ESTRAGOS

Chuva deixa 120 famílias desabrigadas em Marajá do Sena

Ao todo, foram 200 famílias atingidas devido a dois dias consecutivos de fortes chuvas. Outros dois municípios maranhenses estão sendo monitorados

A forte chuva que atingiu a cidade de Marajá do Sena, a 368km de São Luís, na última sexta-feira, 30, inundou casas e ruas e complicou o acesso à localidade e forçou a retirada de famílias de suas residências. De acordo com a prefeitura, não há vítimas, apenas danos materiais.

Das 200 famílias atingidas, 120 estão desabrigadas. Segundo o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Célio Roberto, todas as providências estão sendo tomadas pelo Estado, que deve auxiliar as famílias atingidas com o envio de cestas básicas e água potável.

O município está em alerta amarelo, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), juntamente com outras 286 cidades dos estados do Maranhão, Pará e Amapá.

Leia também:

Danos da chuva

Em algumas ruas a água subiu mais de três metros e uma casa da cidade ficou apenas com as paredes após uma enxurrada. De acordo com o chefe do Departamento da Gestão de Riscos da Defesa Civil do Maranhão, capitão Fernandes, também houve rompimento em um trecho da rodovia, mas que já foi recuperado. “Foi uma chuva em pouco tempo que ocasionou uma enxurrada que, dentro do cenário de desastre, teve um impacto grande. Já danificou estradas… já alagou e inundou casas… é o lugar que mais temos problemas”, declarou.

Na cidade de Pedreiras, o nível do Rio Mearim já alcançou quase seis metros e meio e a cidade está em alerta. Em Trizidela do Vale, três famílias precisaram ser retiradas de suas casas. Segundo o capitão Fernandes, mais famílias serão retiradas se o nível do rio continuar a subir nos próximos dias.

“Em Trizidela do Vale e Pedreiras estamos com o rio subindo e monitorando dia a dia. Em Pedreiras estão em estado de alerta. Em Trizidela, tivemos três famílias que já saíram porque moram em uma área muito baixa, perto do rio. Caso o nível do rio continue subindo, nós poderemos ter algumas famílias saindo de suas casas entre hoje e amanhã”, declarou.

Auxílios

Equipes de saúde foram deslocadas para evitar a proliferação de doenças, além de pessoas da Caema, Defesa Civil, Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Corpo de Bombeiros.

Para ajudar possíveis desabrigados, o Corpo de Bombeiros informou que colocou em prática um plano de ação e de ajuda nas áreas inundadas aos moradores que estão em locais que podem ficar alagados nos próximos dias.

“A Defesa Civil vai retirar as que precisam sair da área do desastre. A Defesa Civil do Estado também mandou equipes para lá. Caso necessário, nós vamos providenciar os decretos de situação de emergência”, afirmou o capitão Fernandes.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS