ALERTA

Até agora, 370 famílias já perderam suas casas para a chuva no Maranhão

Inundações causadas pelo volume intenso de água já fizeram 14 municípios maranhenses decretarem situação de emergência. Mais de 100 mil pessoas já foram afetadas

Foto: Divulgação

O mês de março foi de chuva intensa no estado e, de acordo com os meteorologistas da Climatempo, muitas áreas de instabilidade atuam pelo litoral do Nordeste e mantêm a costa norte e parte da costa leste em alerta para chuva forte. A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) atua com força na costa norte do Nordeste e ajuda a espalhar nuvens carregadas de chuva. A chuva forte poderá causar transtornos como alagamentos na região.

De fato, é o que tem acontecido. 14 municípios maranhenses já decretaram situação de emergência por causa das fortes chuvas que têm caído no estado, segundo informações do Corpo de Bombeiros. Ao todo, 782 famílias estão desalojadas nas cidades de Santa Helena (284), Boa Vista do Gurupi (130), Alto Alegre do Pindaré (348) e Santo Amaro (20), 370 famílias desabrigadas e mais de 100 mil pessoas afetadas.

Foto: Divulgação

Em Imperatriz, que teve vários pontos de alagamentos com a forte chuva da madrugada da última sexta-feira (5), o que ocasionou a enchente dos riachos, cerca de 700 famílias foram atingidas pelas inundações. Destas, 200 estão desabrigadas, segundo o Corpo de Bombeiros. O prefeito da cidade, Assis Ramos, decretou Situação de Emergência depois que, com a chuva intensa, os riachos transbordaram, inundando várias ruas.

Uma faixa da ponte sobre o Rio Cacau, no Km 250 da BR-010, em Imperatriz, foi interditada ainda na sexta-feira pelo DNIT, por causa de uma erosão na cabeceira da ponte que está cedendo devido ao aumento do volume da água do rio Cacau.

Estado de alerta

Segundo o Governo do Estado, equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil estão com equipes espalhadas em diversos pontos do Maranhão para fazer o trabalho de prevenção e o de emergência por causa das mais fortes chuvas das últimas décadas no estado.

Os maiores danos causados pelas chuvas estão nas cidades ribeirinhas, que alagam quando os rios transbordam. Os municípios que já decretaram situação de emergência são Imperatriz, Santa Helena, Boa Vista do Gurupi, Alto Alegre do Pindaré, Santo Amaro, Itaipava do Grajaú, Barão de Grajaú, Nina Rodrigues, Sítio Novo, Icatu, Paço do Lumiar (foto), São José de Ribamar, Araioses e Formosa da Serra Negra. “O Estado como um todo sem sido duramente castigado como o excesso de chuvas, muito acima da média. Os bombeiros têm atuado de forma preventiva e também têm agido rapidamente no sentido de salvaguardar a vida das pessoas”, disse o coronel Célio Roberto, comandante do Corpo de Bombeiros.

A cidade de Caxias, distante 360 km da capital, está em estado de alerta com o aumento do nível do rio Itapecuru. De acordo com a Defesa Civil, o rio já está acima da média e pode transbordar se a chuva se intensificar.

Moradores de Trizidela do Vale e Pedreiras, que historicamente sofrem com as fortes chuvas, também estão recebendo apoio das equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil. Eles tiveram suas casas invadidas pelas chuvas acima do normal nas últimas semanas e pelos menos 100 famílias foram desabrigadas pelas enchentes com a subida das águas do Rio Pindaré. Juntos com equipes das prefeituras, os bombeiros estão vistoriando casas, levando moradores até abrigos e ajudando a transportar os móveis e eletrodomésticos das famílias.

Famem orienta gestores sobre decretação de estado de emergência ou calamidade

A Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, Famem, vem prestando a assistência aos gestores dos municípios atingidos pelas enchentes, por meio da sua Coordenação Jurídica e todo corpo técnico da entidade.

O presidente da Famem, Erlanio Xavier, tem mantido contato permanente com os gestores dos municípios atingidos e também junto à Defesa Civil do Estado com objetivo de obter informações em tempo real sobre a situação de gravidade enfrentada pelos gestores.

No sítio oficial da entidade, as orientações sobre decretação de estado de emergência ou estado de calamidade estão disponibilizadas em um link especial acessado no endereço http://painel.siganet.net.br/upload/0000000002/cms/publicacoes/601072564f4df5d44a441cf45f68df90.pdf .

Aos gestores que enfrentam situações adversas como as que vêm ocorrendo em vários municípios do estado devido as intensas chuvas, a Recomendação Jurídica nº 14/2017 da Famem trata sobre o reconhecimento de situação de emergência ou estado de calamidade pública, e procedimentos para a criação da coordenadoria municipal de proteção e defesa civil. A coordenadoria é condição preliminar para o cadastro junto ao Sistema Integrado de Informação de Desastre da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, responsável pela análise do reconhecimento federal. “As recomendações são fundamentais para que os gestores tenham maior agilidade nas ações de atendimento às vítimas, minorando as consequências e danos causados pelos desastres naturais. Os gestores têm apenas que seguir o passa-a-passo da recomendação que nossa coordenação jurídica está dispondo em seu site”, destacou o presidente Erlânio.

Situação preliminar dos municípios

Santa Helena: 284 famílias desalojadas, 53 desabrigadas;

Boa Vista do Gurupi: 130 famílias desalojadas, 60 desabrigadas;

Alto Alegre do Pindaré: 348 famílias desalojadas, 77 desabrigadas;

Santo Amaro: 20 famílias desalojadas, 40 desabrigadas;

Itaipava do Grajaú: Total de afetados 15.897;

Barão de Grajaú: Total de afetados 17.841;

Nina Rodrigues: Total de afetados 14.264;

Sítio Novo: Total de afetados 18.001;

Icatu: Total de afetados 26.953;

Paço do Lumiar: Total de afetados 210;

São José de Ribamar: Total de afetados 168;

Araioses: Dados em fase de consolidação;

Formosa da Serra Negra: Dados em fase de consolidação.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias