INTERIOR

“O Escola Digna veio para tirar a gente da calamidade que estava”, diz professora

Programa Escola Digna inaugurou mais duas no interior do Maranhão

Felipe Camarão e prefeito Joab em entrega de Escola Digna em Bacaba. (Foto: Lauro Vasconcelos)

A professora Maria Luiza Cardoso Oliveira trabalha há 25 anos na Escola Municipal Dom Pedro I, na comunidade de Bacaba, distante 30 quilômetros da sede de Riachão. No início era uma escolinha comunitária, criada em 1979 por missionários que andavam pela região e se juntaram aos pais da professora para alfabetizar crianças e jovens da comunidade.

“Eu era criança e estudei na escolinha de palha e taipa. Era muito ruim, mas, na época, a gente achava maravilhoso ter uma escola daquelas. Eu cresci, virei professora, e a escola de palha e taipa continuou até ficar em uma situação tão ruim que não dava mais. Eu decidi levar os meus alunos para a minha casa. A minha sala virou sala de aula”, diz a professora.

Luiza ouviu falar do programa Escola Digna, criado pelo Governo do Maranhão, em 2015, e procurou o prefeito para que solicitasse ao Governo do Estado a inclusão da escolinha no programa. Nesta quinta-feira (25), a comunidade de Bacaba fez festa para receber a nova Escola Municipal Dom Pedro I, um prédio digno construído e entregue pelo governo, por meio de parceria entre as Secretarias de Estado da Educação (Seduc) e da Infraestrutura (Sinfra).

“O Escola Digna é um ‘projeto’ que veio com muita força para tirar a gente dessa calamidade que era trabalhar em uma escola tão precária, igual a essa que eu estava trabalhando. Me sinto tão feliz que não tem palavra que possa explicar. Peço que continuem com esses projetos”, comenta a professora Maria Luiza.

“Muito me alegra, e sei que alegra ao governador Flávio Dino estar entregando esta escola aos moradores de Bacaba, porque percebo nos olhos de cada um o brilho da felicidade. Hoje 12 estudantes estão matriculados, mas, com a nova estrutura outros alunos virão para cá. E é isso que desejamos: garantir estruturas dignas e educação de qualidade, para melhorar a vida das pessoas”, pontuou o secretário Felipe Camarão em seu discurso.

A nova estrutura escolar conta com duas salas de aula, cozinha, quatro banheiros e secretaria. A obra recebeu investimentos da ordem de R$ 388.595,87 e já está beneficiando os estudantes da comunidade e de povoados vizinhos com uma estrutura digna de verdade.

A lavradora Ivoneide de Oliveira Costa tem seis filhos. Três estudam na Escola Municipal Dom Pedro I. As lágrimas caíram de seus olhos ao comparar as escolas de antes e a de agora.

“Quando eu lembro que meus filhos estudavam em uma escola tão ruim, que dava pena, e que agora vão estudar nessa escola tão bonita, não tem como não chorar, porque a gente ficou muito tempo esquecido. Eu só tenho que agradecer por tudo o que está acontecendo em nossa comunidade. O governo olhou pra nós”, disse Ivoneide.

Capão Solteiro

“A outra escola não valia de nada, os meninos não aprendiam, e nessa nova não, eles aprendem e estão passando tudinho, estou muito feliz”, esse é o sentimento de Dona Almerinda dos Santos, moradora da comunidade do Capão Solteiro, em Riachão, que recebeu a tão sonhada Escola Municipal Coelho Parede na tarde desta quinta-feira (25).

A escola antiga era com cobertura de palha, paredes de barro e alagava quando chovia, impossibilitando os alunos de assistirem aula.

“Quando chovia a gente não tinha aula porque alagava tudo, pingava na gente, nos livros, aí a gente não aprendia nadinha”, afirmou Neurismar Oliveira dos Santos, 10 anos.

Para a mãe de Neurismar, Elizene Miranda de Oliveira, que tem outros três filhos estudando na E. M. Coelho Parede, a nova estrutura traz alívio e a certeza de que os seus filhos estão estudando em um local seguro e confortável.

“Agora, com a escola nova, está muito bom. Porque tem banheiro e muitas coisas melhores para eles. A escola é muito bonita e tem muita diferença da outra. Os meninos estão achando boa essa escola, vão todos alegres”, ressaltou Elizene.

A Escola Municipal Coelho Parede beneficiará cerca de 30 alunos do povoado Capão Solteiro e de localidades vizinhas. Com a estrutura de duas salas de aula, cozinha, secretaria e banheiros, a escola recebeu investimentos na ordem de R$ 388.595,87.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS