ORLA MARÍTIMA

Rios contaminados são os principais poluidores de praias em São Luís

Estudo recente realizado por pesquisador da UFMA considera que o Rio Calhau e mais três rios são responsáveis pela poluição da orla marítima de São Luís

Foto: Diego Chaves/OIMP/D.A Press.


Diego Chaves/OIMP/D.A Press

Segundo pesquisa, o Rio Calhau é dos principais poluidores da orla da capital

O esgoto, liberado nos rios de São Luís, contribui maciçamente com a poluição das praias da orla marítima da capital. Assim considera um estudo, ainda em andamento, feito pelo professor e doutor Odilon de Melo, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). O projeto vem se desenvolvendo há seis meses e, até o momento, o especialista em geoquímica e oceanografia química e demais alunos dos cursos de Química e Oceanografia reuniram informações que levam a crer que, dos quatro rios poluentes, o Rio Calhau, entre as praias de São Marcos e Calhau, é o mais poluído, com 24 mil NMP/100 ml, ou seja, 24 mil coliformes fecais a cada 100 mililitros de água coletada.

Foto: Diego Chaves/OIMP/D.A Press.


Diego Chaves/OIMP/D.A Press

O Rio Pimenta é considerado o segundo maior poluidor do litoral

Em segundo lugar, o Rio Pimenta, divisa do Calhau com o Olho d’água, com o mesmo nível de coliformes fecais por 100 mililitros de água. Já os rios Claro, entre as praias do Calhau e Olho d’Água, e Jaguarema, estão entre os menos poluídos com 2.400 NMP/100ml e 240 NMP/100ml, respectivamente. Mas os dados podem variar de acordo com o clima: “O nível de poluição pode diluir quando o volume de chuvas aumenta, pois água circula com mais velocidade, portanto estes resultados podem variar, o que nos leva a continuar os estudos, contudo, até o momento, os dados são estes. O Calhau está em primeiro lugar pela maior concentração dos níveis de coliformes”, explica o pesquisador.

O sistema de esgotamento sanitário da capital é composto por duas Estações de Tratamento de Esgotos (ETE), nos bairros Jaracati e Aterro do Bacanga. No entanto, o professor considera que o número deveria ser maior. “Seria necessário, no mínimo, oito estações de tratamento de esgoto, pois a cidade abriga muitos pontos de lançamento de resíduos, sobretudo, provenientes dos condomínios situados na orla marítima da cidade”, pontua. Sobre isto, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) informa as ETEs existentes estão operando em 100% de suas capacidades.

A Caema informou ainda que, por meio do PAC Saneamento, estão em construção as ETEs do Vinhais e do Anil. Com 70% da obra executada, a ETE Vinhais deve entrar em pré-operação em outubro. A ETE Anil já está em obras e entrará em operação em 2016. Estão em implantação, em vários pontos da cidade, interceptores, emissários e Estações Elevatórias de Esgotos (EEEs) que bombearão o esgoto coletado para as novas Estações de Tratamento. Quando todo o sistema estiver em operação, a Companhia terá condições de tratar cerca de 70% do esgoto coletado em São Luís. Atualmente o percentual de tratamento é de aproximadamente 10%.

Estação do Vinhais atenderá 26 bairros
Cerca de 26 bairros serão atendidos com a conclusão das obras da Estação de Tratamento de Esgoto no Vinhais que vai contribuir para melhorar as condições de balneabilidade das praias de São Luís, reduzindo o lançamento de esgoto in natura nas regiões do Olho d’Água e do Anil. Para atingir a meta de implantação e ampliação do Sistema de Esgotamento Sanitário de São Luís, estão em construção as Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) no Vinhais e Anil, pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O investimento na primeira etapa da obra foi da ordem de R$ 63,4 milhões. A segunda etapa já está em andamento com investimento de R$ 65,4 milhões. A retomada dos projetos segue determinação do governador Flávio Dino sobre as ações prioritárias da Caema, que incluem a ampliação da rede de tratamento sanitário.
Já nos rios Anil e Bacanga, o Governo do Estado, a Caema tem intensificado a execução de obras de implantação de Interceptores e Estações Elevatórias de Esgotos (EEE) na Avenida dos Africanos, e na margem direita do Rio Anil, com recursos do PAC Saneamento.
Na Avenida dos Africanos, na área do Sistema Bacanga, estão em implantação três Estações Elevatórias de Esgotos e um interceptor, que vão coletar e transportar esgoto das áreas localizadas na margem direita para tratamento na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) localizada no aterro do Bacanga.
Serão implantadas, ainda, duas estações elevatórias e um interceptor que inicia próximo à ponte Bandeira Tribuzzi, seguindo pela Avenida Beira Mar, até se interligar a um poço de visita (PV) existente nas proximidades do Palácio dos Leões, que coletarão parte dos esgotos do bairro Camboa e Centro, eliminando pontos de lançamento de efluentes in natura no rio Anil. Todo o esgoto coletado nessa região também será bombeado para tratamento na ETE do Bacanga.
Nas proximidades do Ipase, ao lado da ponte do Caratatiua, está em construção uma Estação Elevatória de grande porte e um interceptor denominado Anil MD, na margem direita do Rio Anil. Outra estação elevatória de grande porte está em implantação no conjunto Rio Anil. O esgoto coletado na margem direita do rio será transportado para tratamento na Estação de Tratamento de Esgotos do Vinhais (ETE).
 
VER COMENTÁRIOS
Esportes
Entretenimento e Cultura
Concursos e Emprego
Polícia
Mais Notícias