PRÉ-CANDIDATO

Em São Luís, Aldo Rebelo critica burocracia e diz que Maranhão é “cobiçado”

A burocracia do país foi o grande destaque no encontro com empresários promovido pela Federação das Indústrias do Maranhão (Fiema), na manhã desta sexta, no Grand São Luís Hotel

Reprodução

Promissor. Essa é a palavra que define o Maranhão, segundo o pré-candidato à presidência da República e ex-ministro do governo Lula, Aldo Rebelo. Para ele, a localização geográfica favorece a atração de grandes empreendimentos ao estado. “O Maranhão é muito cobiçado”, comentou. Porém, a burocracia foi o grande destaque no encontro com empresários promovido pela Federação das Indústrias do Maranhão (Fiema), na manhã desta sexta, no Grand São Luís Hotel.

Aldo visita a cidade para divulgar sua plataforma de governo pelo Solidariedade. Recém-chegado ao partido, o pré-candidato deixou o PSD após a sigla embarcar na candidatura do ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa. A mudança de Rebelo para o partido que apoiou o Impeachment da presidente Dilma foi, segundo ele, tranquila.

Durante o discurso desta manhã Aldo voltou a tocar no assunto. O ex-ministro chegou a afirmar que o Código Florestal, as políticas de proteção de terras indígenas, medidas proteção do meio ambiente e as altas taxações dificultam a alavancada econômica do país. “O Brasil não está preparado para crescer com tantos entraves”, afirmou.

“O setor público está em um Fusca a 60km/h”

Durante discurso que antecedeu Aldo Rabelo, o candidato a deputado federal e presidente estadual do Solidariedade, Simplício Araújo, ressaltou a importância do fim da burocracia. “Fizemos de um tudo para facilitar o trabalho dos empresários”, lembra o deputado.

“Nós temos muitos atrativos para nos tornar um estado desenvolvido. Mas ao longo dos anos, isso ficou na mão de poucos, quando isso deveria ter sido segmentado”, explica. Simplício relata que essa reconstrução partiu da transparência e democratização.

O candidato a deputado federal afirma ainda que governo e os empresários estão em descompasso devido gargalos em nível nacional. “O setor público está em um fusca a 60km e o empreendedor está a 300/h. Esse choque tem sido constante”, ponderou em discurso. “O que nós tentamos implementar no Maranhão era o que não tinha. Políticas públicas para seguimentos empresariais e uma economia robusta. Quando você deturpa essa situação, você transforma isso em politicagem, em busca de votos de seguimentos específico da sociedade”, criticou.

A radicalização

Durante o discurso, Suplício Araújo aproveitou para fazer duras críticas ao deputado Jair Bolsonaro, pré-candidato ao Planalto, e à radicalização. “Tem muita gente de fora da política, que não entende nada, achando que vai resolver. Isso não resolve”, vociferou, clamando empresários para debater política. “Você precisa de diálogo. Esse momento precisa de um diálogo para que possamos superar grandes gargalos sociais e econômicos”, completou.

A crítica à radicalização parece uma política presente no partido. Durante discurso, Aldo Rabelo lembrou que o Brasil está dividido e que há uma desorientação social no país. “O Brasil está dividido. Esquerda e direita. Pretos e brancos. Homem e mulher”, comentou.  Para o pré-candidato ao Planalto, a solução para crise está na própria sociedade. “Precisamos dar educação e saúde de qualidade. Uma sociedade mais equalizada e unida”, concluiu.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS