DIREITOS HUMANOS

Em São Luís, comissário da OEA defende penas alternativas para detentos provisórios

Visita faz parte da viagem que membros da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), vinculada à Organização dos Estados Americanos, está fazendo pelo Brasil

Depois de ser recebido pelo governador Flávio Dino, na terça-feira, 06, a delegação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), vinculada à Organização dos Estados Americanos (OEA), visitou o Complexo Penitenciário de Pedrinhas e o projeto Biblioteca Comunitária Arco Iris do Saber, fundada pela Associação das Donas de Casa da Salina do Sacavém, mantenedora da Escola Comunitária Rosa de Sarom, localizada na região do Coroadinho.

O comissário da CIDH, Joel Hernández, falou em sua conta do Twitter sobre o famoso presídio maranhense: “No complexo penitenciário de Pedrinhas, no Maranhão, monitoramos a situação das PPL (Pessoas Privadas de Liberdade). Os estados do continente americano devem buscar medidas alternativas a prisão preventiva para reduzir a superpopulação carcerária”.

Em outra publicação, Hernández divulgou fotos da visita à biblioteca. “Hoje, no bairro do Coroadinho, em São Luís do Maranhão, nos reunimos com mulheres voluntárias que sustentam projetos educativos comunitários. diante da limitação de recursos públicos, essas mulheres trabalham em benefício de suas comunidades”, escreveu na postagem.

Nesta quarta-feira, 07, a comissão encontra com  representantes dos quilombos Malumba e Peru, em Alcântara (MA).

A CIDH retorna ao Brasil após 23 anos. A viagem será encerrada na próxima segunda-feira (12), com a apresentação de um relatório contendo as observações feitas pelos comissários. O documento será divulgado em uma coletiva de imprensa, no Rio de Janeiro.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS