COLUNA

A ascensão de Johnson

Nos anos trin­ta da cen­tú­ria an­te­ri­or as clas­ses mé­di­as da Ale­ma­nha e da Itá­lia, apa­vo­ra­das com o sur­gi­men­to do co­mu­nis­mo na Rús­sia, le­va­ram ao po­der dois lí­de­res po­pu­lis­tas. Os ale­mães ele­va­ram Adol­fo Hi­tler ao car­go de pri­mei­ro-mi­nis­tro, e os ita­li­a­nos fi­ze­ram os mes­mo com Be­ni­to Mus­so­li­ni, am­bos, des­cri­am nos Par­la­men­tos e nos par­ti­dos po­lí­ti­cos. Os […]

Nos anos trin­ta da cen­tú­ria an­te­ri­or as clas­ses mé­di­as da Ale­ma­nha e da Itá­lia, apa­vo­ra­das com o sur­gi­men­to do co­mu­nis­mo na Rús­sia, le­va­ram ao po­der dois lí­de­res po­pu­lis­tas. Os ale­mães ele­va­ram Adol­fo Hi­tler ao car­go de pri­mei­ro-mi­nis­tro, e os ita­li­a­nos fi­ze­ram os mes­mo com Be­ni­to Mus­so­li­ni, am­bos, des­cri­am nos Par­la­men­tos e nos par­ti­dos po­lí­ti­cos. Os uti­li­za­ram ape­nas pa­ra a con­quis­ta do car­go po­lí­ti­co su­pre­mo. Em se­gui­da, ini­ci­a­ram o des­mon­te das ins­ti­tui­ções, im­pon­do re­gi­mes de for­ça que os con­du­zi­ram a he­ca­tom­be da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Ven­ci­da es­ta úl­ti­ma pe­los Ali­a­dos, a de­mo­cra­cia pas­sou a ser de­fen­di­da co­mo re­gi­me ide­al pa­ra to­dos os paí­ses do Oci­den­te.

Na es­tei­ra, sur­giu a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das, en­car­re­ga­da de man­ter a paz, a gran­de con­quis­ta dos ven­ce­do­res, am­pa­ra­da por su­ces­si­vas De­cla­ra­ções de Di­rei­to. A Rús­sia, or­ga­ni­za­da em for­ma de re­pú­bli­cas so­vié­ti­cas, mes­mo li­ti­gan­do com as de­mo­cra­ci­as do blo­co ca­pi­ta­lis­ta, na cha­ma­da Guer­ra Fria, con­fron­to ar­ma­men­tis­ta e ide­o­ló­gi­co, não re­nun­ci­a­va de de­no­mi­nar os paí­ses sob sua in­fluên­cia de de­mo­cra­ci­as po­pu­la­res. A de­mo­cra­cia era, en­fim, o con­sen­so, que se ima­gi­na­va de­fi­ni­ti­vo. Di­ver­gia-se ape­nas quan­to ao ró­tu­lo ide­o­ló­gi­co. Os paí­ses oci­den­tais co­nhe­ce­ram no pe­río­do pós-Guer­ra, a par­tir de 1945, um enor­me sur­to de de­sen­vol­vi­men­to in­dus­tri­al, com pro­gres­so e bem-es­tar so­ci­al. No mes­mo es­pa­ço de tem­po, re­a­li­zou-se con­si­de­rá­vel dis­tri­bui­ção da ren­da, am­pli­an­do-se a ação do Es­ta­do pre­vi­den­ciá­rio.

Mas nos úl­ti­mos 40 anos, a si­tu­a­ção vem se al­te­ran­do em de­cor­rên­cia de mu­dan­ças de­ter­mi­na­das por no­va re­vo­lu­ção in­dus­tri­al subs­ti­tuin­do o em­pre­go de mão-de-obra pe­la uti­li­za­ção de no­vas tec­no­lo­gi­as di­gi­tais, en­fra­que­cen­do as clas­ses mé­di­as sur­gi­das no pós-Guer­ra, ago­ra, ame­a­ça­das pe­las le­vas mi­gra­tó­ri­as al­te­ran­do a com­po­si­ção das po­pu­la­ções, mui­tas de­las à mar­gem das con­quis­tas do Es­ta­do do Bem-Es­tar So­ci­al, co­mo bo­as as es­co­las e as opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho.

O fenô­me­no uni­ver­sal­men­te vi­sí­vel é bem ní­ti­do nos paí­ses do Oci­den­te, on­de vi­vem 85% da po­pu­la­ção com ele­va­do po­der aqui­si­ti­vo, que vem sen­do re­du­zi­do ao lon­go das úl­ti­mas dé­ca­das, ao la­do de mo­vi­men­tos na­ci­o­na­lis­tas de ca­rá­ter au­to­ri­tá­rio. O fenô­me­no se re­pe­te na Itá­lia, Rús­sia, Polô­nia, Hun­gria, Tur­quia, Ín­dia, Fi­li­pi­nas, e quem di­ria, Es­ta­dos Uni­dos, con­si­de­ra­do o mo­de­lo ide­al da de­mo­cra­cia oci­den­tal.

O Bra­sil não es­ca­pou da ten­dên­cia, ele­geu no úl­ti­mo plei­to pre­si­den­ci­al can­di­da­to “out­si­der, ” a mar­gem das or­ga­ni­za­ções par­ti­dá­ri­as e das li­de­ran­ças tra­di­ci­o­nais. A Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral de 1988, es­pe­lha­da no pa­drão da de­mo­cra­cia-so­ci­al e no do Es­ta­do do Bem-Es­tar So­ci­al nor­te-ame­ri­ca­no, não foi ca­paz de res­pon­der sa­tis­fa­to­ri­a­men­te às no­vas clas­ses mé­di­as re­sul­tan­tes dos pe­río­dos de­sen­vol­vi­men­tis­tas.

Se­ma­na pas­sa­da, o si­su­do Rei­no Uni­do, de sua ma­jes­ta­de bri­tâ­ni­ca, as­sis­tiu a pos­se do pri­mei­ro-mi­nis­tro Bo­ris John­son, mais um po­pu­lis­ta as­su­me a che­fia do go­ver­no, ao meio do im­pas­se do Bre­xit, re­sul­tan­te do ple­bis­ci­to con­cluin­do pe­la saí­da do país da União Eu­ro­peia. A an­te­ces­so­ra, The­re­sa May, do mes­mo par­ti­do, não te­ve êxi­to na fir­ma­tu­ra dos acor­dos vi­a­bi­li­za­do­res da de­ci­são po­pu­lar. O no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co en­qua­dra-se no per­fil po­pu­lis­ta, his­tri­ô­ni­co, ca­ri­ca­to, con­si­de­ra­do o “Do­nald Trump da In­gla­ter­ra”, con­se­gue ti­rar o in­glês do sé­rio. Os in­di­ca­do­res, além da cri­se dos par­ti­dos ex­pli­cam um pou­co. Lá, 1% dos mais

ri­cos do­brou sua par­ti­ci­pa­ção na ren­da na­ci­o­nal. 500 mil pes­so­as em­po­bre­ce­ram nos úl­ti­mos 5 anos, atu­al­men­te, vi­vem com ga­nho men­sal in­fe­ri­or a 60% da mé­dia do país. Con­si­de­rá­vel con­cen­tra­ção da ren­da en­tre os mais ri­cos. O que di­zer do Bra­sil? Ex­pli­ca bas­tan­te o que ocor­reu no nos­so úl­ti­mo plei­to pre­si­den­ci­al. As de­mo­cra­ci­as pre­ci­sam bus­car so­lu­ções pa­ra as de­man­das das no­vas clas­ses mé­di­as. Aqui e alhu­res elas se en­con­tram ame­a­ça­das por dis­cur­sos e ações de lí­de­res po­pu­lis­tas au­to­ri­tá­ri­os. As pe­ças de re­tó­ri­ca va­ri­am: pro­te­ci­o­nis­mo, am­bi­en­ta­lis­mo, in­to­le­rân­cia cul­tu­ral e re­li­gi­o­sa, na­ci­o­na­lis­mo, des­pre­zo pe­las De­cla­ra­ções de Di­rei­to. Nem os in­gle­ses su­pu­nham ver a as­cen­são de John­son.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias