CORONAVÍRUS

No Maranhão

2223
242401
220903
6070
VACINA

Carlos Lula cobra MS para compra de vacinas

Segundo o contrato, após a entrega do último lote, o Ministério da Saúde tem até 30 dias para se manifestar se fará a compra de mais 54 milhões de doses

Reprodução

“A nossa preocupação agora tem de ser imunizar, no menor tempo possível, a maior quantidade de pessoas”, alertou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, durante a 1ª reunião ordinária da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), na última quinta-feira (28). A preocupação do gestor da saúde do Maranhão é com 54 milhões de doses da CoronaVac oferecidas pelo Instituto Butantan ao Ministério da Saúde, sem previsão de compra imediata.

Na quinta-feira (28), o Brasil atingiu 1.386 mortes em 24 horas causadas pela Covid-19. Para o secretário e presidente do Conass, quanto mais célere a vacinação, mais rapidamente o país vencerá a pandemia. “O relato dos estados sobre o crescimento de casos e a velocidade de transmissão tem trazido grande preocupação. É muito ruim este momento de incerteza sobre a aquisição de novas vacinas para dar continuidade à campanha e proteger a população desta nova onda”, disse Carlos Lula.

Presente na reunião, o coronel Hélcio Franco, assessor executivo do Ministério da Saúde, informou que existe uma cláusula no contrato com o Instituto Butantan impedindo compras de novas doses. “O Butantã precisa entregar todas as 46 milhões de doses já adquiridas até 30 de abril. Segundo o contrato, após a entrega do último lote, o Ministério tem até 30 dias para se manifestar se ele fará a compra de mais 54 milhões de doses. Ou seja, em maio. Nós continuamos negociando com vários outros laboratórios. A gente conseguindo vacinas o quanto antes, será melhor”, informou.

O presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Williames Bezerra, chamou atenção para medidas a serem adotadas por estados e municípios caso o Ministério não adquira as novas doses. “O que nós precisamos destes dois Institutos [Butantan e Fiocruz] é carga máxima na produção de vacinas. Se o Governo Federal decidir que não vai comprar 54 milhões de doses de vacinas, os estados e os municípios compram. Mas nós acreditamos que a palavra do general Pazuello, o ministro da Saúde, será cumprida que é toda produção do Butantan ser adquirida pelo Ministério da Saúde e vir para o Sistema Único de Saúde [SUS], a produção da Fiocruz também”, relembrou.

A CIT é mensal e reúne Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) para discussão das principais pautas do Sistema Único de Saúde.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Entretenimento e Cultura
Esportes
Polícia
Mais Notícias