CORONAVÍRUS

No Maranhão

4824
117694
105671
2978
MEDO OU ALÍVIO?

Colaboradores que descumprem normas sanitárias no local de trabalho podem ser demitidos por justa causa

Especialistas orientam trabalhador sobre como retomar rotina presencial em meio à pandemia

De repente, o home office, que já era conhecido como uma tendência de mercado, passou a ser realidade para muitas pessoas da noite para o dia, devido à pandemia do novo coronavírus. No entanto, pouco a pouco, a rotina de sair de casa para trabalhar volta a ganhar espaço, exigindo uma série de cuidados a serem adotados pelas empresas e pelos trabalhadores que estão retornando às atividades presenciais.

Foi o que aconteceu na clínica do fisioterapeuta e empresário Márcio Cavalcanti, 49. A unidade é especializada em neurologia, com serviços nas áreas ortopédica, respiratória, neurológica e reumatológica. Assim que foi autorizada a voltar funcionar, o empresário elaborou um plano de retorno das atividades para garantir a saúde dos funcionários e pacientes.

Dr Márcio Cavalcanti em sua clínica

“Os principais cuidados são com o uso do álcool em gel e a máscara. Os funcionários, cuidadores e pacientes são obrigados a entrar na clínica somente usando máscara. Logo na entrada, a clínica dispõe de álcool em gel para uso nas bengalas, cadeiras de rodas, higienização das mãos e de um banheiro. Os horários foram ajustados para que os pacientes não se cruzassem nos corredores e na recepção. Os setores e todos os aparelhos foram desinfetados e tiveram o uso reduzido. Estamos atendendo a poucos pacientes por turno. Os funcionários estão completamente equipados, evitando até bijuterias e adornos”, descreveu Cavalcanti.

Se antes da pandemia os atendimentos diários chegavam a até 15 pacientes, atualmente esse número chega a, no máximo, oito. Além disso, as salas passaram a ser selecionadas para os atendimentos, feitos com um paciente e fisioterapeuta por vez. Márcio tomou todas as precauções com base nas recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). “Se a gente não tiver algo que nos norteie, vamos ficar perdidos, cada um vai fazer de um jeito. O bom é que seja padronizado”, acrescentou, fazendo referência aos protocolos sanitários.

Dr Márcio e a equipe na clínica médica

Chegou a hora de reabrir a empresa. E agora?

De acordo com o advogado e professor de Direito, Frank Mattos, 37, para cada setor dentro de uma empresa podem existir necessidades diferenciadas e essa é a maior dúvida do empresariado, que, baseado na atividade exercida, passou a questionar quais tipos de EPIs ou procedimentos eram ideais para serem adotados em seus estabelecimentos no retorno das atividades.

“Muitos empresários estão com dúvidas relacionadas a como adequar sua empresa ao tipo de necessidade exercida. A recomendação é que o empresário procure se inteirar dos Decretos Estaduais, porque cada estado dita suas próprias regras de reabertura. Cada empresa deve buscar junto às Secretarias quais são suas regras específicas e obedecer”, orienta o advogado.

No Maranhão, o órgão responsável pela elaboração dos protocolos sanitários para empresas, segundo o Decreto Estadual nº 35.784, é a Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc). Os protocolos visam a retomada da economia maranhense e ainda estão sendo mantidos por meio de diálogo e consultas a segmentos da classe trabalhadora.

Para facilitar a vida dos empresários, a Seinc elaborou uma cartilha com todos os protocolos gerais e específicos que devem ser seguidos por segmento, com base nas portarias de nº 34, 39, 40, 42 e 43. Além da cartilha, a Seinc também criou cartazes para serem afixados nos estabelecimentos, a fim de reforçar aos funcionários e clientes o cumprimento e responsabilidade das empresas com as medidas sanitárias.

Saúde em primeiro lugar

Segundo Mattos, a saúde do funcionário é uma obrigatoriedade das empresas, prevista tanto pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), quanto nas normas regulamentadoras do próprio Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A empresa é obrigada a proporcionar um ambiente seguro, saudável e livre de qualquer tipo de risco à saúde do empregado. Antes da Covid-19, a empresa já tinha essa obrigação.

“As empresas sempre tiveram a obrigação de fornecer os EPIs, zelar pela saúde dos empregados e fiscalizar a utilização dos equipamentos. Como as máscaras se tornaram equipamentos de proteção individual obrigatórios para quase todas as funções, o empresário é obrigado a fiscalizar se o funcionário está fazendo uso ou se está fazendo o processo de higienização recomendado. O colaborador poderá ser demitido por justa causa se não seguir os protocolos”, afirma o advogado.

Além disso, a empresa também deve disponibilizar álcool em gel e aferir a temperatura dos funcionários. “O empregador tem a obrigação de diminuir o risco de contágio entre os funcionários. Se a direção da empresa não conseguir mudar o ambiente de trabalho em que os funcionários estão, ela tem que reduzir o número de funcionários naquele horário, adotando sistema de revezamento, ainda mais se o ambiente for pequeno e fechado, sem prejuízo da remuneração do empregado”, pondera.

Placa em estabelecimento avisa que segue todas as regras sanitárias

Testagem de Covid-19

O advogado ainda explica que a empresa pode exigir um teste de Covid-19 ou solicitar que seus empregados se submetam a exames dos seus médicos, desde que o funcionário ainda não tenha feito a testagem. “Isso já existe em outras funções. Alguns funcionários são obrigados por lei a fazer exames de forma constante, principalmente funcionários que lidam com atividades insalubres, como os radiologistas, por exemplo”.

Caso o funcionário apresente um atestado médico e esse atestado identifique que ele testou positivo para a Covid-19, o empregador não pode exigir um novo exame deste funcionário. Se isso acontecer, o empresário pode causar danos morais ao empregado e ser submetido à multa. “O atestado médico dá direito ao funcionário de se afastar das atividades e continuar trabalhando com direito a receber o salário. Ele terá direito a faltas justificadas, a ficar 14 dias afastado e de receber por esses 14 dias, como com qualquer outra doença comum”.

Checklist de boas atitudes

Além de todas as orientações relacionadas a direitos e deveres, O Imparcial consultou a médica infectologista Maria dos Remédios Branco, que listou uma série de atitudes positivas para ajudar a garantir a segurança e saúde dos clientes e funcionários no retorno ao trabalho presencial. Confira!

Médica infectologista Maria dos Remédios Branco

Seja vigilante

A dica é estar atento ao próprio comportamento e ao comportamento dos outros, como manter o uso de máscaras, álcool em gel, o distanciamento de, pelo menos, um metro dos colegas de trabalho e dos clientes, e observar os sintomas respiratórios em outros funcionários para que o afastamento das atividades seja providenciado imediatamente.

Dê preferência a atividades remotas

Manter o máximo possível de atividades remotas, como reuniões, aulas, conversas, apresentações, inaugurações, conferências, eventos, seminários, entre outras atividades, é uma ótima maneira de diminuir a disseminação da Covid-19.

Mantenha o grupo de risco em casa

A recomendação da médica é que as empresas mantenham funcionários do grupo de risco em home office até que se tenha vacina disponível para combater a doença.

VER COMENTÁRIOS
.
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias