CORONAVÍRUS

No Maranhão

942
57605
31569
1399
BASTIDORES

O cavalo está selado. Vamos deixar passar?

Diz o dito popular que um cavalo selado não passa duas vezes pela mesma porta, mas o cavalo que vai levar o desenvolvimento para Alcântara está passando, portanto, é preciso muita responsabilidade e honestidade para tratar o assunto e não perdermos a oportunidade. Participei de forma bastante ativa das negociações do primeiro acordo de salvaguardas […]

Diz o dito popular que um cavalo selado não passa duas vezes pela mesma porta, mas o cavalo que vai levar o desenvolvimento para Alcântara está passando, portanto, é preciso muita responsabilidade e honestidade para tratar o assunto e não perdermos a oportunidade.

Participei de forma bastante ativa das negociações do primeiro acordo de salvaguardas entre Brasil e Estados Unidos – que foi rejeitado pelo Congresso – e hoje, anos depois, quando escuto os argumentos e as ponderações contrárias à instalação do Centro de Lançamento, fico me perguntando por que quase nada mudou ao longo desse tempo.

De lá pra cá, desde a primeira recusa, algo mudou na vida do povo de Alcântara? A resposta é não. Os problemas ali estão ainda piores e continuam sendo estruturais tanto na educação quanto na saúde. Segundo dados do IBGE, 56,4% da população da cidade tem rendimento mensal menor que meio salário mínimo, e apenas 6,5% de domicílios possuem esgotamento sanitário adequado. Quando o assunto é tecnologia, embora já existam algumas iniciativas, quando você sai da Base, a pobreza continua imensa. Ou seja, não dá pra continuar desta forma.

O debate precisa avançar, porém, reconhecendo e corrigindo os erros do passado. Por exemplo, por que os quilombolas não receberam as indenizações que foram prometidas? Qual foi o problema? Essas questões deixaram marcas profundas na comunidade e precisam ser resolvidas. Hoje, eles vivem da pesca artesanal e da agricultura de toco. Mas, é isso que queremos? É isso que eles querem? Ou será que não conseguem confiar nos acordos porque já foram enganados antes?

Acredito que nós não temos o direito de tirar o futuro de milhares de pessoas que serão beneficiadas diretamente por um novo acordo coerente, tanto nas comunidades quilombolas, como nas tradicionais e também da população vizinha de Alcântara. E isso depende apenas dos políticos. De nos organizarmos numa agenda de desenvolvimento responsável e requerermos que haja uma contribuição, como há para a comunidade da Base de Kouru, na Guiana Francesa, onde existe uma espécie de “salário mínimo” de aproximadamente R$ 4 mil reais para quem, antes, vivia no nível da mais absoluta pobreza. Aqui no Brasil, esse valor é perfeitamente possível de acordo com a previsão de investimento e lucro com a nova Base.

O certo é que eu não acredito que, sem uma ajuda externa, sem receita externa, gerada por um outro agente econômico, Alcântara consiga melhorar a vida dos seus cidadãos. Ter a Base é uma oportunidade. Isso é fato. O cavalo está passando selado pela segunda e, como maranhense, não vou deixar essa oportunidade ser desperdiçada sem antes usar argumentos como os que estou usando agora e me baseando em dados que demonstram a situação difícil que vive o município.

Durante muitos anos, fui político em Alcântara, junto com minha amiga Heloisa Leitão, e levamos muitos benefícios para aquele município, mas parece que a partir dali a situação só se agravou, e a população foi perdendo a esperança.

Vamos discutir antropologia e tudo o que precisa ser discutido, com a consciência de que temos a obrigação de proteger os quilombolas e de que vamos fazê-lo. Aqui, na bancada federal, sinto que todos estão focados nisso.

Não vamos pôr em risco e nem vamos espantar o cavalo selado. Vamos aceitar esse desenvolvimento que Deus  nos fornece, já que é em função da localização privilegiada, e vamos usufruir dessas vantagens.

Tenho certeza de que os quilombolas não querem só o caminho do mar para pescar de forma rudimentar. Eles querem, acima de tudo, uma vida melhor; querem renda; querem algo que os tranquilize, que justifique o fato de eles terem sofrido durante tanto tempo com o abandono e sem novos enganos. Não vamos deixar o cavalo fugir. Esse é o apelo que faço a todos.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias