COLUNA

COMO AS DEMOCRACIAS MORREM

Em “Co­mo as de­mo­cra­ci­as mor­rem”, Ste­ven Levitsky e Da­ni­el Zi­blatt tra­tam so­bre o que se­ria o prin­cí­pio de uma re­ces­são de­mo­crá­ti­ca na Amé­ri­ca, que con­sis­te no fim de um pro­ces­so de am­pli­a­ção da de­mo­cra­cia ao re­dor do mun­do atra­vés da dis­so­lu­ção gra­du­al de du­as re­gras que pos­si­bi­li­ta­ram o fun­ci­o­na­men­to do re­gi­me de­mo­crá­ti­co, a sa­ber, a […]

Em “Co­mo as de­mo­cra­ci­as mor­rem”, Ste­ven Levitsky e Da­ni­el Zi­blatt tra­tam so­bre o que se­ria o prin­cí­pio de uma re­ces­são de­mo­crá­ti­ca na Amé­ri­ca, que con­sis­te no fim de um pro­ces­so de am­pli­a­ção da de­mo­cra­cia ao re­dor do mun­do atra­vés da dis­so­lu­ção gra­du­al de du­as re­gras que pos­si­bi­li­ta­ram o fun­ci­o­na­men­to do re­gi­me de­mo­crá­ti­co, a sa­ber, a to­le­rân­cia mú­tua (o re­co­nhe­ci­men­to de que os opo­si­to­res têm o di­rei­to de exis­tir, dis­pu­tar pe­lo po­der e go­ver­nar, ca­so res­pei­ta­das as re­gras) e a re­ser­va ins­ti­tu­ci­o­nal (evi­tar as ações que po­dem até res­pei­tar os tex­tos le­gais, mas fe­rem o seu es­pí­ri­to). Es­se é um pon­to ne­vrál­gi­co da obra, vis­to que não se es­tá dis­cu­tin­do tra­di­ci­o­nais gol­pes que cul­mi­nam em re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os os­ten­si­vos ca­pi­ta­ne­a­dos por for­ças ar­ma­das mi­li­ta­res ou re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as, mas o ca­mi­nho si­len­ci­o­so e sem qual­quer resquí­cio apa­ren­te de ile­ga­li­da­de pe­lo qual uma de­mo­cra­cia po­de ruir – foi o que hou­ve na Ale­ma­nha na­zis­ta e na Ve­ne­zu­e­la cha­vis­ta, por exem­plo.

Em re­gra, po­pu­lis­tas e de­ma­go­gos au­to­ri­tá­ri­os são os prin­ci­pais ato­res nes­se ce­ná­rio, mas nem sem­pre con­se­guem ser iden­ti­fi­ca­dos an­tes de che­gar ao po­der – o que di­fi­cul­ta que se­jam to­ma­das me­di­das pre­li­mi­na­res de con­ten­ção. Os au­to­res elen­cam qua­tro si­nais apre­sen­ta­dos por lí­de­res des­sa na­tu­re­za: a) re­jei­ção às re­gras de­mo­crá­ti­cas; b) ne­ga­ção da le­gi­ti­mi­da­de dos opo­nen­tes; c) to­le­rân­cia e en­co­ra­ja­men­to a vi­o­lên­cia e; d) res­tri­ção às li­ber­da­des ci­vis de seus opo­si­to­res, in­clu­si­ve a mí­dia. Qual­quer se­me­lhan­ça com ações do pre­si­den­te bra­si­lei­ro não é me­ra coin­ci­dên­cia. Ain­da, uma ca­rac­te­rís­ti­ca pe­cu­li­ar que os al­go­zes da de­mo­cra­cia apre­sen­tam é de que re­bai­xam os pa­drões de com­por­ta­men­to que re­gem a po­lí­ti­ca.

Foi is­so o que acon­te­ceu es­sa se­ma­na, quan­do Jair Bol­so­na­ro se di­ri­giu di­re­ta­men­te ao pre­si­den­te da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos da Bra­sil, afir­man­do que se o ad­vo­ga­do qui­ses­se sa­ber co­mo seu pai de­sa­pa­re­ceu du­ran­te o re­gi­me mi­li­tar ele po­de­ria lhe con­tar a ver­da­de. O des­res­pei­to às mu­lhe­res, às mi­no­ri­as, a per­se­gui­ção à in­te­lec­tu­a­li­da­de, o au­to­ri­ta­ris­mo, a des­con­si­de­ra­ção com os di­rei­tos hu­ma­nos, a re­la­ção no mí­ni­mo es­tra­nha e sus­pei­ta com mi­li­ci­a­nos e a inú­til ati­vi­da­de par­la­men­tar e dos de­mais pa­ra­si­tas que car­re­gam seu no­me de­ve­ri­am ser su­fi­ci­en­tes pa­ra que es­se su­jei­to re­pug­nan­te fos­se man­ti­do fo­ra do car­go, mas co­mo o pre­si­den­ci­a­lis­mo é o sis­te­ma da ir­res­pon­sa­bi­li­da­de, es­sas ca­rac­te­rís­ti­cas ab­je­tas a qual­quer ser hu­ma­no lhes ren­de­ram o Pa­lá­cio do Pla­nal­to. Em “A elei­ção dis­rup­ti­va”, os ana­lis­tas po­lí­ti­cos Mau­rí­cio Mou­ra e Ju­li­a­no Cor­bel­li­ni es­cla­re­cem que a cam­pa­nha elei­to­ral de 2018 foi a elei­ção dos in­dig­na­dos. A re­vol­ta con­tra a vi­o­lên­cia ur­ba­na, con­tra a cor­rup­ção e os po­lí­ti­cos em ge­ral – es­pe­ci­al­men­te con­tra o Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res – mol­da­ram as es­co­lhas. Vo­tou-se con­tra al­go, não em fa­vor de um pro­je­to pa­ra o país. Vo­tou-se con­tra, es­pe­ci­al­men­te, a ne­gli­gên­cia às de­man­das do ho­mem co­mum.

E por fa­lar nes­sa fi­gu­ra mi­to­ló­gi­ca, diz-se com frequên­cia que o su­ces­so de Bol­so­na­ro se dá jus­ta­men­te por ele agir e fa­lar co­mo o ho­mem co­mum, não me­dir as pa­la­vras e os atos, ser es­pon­tâ­neo. Pois bem, se o pa­râ­me­tro de ho­mem co­mum é um ado­les­cen­te re­vol­ta­do sem cau­sa e in­con­se­quen­te de 15 anos dis­pos­to a fa­zer um es­cân­da­lo ca­so seus pais não aten­dam su­as de­man­das, tal­vez is­so fa­ça al­gum sen­ti­do. Se o ho­mem co­mum acha ra­zoá­vel zom­bar de um fi­lho so­bre a mor­te de seu pai, o ho­mem co­mum pre­ci­sa ser re­for­ma­do ur­gen­te­men­te pa­ra al­go mi­ni­ma­men­te ci­vi­li­za­do. Bol­so­na­ro não é ape­nas uma aber­ra­ção cog­ni­ti­va pe­la es­tu­pi­dez, é uma aber­ra­ção hu­ma­na, é an­ti­ci­vi­li­za­tó­rio, tem pro­fun­dos des­vi­os mo­rais, ne­nhu­ma de­cên­cia, a per­so­ni­fi­ca­ção da bar­bá­rie e é um re­fle­xo per­fei­to do ado­e­ci­men­to des­se país.

*Por: MYLLA SAMPAIO() E DR. YGLÉSIO (*)

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias