CORONAVÍRUS

No Maranhão

7936
193170
185533
4296
COLUNA

Os deuses subterrâneos

No li­vro Os Deu­ses Sub­ter­râ­ne­os, de 1994, re­pu­bli­ca­do em 2005 pe­la Edi­to­ra Re­cord, um gru­po de ci­en­tis­tas vi­ve há mi­lha­res de anos no sub­so­lo do Pla­nal­to Cen­tral do Bra­sil, fu­gin­do de he­ca­tom­be eco­ló­gi­ca ocor­ri­da em pas­sa­do lon­gín­quo, afe­tan­do to­das as vi­das no pla­ne­ta e dei­xan­do a su­per­fí­cie ina­bi­tá­vel. De­pois de mi­lê­ni­os, a su­per­fí­cie ter­res­tre ain­da […]

No li­vro Os Deu­ses Sub­ter­râ­ne­os, de 1994, re­pu­bli­ca­do em 2005 pe­la Edi­to­ra Re­cord, um gru­po de ci­en­tis­tas vi­ve há mi­lha­res de anos no sub­so­lo do Pla­nal­to Cen­tral do Bra­sil, fu­gin­do de he­ca­tom­be eco­ló­gi­ca ocor­ri­da em pas­sa­do lon­gín­quo, afe­tan­do to­das as vi­das no pla­ne­ta e dei­xan­do a su­per­fí­cie ina­bi­tá­vel. De­pois de mi­lê­ni­os, a su­per­fí­cie ter­res­tre ain­da não lhes per­mi­tia so­bre­vi­ver por mui­to tem­po. Su­bi­am ra­ras ve­zes, por cur­to pe­río­do.

Em uma des­sas su­bi­das tu­rís­ti­cas, dois an­droi­des tam­bém so­bem jun­to com os tu­ris­tas hu­ma­nos. Um ter­re­mo­to fe­cha a en­tra­da e o gru­po fi­ca pre­so no la­do de fo­ra. Ra­pi­da­men­te, os hu­ma­nos co­me­çam a mor­rer, ví­ti­mas do am­bi­en­te hos­til. Os dois an­droi­des, Adam e Eve, so­bre­vi­vem e ao lon­go de mi­lê­ni­os cri­am uma hu­ma­ni­da­de que os hu­ma­nos na ca­ta­cum­ba só des­co­brem a exis­tên­cia quan­do per­ce­bem os ter­re­mo­tos pro­vo­ca­dos pe­las bom­bas atô­mi­cas que ex­plo­di­am na su­per­fí­cie du­ran­te os tes­tes nu­cle­a­res.

Pre­o­cu­pa­dos com o que lhes acon­te­ce­ria se hou­ves­se uma guer­ra nu­cle­ar, eles de­ci­dem eli­mi­nar a ci­vi­li­za­ção dos an­droi­des lou­cos, de uma for­ma que não pro­vo­cas­se es­tra­gos na es­tru­tu­ra do ha­bi­tat sub­ter­râ­neo on­de vi­vi­am. A so­lu­ção se­ria pro­vo­car uma de­vas­ta­ção eco­ló­gi­ca, si­len­ci­o­sa, sem bom­bas, que aos pou­cos var­res­se a hu­ma­ni­da­de ou fi­zes­se ela re­gre­dir ao pon­to de não pro­vo­car guer­ras nu­cle­a­res. Mas, an­tes dis­to, era pre­ci­so for­çar a paz en­tre os an­droi­des.

Co­me­ça­ram en­tão a se­ques­trar an­droi­des e a pro­gra­má-los pa­ra que des­truís­sem a vi­da no pla­ne­ta por meio de uma cri­se eco­ló­gi­ca. Os se­ques­tra­dos eram pro­gra­ma­dos pa­ra se tor­na­rem gran­des ci­en­tis­tas, en­ge­nhei­ros, em­pre­sá­ri­os e po­lí­ti­cos: fa­ri­am as pa­zes en­tre as po­tên­ci­as nu­cle­a­res e pro­vo­ca­ri­am um de­sen­vol­vi­men­to in­dus­tri­al de­vas­ta­dor de flo­res­tas, po­lui­dor de águas e at­mos­fe­ra; ocor­re­ri­am mu­dan­ças cli­má­ti­cas, inun­da­ções, su­bi­da do ní­vel do mar, au­men­to de tem­pe­ra­tu­ras on­de an­tes era frio, e que­da de tem­pe­ra­tu­ra on­de an­tes era quen­te: usa­ri­am an­droi­des pro­gra­ma­dos pa­ra en­lou­que­cer o pla­ne­ta e eli­mi­ná-los, an­tes que eles fi­zes­sem uma guer­ra sui­ci­da.

O li­vro dá a en­ten­der que o pre­si­den­te Re­a­gan era um dos mais bem-su­ce­di­dos an­droi­des pro­gra­ma­dos: ao mes­mo tem­po em que fez a paz, foi o gran­de pro­mo­tor do de­sen­vol­vi­men­to rá­pi­do a par­tir dos anos 1980; Gor­ba­chev tam­bém te­ria si­do pro­gra­ma­do pa­ra des­truir a União So­vié­ti­ca e, as­sim, aca­bar com o ris­co de guer­ra nu­cle­ar en­tre du­as su­per­po­tên­ci­as e abrir a pos­si­bi­li­da­de de o con­su­mis­mo se es­pa­lhar pe­los an­ti­gos paí­ses so­ci­a­lis­tas. Até Chi­na, com seu im­pul­so econô­mi­co, se­ria tam­bém par­te da es­tra­té­gia.

Na­da in­di­ca que es­se li­vro te­nha qual­quer ve­ra­ci­da­de, mas as fa­las e ges­tos do pre­si­den­te Trump — até sua apa­rên­cia — nos fa­zem pen­sar que tal­vez a fic­ção do li­vro não se­ja tão ab­sur­da; ou que, sen­do ab­sur­da, é uma boa me­tá­fo­ra do que acon­te­ce ho­je no mun­do. Ele ne­ga as evi­dên­ci­as do de­se­qui­lí­brio eco­ló­gi­co, re­cu­sa-se a acei­tar os in­di­ca­do­res de des­ma­ta­men­to e o de­ge­lo dos po­los, gri­ta “Amé­ri­ca First” e o res­to do mun­do e a hu­ma­ni­da­de não im­por­tam, é pre­ci­so fa­zer a “Amé­ri­ca Gre­at Again” na pro­du­ção, ex­plo­ran­do pe­tró­leo no Po­lo Nor­te, con­si­de­ra que a cri­se eco­ló­gi­ca é in­ven­ção dos ci­en­tis­tas an­ti­cris­tãos e co­mu­nis­tas, tu­do que os deu­ses sub­ter­râ­ne­os que­ri­am pro­gra­mar.

Ao con­ti­nu­ar­mos a mar­cha ao de­sas­tre eco­ló­gi­co, por for­ça de de­ci­sões po­lí­ti­cas e des­co­ber­tas ci­en­tí­fi­cas nós, des­cen­den­tes de Adam e Eve, te­mos ra­zões pa­ra acre­di­tar que es­ta­mos sen­do go­ver­na­dos por an­droi­des in­fil­tra­dos na hu­ma­ni­da­de por aque­les deu­ses sub­ter­râ­ne­os. O fim das abe­lhas, e su­as con­sequên­ci­as pa­ra a hu­ma­ni­da­de, pa­re­ce ser obra da for­ça su­pe­ri­or dos deu­ses sub­ter­râ­ne­os pro­gra­man­do ci­en­tis­tas imo­rais pa­ra in­ven­ta­rem os agro­tó­xi­cos, em­pre­sá­ri­os egoís­tas pa­ra os uti­li­za­rem e po­lí­ti­cos fa­ná­ti­cos pa­ra per­mi­ti­rem seu ne­fas­to uso.

Só deu­ses po­dem ter pro­gra­ma­do os di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos de ho­je pa­ra se re­cu­sa­rem a ver e pa­ra im­pe­di­rem de ser vis­ta a di­men­são do des­ma­ta­men­to na Amazô­nia que os sa­té­li­tes fil­mam. Di­fí­cil ex­pli­car is­so pe­lo na­tu­ral, só o fan­tás­ti­co mun­do on­de deu­ses fa­bri­ca­ram nos­sos di­ri­gen­tes ao pon­to de eles con­se­gui­rem o que pa­re­cia ser im­pos­sí­vel exis­tir, co­mo eles fo­ram elei­tos, co­mo Trump e ou­tros. 

O li­vro in­di­ca que a pro­gra­ma­ção era fei­ta pa­ra nin­guém per­ce­ber, mas ho­je em dia pa­re­ce que os deu­ses per­de­ram a dis­cri­ção: es­tá na ca­ra que te­mos pre­si­den­tes e pri­mei­ros-mi­nis­tros com ca­ra, jei­to, ca­be­lo e ca­be­ça de an­droi­des, in­fil­tra­dos pa­ra pro­vo­car de­sas­tres.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Esportes
Polícia
Mais Notícias