BASTIDORES

No gostinho

Naturalmente que depois do deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) experimentar o formato anatômico da cadeira de governador do Maranhão jamais perderá o desejo de aspirar o cargo na eleição de 2022. Verdade que conhece as liturgias e vaidades de chefe de poder como presidente da Assembleia Legislativa, mas a faixa de senhor do executivo tem […]

Naturalmente que depois do deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) experimentar o formato anatômico da cadeira de governador do Maranhão jamais perderá o desejo de aspirar o cargo na eleição de 2022. Verdade que conhece as liturgias e vaidades de chefe de poder como presidente da Assembleia Legislativa, mas a faixa de senhor do executivo tem um gosto a mais, manda muito mais. Ontem, Flávio Dino (PCdoB) foi eleito para o primeiro mandato. Hoje, está no quinto mês, do primeiro ano, no segundo mandato, sabendo da rapidez na escolha para a definição do sucessor de seu cargo. Fato que vai gerar, sem dúvida, a terceira desafetação no seu grupo político depois do rompimento com o senador Roberto Rocha (PSDB) e do ex-governador Zé Reinaldo (PSDB). Evidente que a decisão de Dino pode deixar mágoas nos pré-candidatos Weverton Rocha (PDT) e Carlos Brandão (PRB), e, quem sabe, talvez, o Othelino. Pode ainda surgir mais um pré-candidato com perfil técnico administrativo ou mesmo um fenômeno político, pouco provável com cada um sentado com força em cima dos espaços conquistados. Dino mantém, hoje, todos juntos para a fotografia pública que mostre harmonia e liderança, certo que a constância política individual depende do equilíbrio no apetite guloso dos atuais aliados. Nada será igual depois das eleições municipais em 2020, muitos podem perder ou ganhar musculatura eleitoral, até mesmo o ocupante dos Leões. Para fechar o cálculo matemático temos que aguardar o humor e a decisão dos eleitores.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias