COLUNA

O presidente sem decoro

As de­cla­ra­ções po­lê­mi­cas de Jair Bol­so­na­ro têm pro­vo­ca­do per­ple­xi­da­de em am­plas ca­ma­das da so­ci­e­da­de e cons­tran­gi­men­to em se­to­res do pró­prio go­ver­no. A sua in­con­ti­nên­cia ver­bal re­ve­la seu des­pre­pa­ro pa­ra exer­cer a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca e seu des­res­pei­to pe­la li­tur­gia do car­go. À gui­sa de ilus­tra­ção, co­la­ci­o­na­mos abai­xo opi­niões de al­guns jor­na­lis­tas e po­lí­ti­cos acer­ca dos […]

As de­cla­ra­ções po­lê­mi­cas de Jair Bol­so­na­ro têm pro­vo­ca­do per­ple­xi­da­de em am­plas ca­ma­das da so­ci­e­da­de e cons­tran­gi­men­to em se­to­res do pró­prio go­ver­no. A sua in­con­ti­nên­cia ver­bal re­ve­la seu des­pre­pa­ro pa­ra exer­cer a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca e seu des­res­pei­to pe­la li­tur­gia do car­go. À gui­sa de ilus­tra­ção, co­la­ci­o­na­mos abai­xo opi­niões de al­guns jor­na­lis­tas e po­lí­ti­cos acer­ca dos des­pau­té­ri­os pro­fe­ri­dos pe­lo pre­si­den­te:

A au­sên­cia de ela­bo­ra­ção ar­gu­men­ta­ti­va e o uso de in­sul­tos são a praia de Bol­so­na­ro. Ne­la, ele na­da de bra­ça­da. É im­ba­tí­vel no que­si­to ní­vel abai­xo do acei­tá­vel. Já no cam­po das ale­ga­ções e jus­ti­fi­ca­ti­vas bem co­lo­ca­das, ques­ti­o­na­men­tos subs­tan­ti­vos, pre­mis­sas e con­clu­sões ló­gi­cas, te­ses, an­tí­te­ses e sín­te­ses ir­re­fu­tá­veis, o atu­al pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não sa­be nem tem in­te­res­se em na­ve­gar (Do­ra Kra­mer).

Pe­la ló­gi­ca da po­lí­ti­ca tra­di­ci­o­nal, o ca­pi­tão já de­ve­ria ter re­co­lhi­do as ar­mas. Ele tem op­ta­do pe­la es­tra­té­gia opos­ta, na ten­ta­ti­va de agra­dar os se­gui­do­res mais fa­ná­ti­cos. O bol­so­na­ris­ta-raiz é fi­el: es­tá dis­pos­to a fe­char os olhos pa­ra to­das as tra­pa­lha­das do go­ver­no, des­de que seu lí­der con­ti­nue a es­bra­ve­jar con­tra o co­mu­nis­mo (Ber­nar­do Mel­lo Fran­co).

Con­ti­nu­ar com a po­lí­ti­ca sui­ci­da de di­vi­dir os ci­da­dãos, apre­sen­tan­do-se sem­pre co­mo pró­xi­mo de tu­do o que chei­ra a vi­o­lên­cia, de­sa­fio e uso das ar­mas, só po­de fa­zer com que até as pes­so­as que um dia con­fi­a­ram ne­le pa­ra con­du­zir o des­ti­no do país ho­je se sin­tam ar­re­pen­di­das e es­can­da­li­za­das (Ju­an Ari­as do El País).

Meu de­sa­gra­do mai­or é em re­la­ção à pos­tu­ra do pre­si­den­te, de con­ti­nu­ar se­le­ci­o­nan­do pau­tas que não são pri­o­ri­tá­ri­as, pau­tas ain­da de cam­pa­nha, de di­vi­são da so­ci­e­da­de, com tan­ta coi­sa im­por­tan­te que pre­ci­sa ser fei­ta no país (João Amo­e­do).

O pre­si­den­te pas­sa de to­dos os li­mi­tes ins­ti­tu­ci­o­nais, que­bra o de­co­ro, ofen­de quem de­po­si­tou ne­le a es­pe­ran­ça de mu­dan­ça, brin­ca de ser pre­si­den­te (Eli­zi­a­ne Ga­ma).

Uma cor­ren­te de ana­lis­tas po­lí­ti­cos sus­ten­ta que os dis­pa­ra­tes do pre­si­den­te são pro­nun­ci­a­dos de ca­so pen­sa­do, ou se­ja, há uma es­tra­té­gia por trás do seu dis­cur­so agres­si­vo pa­ra pre­ser­var o apoio do elei­to­ra­do con­ser­va­dor e man­ter a sua ba­se so­ci­al mo­bi­li­za­da, as­sim co­mo faz Do­nald Trump.

Em to­do ca­so, al­guém pre­ci­sa aler­tar Bol­so­na­ro a res­pei­to das dis­po­si­ções da Lei 1.079/1950, que ti­pi­fi­ca os cri­mes de res­pon­sa­bi­li­da­de pas­sí­veis de im­pe­a­ch­ment do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Diz o ar­ti­go 9º, VII: “Pro­ce­der de mo­do in­com­pa­tí­vel com a dig­ni­da­de, a hon­ra e o de­co­ro do car­go”.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias