhões na restauração do complexo urbanístico das praças Deodoro, Panteon e Rua Osvaldo Cruz, finalmente transformada num enorme shopping a céu aberto. Completando, o governo do Estado anunciou aplicação de R$ 140 milhões na recuperação da área histórica, oferecendo, inclusive, moradia popular nos sobradões restaurados para servidores públicos que trabalham nas imediações.

Se não bastasse, ontem, o prefeito Edivaldo Júnior, a presidente do Iphan, Kátia Bogéa, e a mineradora Vale assinaram compromisso de execução de três obras grandiosas no Centro Histórico: requalificação da Praça João Lisboa, do Largo do Carmo e entorno e construção da Praça das Mercês. O conjunto desses investimentos em São Luís faz lembrar o “sonho do pobre feliz”, aquele que prefere viver no centro de São Paulo, com ar de abandono, mas perto de onde trabalha. A diferença é o charme da capital maranhense e a beleza de seu conjunto arquitetônico ímpar, pertencente culturalmente ao mundo.

Prefeita informal
 

A engenheira Kátia Bogéa tem dito que não tem pretensão política de disputar a prefeitura de São Luís. Prefere fazer o que mais gosta: cuidar do patrimônio artístico e histórico brasileiro, como faz na capital maranhense, tornando-se a mais entusiasta benfeitora de sua recuperação e preservação.

Bolsonarismo tucano
 

O senador Roberto Rocha (PSDB) está na linha de frente da visita do presidente Jair Bolsonaro, em agosto, ao Maranhão. Ele inaugura as obras das praças Deodoro e Panteon, a Rua Grande renovada, um conjunto habitacional de mais de mil casas populares em Rosário e visitará o Centro de Lançamento de Alcântara.

Os padrinhos
 

Agora está mais claro que o padrinho da nomeação da ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge, para a superintendência regional da Funasa no Maranhão não foi o senador Roberto Rocha, como parecia. Teria sido Leonardo de Jesus, o Índio, sobrinho do presidente Bolsonaro, assessor no Planalto e amigo de Maura.

“Não mordam a isca, isso é uma distração”
Das congressistas do Partido Democrata Rashida Tlaib, Ayanna Pressley, Ilhan Omar e Alexandria Ocasio-Cortez, descendentes de imigrantes, em resposta aos ataques considerados racistas do presidente Donaldo Trump, que lhes dirigiu o recado: “Se não gostam do país, saiam”.

1
Em desabafo a quem interessar possa, Flávio Dino tuitou ontem: “Os autodenominados ‘agentes da lei’ perpetraram abusos e absurdos jurídicos. Mas claro que também acertaram. A questão é que os acertos não legitimam os abusos e absurdos”.

2
Dino refere-se a “agente da lei” (Sérgio Moro), quem chama seus críticos de “defensores da corrupção”. E rebate: “Isso é o auge da prepotência e do autoritarismo. Além de, aí sim, ser ridículo. Minha solidariedade aos jornalistas, de vários veículos de comunicação, injustamente agredidos em sua honra”.

3
O segurança do deputado federal Josimar do Maranhãozinho (PR), Antônio Rodrigues, foi alvejado com mais de dez tiros, ontem à tarde. Os criminosos fugiram sem levar nada, segundo o blog do jornalista Gilberto Leda. Característica de execução.

Amigos eternos (1)
 

Um processo inusitado foi relatado pelo desembargador Jorge Rachid, do TJ-MA. Ele concordou com a juíza de 1º grau, Lorena Brandão, que julgou improcedente a ação de indenização de danos contra a empresa de cemitério Jardim da Paz.

Amigos eternos (2)
 

Um “cliente” contratante do cemitério sentiu-se com a honra maculada por sepultamento de três cães em local próximo ao sepulcro de seus pais. Rachid, Ângela Salazar e José de Ribamar Castro, da Câmara Cívil do TJ, não viram mácula “post mortem” no feito. Afinal, o cão, em vida, é o melhor amigo do homem. Por que não, post mortem?

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias