INFRAESTRUTURA COMPROMETIDA

Defesa Civil interdita parte da Rodoviária de São Luís

No local, técnicos colocaram andaimes para estabilizar o teto e tapumes para impedir a circulação de passageiros no local. Usuários e motorista de ônibus reclamam da falta de estrutura no local

Reprodução

Parte do Terminal Rodoviário de São Luís encontra-se interditado. A medida foi tomada após uma vistoria realizada pela Defesa Civil na semana passada. Durante a ação, os técnicos identificaram que a estrutura do teto, encontra-se, com o risco de desabar. Algumas calhas que fazem parte da estrutura estão soltas. E para dar sustentação foram colocados andaimes para fazer a manutenção no local que foi isolado.    

A situação pirou com o período chuvoso. Além de goteiras, na hora do desembarque os passageiros precisam pegar as bagagens debaixo de chuva. Eles reclamam que as plataformas de desembarque não tem proteção.  

Os usuários do terminal também denunciaram que algumas cadeiras ficam sujas de fezes de pombo que dormem na estrutura metálica do teto, além de outros que estão com a estrutura de ferro do encosto  completamente solta e alguns estão ate sem o assento. O que coloca em risco, quem tenta se sentar. “É um absurdo. Aqui é um terminal que é usado por pessoas de diversas cidades tanto do Maranhão, quanto de outros estados. A administração deste espaço deveria olhar com mais respeito quem usa este espaço. É uma situação lamentável”, disse Maria Cordeiro que estava com passagem comprada para Viana, cidade localizada na região da Baixada Maranhense.

Quem também reclamou da falta de estrutura no local foi José Viegas. Ele revelou para a reportagem de O Imparcial que os banheiros também estão sem a mínima condição de higiene. “Além de alguns mictórios quebrados, o cheiro é insuportável. Deveriam ser lavados para receber as pessoas que chegam a São Luís ou aquelas que partem daqui para outros destinos”, ressaltou o passageiro.

Motoristas das empresas de ônibus que fazem o transporte de passageiros também reclamam dos buracos nas pistas que dão acesso ao terminal rodoviário. Segundo o motorista Lindomar Gomes, a situação piorou com as chuvas e com a interdição. E que existem disponíveis somente quatro plataformas de embarque e desembarque funcionando. O que as vezes torna-se complicado, pois alguns motoristas tem que ficar esperando a vaga ficar livre.

A Secretaria Estado de Infraestrutura do Maranhão, informou por meio de nota que o projeto de estabilização do teto do Terminal Rodoviário de São Luís, encontra-se, em fase de finalização e ainda será analisado para o início dos serviços emergenciais. Já a gerente da empresa que administra o terminal, Marcos Antonio Pereira, informou que a manutenção da pista de rolagem é de responsabilidade da Sinfra e que a empresa faz sempre a manutenção do local, e pequenos reparos.  

Interdição já foi pedida outra vez

Em junho de 2016 a Agência Estadual de Transporte e Mobilidade Urbana (MOB), apresentou representação à Promotoria do Controle Externo da Atividade Policial, pedindo providências quanto à ocorrência de delitos e de atos contrários à moral e aos bons costumes que estariam acontecendo no Terminal Rodoviário de São Luís. O documento cita, ainda, a inércia dos órgãos responsáveis pela fiscalização do local (Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros e Vigilância Sanitária).

Na época um laudo do Corpo de Bombeiros aponta deficiências nos sistemas de combate a incêndios, iluminação de emergência, sinalização de segurança, extintores de incêndio e sistema de proteção contra descargas atmosféricas (para-raios), entre outras.  “Chega-se à conclusão que a edificação não apresenta as condições mínimas de segurança exigidas por lei para o seu funcionamento, portanto, faz-se urgente e necessária uma ação emergencial para o cumprimento de todas as exigências expostas, sob ameaça de se pôr em risco a vida de várias pessoas que por ali passam e exercem suas atividades no Terminal Rodoviário”, observam os autores da ação.

Diante do problema, o Ministério Público requer a imediata interdição do Terminal Rodoviário de São Luís para que o Estado do Maranhão recupere e providencie o cumprimento das providências apontadas pelo Grupamento de Atividades Técnicas do Corpo de Bombeiros no prazo máximo de 60 dias. Somente após assegurada a integridade física dos usuários da rodoviária a corporação poderá emitir o seu Certificado de Aprovação.

Foi pedido, ainda, que a administradora fosse retirada imediatamente da administração do terminal, com a realização, em caráter de urgência, de licitação para a contratação de empresa que administre a rodoviária de São Luís. Para o caso de descumprimento da decisão, o Ministério Público requer a aplicação de multa diária de R$ 1 mil.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias