COLUNA

VIREMOS A PÁGINA

So­mos se­res so­ci­ais e, por is­so, es­ta­mos sem­pre em con­ta­to com o pró­xi­mo com­par­ti­lhan­do os acon­te­ci­men­tos ro­ti­nei­ros, mui­tos dos quais têm a ver com nos­sos de­se­jos, so­nhos, con­quis­tas, di­fi­cul­da­des, an­gús­ti­as, me­dos, per­das, la­men­ta­ções e um sem nú­me­ro de sen­ti­men­tos que car­re­ga­mos co­nos­co. Bas­ta uma con­ver­sa na fi­la do mer­ca­do, na pa­da­ria, na cal­ça­da, na me­sa […]

So­mos se­res so­ci­ais e, por is­so, es­ta­mos sem­pre em con­ta­to com o pró­xi­mo com­par­ti­lhan­do os acon­te­ci­men­tos ro­ti­nei­ros, mui­tos dos quais têm a ver com nos­sos de­se­jos, so­nhos, con­quis­tas, di­fi­cul­da­des, an­gús­ti­as, me­dos, per­das, la­men­ta­ções e um sem nú­me­ro de sen­ti­men­tos que car­re­ga­mos co­nos­co.

Bas­ta uma con­ver­sa na fi­la do mer­ca­do, na pa­da­ria, na cal­ça­da, na me­sa de bar ou aque­la reu­nião em fa­mí­lia que lá es­tão pre­sen­tes as la­mú­ri­as de nos­sas ex­pe­ri­ên­ci­as não tão bem su­ce­di­das. Daí ad­vêm uma per­gun­ta sim­ples: por que te­mos enor­me di­fi­cul­da­de em vi­rar a pá­gi­na, acei­tar que as coi­sas já não são co­mo an­tes ou que não acon­te­ce­ram co­mo pre­vía­mos?

É nor­mal que con­ver­se­mos com nos­sos co­muns a res­pei­to dos acon­te­ci­men­tos em nos­sas vi­das, pos­tu­ra es­sa que po­de, in­clu­si­ve, nos aju­dar e tam­bém ao pró­xi­mo.  Pro­ble­ma é quan­do trans­for­ma­mos al­gu­mas des­sas frus­tra­ções em car­mas que nos im­pe­dem, ou pe­lo me­nos obs­tam, de se­guir nos­so des­ti­no li­vre­men­te.

Even­tos ne­ga­ti­vos es­tão des­ti­na­dos a acon­te­cer in­de­pen­den­te de nos­sa von­ta­de, um fa­to so­bre o qual na­da po­de­mos fa­zer. Ou­tras ve­zes, tais acon­te­ci­men­tos na­da mais são do que re­sul­ta­dos de nos­sas con­du­tas ao lon­go da vi­da. Di­an­te das per­das que co­le­ci­o­na­mos, é ne­ces­sá­rio que fa­ça­mos uma au­to­a­va­li­a­ção pa­ra iden­ti­fi­car pos­sí­veis cau­sas.

As­su­mir e acei­tar que al­guns tro­pe­ços es­tão re­la­ci­o­na­dos es­tri­ta­men­te às nos­sas ações é o pri­mei­ro pas­so pa­ra o en­fren­ta­men­to da ques­tão. Na­tu­ral­men­te por­que é bem mais fá­cil en­con­trar uma ra­zão que es­te­ja fo­ra de nós, que  não nos im­pli­que uma cul­pa di­re­ta, mas na ou­tra pes­soa ou nas cir­cuns­tân­ci­as que que­re­mos acre­di­tar não po­der mu­dar.

Guar­do com ca­ri­nho uma li­ção que apren­di ain­da me­ni­no dos pés des­cal­ços: de to­da si­tu­a­ção é pos­sí­vel co­lher al­go de po­si­ti­vo. Ti­rar pro­vei­to das ad­ver­si­da­des tal­vez se­ja um dos mais im­por­tan­tes se­gre­dos pa­ra o al­can­ce da fe­li­ci­da­de al­me­ja­da, vis­to que na­da acon­te­ce por aca­so.

As­sim, tu­do de­pen­de de co­mo en­ca­ra­mos as ad­ver­si­da­des, já que per­das fa­rão par­te de ca­da his­tó­ria, tal co­mo as con­quis­tas. O im­por­tan­te é ter equi­lí­brio e ati­tu­de pro­a­ti­va pa­ra li­dar com mo­men­tos de in­su­ces­so, pois eles tam­bém nos aju­dam a en­con­trar nos­so ca­mi­nho.

A vi­da é co­mo uma guer­ra cons­tan­te, on­de ga­nha­mos e per­de­mos ba­ta­lhas, mas pre­ci­sa­mos con­ti­nu­ar. O es­cri­tor ita­li­a­no Ugo Fos­co­lo afir­mou que ca­da lá­gri­ma nos en­si­na uma ver­da­de. E a vi­da na­da mais é do que ver­da­des sen­do cons­truí­das ao lon­go de uma fas­ci­nan­te jor­na­da.

Na pa­ra­do­xal mis­tu­ra do per­fei­to com o im­per­fei­to, do es­pe­ra­do com o ines­pe­ra­do, a úni­ca cer­te­za que nos res­ta é de que de­ve­mos es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra os re­sul­ta­dos que vi­rão. Al­guém cer­ta vez en­si­nou que o im­por­tan­te é com­pe­tir, afir­ma­ção que con­fes­so sou um tan­to ad­mi­ra­dor. Na­da exis­te ne­la de fi­lo­so­fia de per­de­dor, co­mo po­dem pen­sar al­guns.

Ra­ra­men­te co­nhe­ce­mos pes­so­as de su­ces­so que acer­ta­ram na pri­mei­ra ten­ta­ti­va ou que não te­nham co­me­ti­do e ain­da co­me­tam er­ros. No en­tan­to, é pre­ci­so es­tar de­ter­mi­na­do, ser re­si­li­en­te e ter um pro­pó­si­to que o mo­va no sen­ti­do dos ob­je­ti­vos es­ta­be­le­ci­dos.

O on­tem já não nos per­ten­ce a não ser pe­los seus en­si­na­men­tos. Ja­mais po­de­mos nos pren­der ao que pas­sou, ou cer­ta­men­te não te­re­mos a ca­pa­ci­da­de de sa­ber­mos apro­vei­tar as opor­tu­ni­da­des pre­sen­tes que nos cer­cam. A di­fe­ren­ça di­an­te das per­das é co­mo ca­da um li­da com as mes­mas pa­ra rom­per com a “cul­tu­ra do in­con­for­mis­mo”.

Tho­mas Edi­son re­a­li­zou pe­lo me­nos 1200 ex­pe­ri­men­tos an­tes de che­gar a um mo­de­lo de lâm­pa­da elé­tri­ca. Após anos de tra­ba­lho, um de seus au­xi­li­a­res ale­gou que ain­da não ha­vi­am avan­ça­do um pas­so se­quer após 700 ten­ta­ti­vas. Tho­mas en­tão re­ba­teu afir­man­do que ele es­ta­va er­ra­do, pois já ha­vi­am avan­ça­do 700 pas­sos ru­mo ao êxi­to, já que ago­ra co­nhe­ci­am cen­te­nas de ca­mi­nhos que não le­va­ri­am ao su­ces­so da in­ven­ção pre­ten­di­da.

A vi­da é um li­vro cu­jas pá­gi­nas so­men­te po­dem ser li­das uma úni­ca vez. Nun­ca dei­xa­re­mos de ter pro­ble­mas, obs­tá­cu­los sem­pre exis­ti­rão, as­sim co­mo con­quis­tas tam­bém se­rão al­can­ça­das. O mais im­por­tan­te é que ao fi­nal de ca­da lei­tu­ra, uma pá­gi­na se­rá vi­ra­da pa­ra que uma no­va co­me­ce a ser de­se­nha­da.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias