CORONAVÍRUS

No Maranhão

1464
66091
41773
1607
CORONAVÍRUS

Maranhão ultrapassa cinco mil casos confirmados de Covid-19

Segundo dados da Secretaria da Saúde já foram 291 óbitos por conta da covid-19 e que os casos confirmados da doença cresceram mais de 220% nos últimos 15 dias

Reprodução

Com 5028 casos confirmados da covid-19 e 291 mortes, o Maranhão é o sexto estado mais atingido pela epidemia. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), até a última terça-feira (05), a ocupação de leitos da rede estadual de São Luís estava em 95% das UTIs e 85% dos leitos clínicos reservados para a covid-19. O objetivo é reduzir a curva de contágio do coronavírus, cujos casos estão concentrados na Região Metropolitana.

As medidas de isolamento foram iniciadas em 20 de março, mas devido o grande número de pessoas circulando e o aumento do número de casos foi instituído o lockdown, a forma mais restritiva de isolamento em meio à epidemia de coronavírus. O pedido foi feito pelo Ministério Público, concedido pela Justiça e acatado pelo governo do Maranhão, que pôs em prática diversas medidas que valem até o dia 14, somente na Ilha de São Luís. O objetivo é reduzir a curva de contágio do coronavírus, cujos casos estão concentrados na Região Metropolitana da ilha e as medidas também está impactando os municípios de Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar.

“Nossa meta é chegar a 80% isolamento. Temos uma ferramenta que mede isso e vamos ter o comparativo de três dias na próxima quinta-feira. Se houver um bom nível de cumprimento até dia 14 podemos suspender. Se não, posso restringir ainda mais a circulação”, garantiu o governador em entrevista a Reuters, que já analisava um endurecimento das medidas de restrição antes da decisão judicial que decretou o lockdown até o dia 14, já que os casos cresceram mais de 220% nos últimos 15 dias.

Só em São Luís já foram registrados 3368 casos, e segundo a SES, 123 dos 217 municípios já foram atingidos pelo novo coronavírus. O governador Flávio Dino (PCdoB) afirmou que a capital, apesar do cenário o sistema de saúde não entrou em colapso. E que o lockdown coincidiu com uma convergência entre estudos técnicos do governo, o Ministério Público entrar com uma ação e o juiz decidir a favor.

“Não temos uma situação de caos, mas o que estávamos observando é que a demanda estava crescendo muito rápido e acima da nossa capacidade de expansão da oferta de leitos e profissionais de saúde”, disse o governador.

Flávio Dino também usou as redes sociais para informar a população de novas ações para o enfrentamento da doença na ilha, como o aumento de leitos e do hospital de campanha que está sendo construído.

“Estamos abrindo mais leitos para coronavírus em todas as regiões do Estado em que índices estão crescendo, visando apoiar as redes municipais de saúde. Em São Luís, segue a construção de hospital de campanha, com mais 200 leitos”, disse o governador.

O governador também acredita que o número de óbitos está menor dos prognósticos feitos anteriormente pela equipe de saúde responsável pelo enfrentamento da pandemia no Maranhão, mostrando um gráfico, feito pelo Prof. Dr. Allan Kardec, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

“Temos mais uma demonstração de que a curva real no Maranhão, quanto a óbitos por coronavírus, está menor do que as tendências antes verificadas. Ou seja, as medidas preventivas são essenciais e salvam vidas”, ressaltou Flávio Dino.

População tem aderido ao Lockdown na Ilha

Dino também fez um balanço das primeiras horas de lockdown na Ilha: “Estamos vendo uma adesão espontânea da imensa maioria da sociedade, além de termos tido efetividade nos pontos de fiscalização e controle”. O governador também destacou o papel dos bombeiros militares e civis, que estão organizando as filas da Caixa Econômica Federal, a fim de evitar aglomerações. “Estamos obtendo êxito na organização das filas. A situação anterior era absurda, por lamentável falta de planejamento do Governo Federal”, disse Flávio Dino. 

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, também usou seu perfil em uma rede social e fez uma avaliação do primeiro dia de bloqueio em São Luís.  “Primeiro dia de lockdown na ilha e estamos avaliando a adesão popular. Ainda assim, são quase 500 novos casos da doença somente hoje. Com menos gente nas ruas, menor a possibilidade de contágio. Por favor, Fique em casa”, disse ele.

Para diminuir a circulação de pessoas em estabelecimentos comerciais em São Luís a Suvisa, já está fiscalizando os estabelecimentos da ilha para que as medidas preventivas e restritivas sejam cumpridas.   O objetivo do decreto é reduzir a disseminação do novo coronavírus nos municípios que fazem parte da Ilha de São Luís. Entre as medidas do decreto está a suspensão das atividades comerciais não essenciais. “A partir do novo cenário epidemiológico causado pelo coronavírus, as fiscalizações passarão a ser mais coercitivas nos locais que não possuem autorização para abrir, e nos que têm permissão será feita a averiguação dos protocolos de segurança. A nossa intenção não é autuar, mas continuar orientando e reforçando a adoção dos procedimentos para que eles sejam obedecidos. Desta forma, garantir tanto a proteção da população como dos trabalhadores”, disse o superintendente de Vigilância Sanitária do Estado, Edmilson Diniz.

Em caso de descumprimento das exigências do lockdown, o estabelecimento poderá sofrer desde advertências, a pagar multas e interdição parcial ou total. As multas poderão ir de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão, podendo dobrar o valor em caso de reincidência, todavia levando em conta a capacidade econômica. Equipes da Vigilância Sanitária do Estado visitarão pontos considerados estratégicos na Ilha de São Luís. Quatro equipes de fiscais percorreram os bairros da Cohab, Cohatrac e Cidade Operária. 

No mesmo dia, pelo turno da tarde, mais três equipes visitaram estabelecimentos localizados no São Francisco e Renascença. 

A fiscalização sanitária estadual conta com a parceria e apoio do Procon, Polícia Militar do Maranhão e o Corpo de Bombeiros Civis. Segundo o último boletim emitido pela Suvisa, até o dia 30 de abril foram realizadas 833 ações, sendo 310 de fiscalização sanitária e 523 blitzen.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias