INTERIOR

Após ser acionado pela Justiça, prefeito de Itapecuru-Mirim paga salários atrasados

Os atrasos nos vencimentos dos servidores públicos de Itapecuru-Mirim vinham acontecendo continuamente; MP do Maranhão pede condenação de Miguel Lauand Fonseca

Promotoria de Justiça de Itapecuru-Mirim (Foto: Reprodução / CCOM-MPMA)

No dia 30 de dezembro, o prefeito Miguel Lauand Fonseca (PRB) e o município de Itapecuru-Mirim foram alvos de uma Ação Civil Pública (ACP) da 1ª Promotoria de Justiça da cidade por ato de improbidade administrativa. O Ministério Público do Maranhão (MP-MA) cobrava o pagamento imediato dos salários atrasados dos funcionários públicos da cidade. Um dia após a notificação, o 13º salário foi pago.

Buscando garantir o pagamento, o MP-MA havia requerido o bloqueio de todos os valores mantidos pelo município no Banco do Brasil, para que fossem destinados ao pagamento do funcionalismo público. Também foi pedida a indisponibilidade dos bens do prefeito Miguel Lauand Fonseca “no montante suficiente para satisfazer os gastos mensais suportados pelo município de Itapecuru-Mirim, oriundos dos atrasos quanto ao pagamento dos servidores”.

Os atrasos nos vencimentos dos servidores públicos de Itapecuru-Mirim vinham acontecendo continuamente. No momento da proposição da ACP, os professores ainda não tinham recebido o 13° salário enquanto os contratados e parte dos comissionados sequer tinham recebido os salários de novembro.

Antes da ACP, o Ministério Público encaminhou uma série de ofícios à Prefeitura. Em uma reunião com a secretária municipal de Finanças, realizada em 27 de dezembro, foi acordado que os pagamentos seriam regularizados até o dia seguinte. No entanto, os pagamentos não foram realizados até 30 de dezembro. Segundo o MP-MA, vale ressaltar que no período de 21 a 28 de dezembro, o Município de Itapecuru-Mirim recebeu repasses da ordem de R$ 3,2 milhões.

“Não basta a mera alegação genérica de que não existem recursos. É preciso que a administração municipal comprove documentalmente a insuficiência de recursos para fazer frente às despesas, sobretudo, as de natureza alimentar e que compõem o mínimo existencial, como é a verba salarial”, explica o promotor de justiça Igor Adriano Trinta Marques.

Além da regularização dos pagamentos, a ACP pediu a condenação de Miguel Lauand Fonseca por improbidade administrativa. Entre as penalidades previstas na lei 8.429/92 estão o ressarcimento integral do dano, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa de até cem vezes o valor da remuneração recebida no cargo de prefeito e proibição de contratar ou receber benefícios do Poder Público, ainda que por meio de empresa da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS