BASTIDORES

A PNADc/IB­GE e a es­tag­na­ção do mer­ca­do de tra­ba­lho

Na se­ma­na que se en­cer­ra foi di­vul­ga­do pe­lo IB­GE o re­la­tó­rio da Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os Con­tí­nua, a PNADc, re­fe­ren­te ao tri­mes­tre mó­vel de ja­nei­ro a mar­ço de 2019, que re­ve­la uma ra­di­o­gra­fia bas­tan­te pes­si­mis­ta da di­nâ­mi­ca do mer­ca­do de tra­ba­lho no Bra­sil. Na com­pa­ra­ção com o pri­mei­ro tri­mes­tre de 2018, o con­tin­gen­te […]

Na se­ma­na que se en­cer­ra foi di­vul­ga­do pe­lo IB­GE o re­la­tó­rio da Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os Con­tí­nua, a PNADc, re­fe­ren­te ao tri­mes­tre mó­vel de ja­nei­ro a mar­ço de 2019, que re­ve­la uma ra­di­o­gra­fia bas­tan­te pes­si­mis­ta da di­nâ­mi­ca do mer­ca­do de tra­ba­lho no Bra­sil. Na com­pa­ra­ção com o pri­mei­ro tri­mes­tre de 2018, o con­tin­gen­te de pes­so­as ocu­pa­das atin­giu 91,87 mi­lhões, um acrés­ci­mo de 1,59 mi­lhões, ou uma va­ri­a­ção po­si­ti­va de 1,8%. Não obs­tan­te, aque­le re­sul­ta­do ain­da es­tá 1,9% abai­xo do pri­mei­ro tri­mes­tre de 2015, quan­do se re­gis­tra­ram 92,02 mi­lhões de ocu­pa­dos no Bra­sil. E des­de en­tão, atin­gi­ram a ida­de ati­va cer­ca de 6,65 mi­lhões de bra­si­lei­ros.

Quan­do se ana­li­sam os re­sul­ta­dos se­gun­do a dis­tri­bui­ção na po­si­ção da ocu­pa­ção e ca­te­go­ria de em­pre­go, ob­ser­va-se que no se­tor pri­va­do, o con­tin­gen­te de pes­so­as com car­tei­ra as­si­na­da cres­ceu em cer­ca de 81 mil pes­so­as, atin­gin­do 32,92 mi­lhões de pes­so­as – um acrés­ci­mo de  ape­nas 0,2%, com­pa­ra­do com um cres­ci­men­to de 466 mil pes­so­as no con­tin­gen­te de tra­ba­lha­do­res sem car­tei­ra as­si­na­da (pa­ra 11,12 mi­lhões) – uma va­ri­a­ção de +4,4%. Já o con­tin­gen­te de “Con­tas Pró­pri­as” (tra­ba­lha­do­res sem vín­cu­lo em­pre­ga­tí­cio), ele­vou-se a 23,75 mi­lhões ao fi­nal do pri­mei­ro tri­mes­tre de 2019 – um acrés­ci­mo de 879 mil pes­so­as (+3,8%), sen­do que 478 mil des­tas, clas­si­fi­ca­das co­mo “sem CNPJ”.

É im­por­tan­te con­si­de­ra­mos que as con­tra­ta­ções no se­tor pú­bli­co, re­gis­tra­das co­mo “mi­li­ta­res e es­ta­tu­tá­ri­os”, e tam­bém “com car­tei­ra”, con­tri­buí­ram com o acrés­ci­mo de pou­co mais de 190 mil ocu­pa­ções for­mais no pe­río­do de 12 me­ses en­cer­ra­dos em mar­ço de 2019, en­quan­to que os “em­pre­ga­do­res com CNPJ” su­pe­ra­ram o con­tin­gen­te dos “Sem CNPJ” em cer­ca de 89 mil ocu­pa­ções no mes­mo pe­río­do. Não obs­tan­te, ob­ser­va-se que o acrés­ci­mo na ocu­pa­ção ocor­reu qua­se que to­tal­men­te atra­vés da ex­pan­são do tra­ba­lho in­for­mal, que atin­giu ao to­do cer­ca de 39,5 mi­lhões de tra­ba­lha­do­res, per­fa­zen­do pou­co mais do que 43% da po­pu­la­ção ocu­pa­da no 1º tri­mes­tre de 2019.

Quan­do se ava­li­am os re­sul­ta­dos da PNADc re­la­ci­o­na­dos aos gru­pa­men­tos da ati­vi­da­de do tra­ba­lho prin­ci­pal, ob­ser­va-se que a Cons­tru­ção Ci­vil re­gis­trou o fe­cha­men­to de 19 mil ocu­pa­ções no ano en­cer­ra­do em mar­ço de 2019, re­du­zin­do o con­tin­gen­te de ocu­pa­dos a 6,52 mi­lhões de pes­so­as, com­pa­ra­dos com 7,94 mi­lhões no fi­nal de 2013. Já a In­dús­tria Ge­ral (ex­ce­to a Cons­tru­ção Ci­vil), re­gis­trou a aber­tu­ra de 83 mil no­vas ocu­pa­ções no ano en­cer­ra­do em mar­ço de 2019, atingindo11,67 mi­lhões de ocu­pa­dos, com­pa­ra­dos a 12,37 mi­lhões no fi­nal de 2013. Na ou­tra pon­ta, os sub­se­to­res que re­gis­tra­ram mai­or ex­pan­são nas con­tra­ta­ções fo­ram o de Ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, edu­ca­ção e saú­de, com 502 mil no­vas ocu­pa­ções (atin­gin­do 15,98 mi­lhões de ocu­pa­dos) e In­for­ma­ção, co­mu­ni­ca­ção e ati­vi­da­des fi­nan­cei­ras, imo­bi­liá­ri­as, com 417 mil no­vos ocu­pa­dos, e ain­da Ser­vi­ços de Trans­por­tes, Ar­ma­ze­na­gem e Cor­rei­os, com 202 mil no­vos ocu­pa­dos.

Ou­tros re­sul­ta­dos de gran­de in­te­res­se na PNADc re­la­ti­va ao tri­mes­tre ja­nei­ro a mar­ço de 2019, em com­pa­ra­ção com o mes­mo pe­río­do de 2018, apon­tam cres­ci­men­to de 624 mil pes­so­as su­bo­cu­pa­das por in­su­fi­ci­ên­cia de ho­ras tra­ba­lha­das (pa­ra 6,77 mi­lhões), além de um acrés­ci­mo de 256 mil pes­so­as de­sa­len­ta­das (que não pro­cu­ra­ram ocu­pa­ção por acre­di­ta­rem que não te­ri­am chan­ce de su­ces­so) – pa­ra 4,84 mi­lhões. So­ma­dos aos 13,39 mi­lhões de de­so­cu­pa­dos (que pro­cu­ra­ram ocu­pa­ção sem su­ces­so, no pe­río­do de re­fe­rên­cia) e aos 8,17 mi­lhões im­pe­di­dos de tra­ba­lhar por al­gum mo­ti­vo, tem-se que o nú­me­ro de pes­so­as su­bu­ti­li­za­das no Bra­sil foi su­pe­ri­or a 28,32 mi­lhões de pes­so­as no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2019, na­da me­nos do que 26,9% do to­tal da for­ça de tra­ba­lho. Não res­ta dú­vi­da que o ele­va­do per­cen­tu­al de in­for­ma­li­da­de e de su­bu­ti­li­za­ção da for­ça de tra­ba­lho, em um qua­dro de des­mon­te do in­ves­ti­men­to pú­bli­co e de des­re­gu­la­men­ta­ção das re­la­ções de tra­ba­lho, guar­da es­trei­ta re­la­ção com o qua­dro de bai­xo cres­ci­men­to da mas­sa de ren­di­men­tos dos bra­si­lei­ros, um dos fa­to­res res­pon­sá­veis pe­lo qua­dro de se­mi-es­tag­na­ção da ati­vi­da­de econô­mi­ca no país.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias