SAÚDE

Em entrevista Márcio Jerry critica cancelamento de 50 milhões da Saúde

O presidente estadual do PCdoB, Márcio Jerry, falou em programa de rádio na noite da última quarta-feira, 25, sobre a polêmica retirada de quase R$ 50 milhões de emenda impositiva da Bancada Federal do Maranhão

Foto: Reprodução

O presidente estadual do PCdoB e ex-secretário de Comunicação e Articulação Política do Estado, Márcio Jerry, falou em programa de rádio, na noite da última quarta-feira, 25, sobre a polêmica retirada de quase R$ 50 milhões de emenda impositiva da Bancada Federal do Maranhão que seriam destinados para unidades de saúde de média complexidade do estado.

Em seu primeiro ato como coordenadora da Bancada, a deputada Luana Alves enviou ofício ao Ministério da Saúde solicitando o cancelamento da indicação da emenda impositiva da Bancada Federal do Maranhão. O ato evidencia a retaliação de sarneístas, em conluio com o senador Roberto Rocha e seus neoaliados, ao Governo do Estado e ao povo do Maranhão.

“O governador Flávio Dino concordou com a Bancada no final do ano passado para que esses recursos fossem destinados aos municípios. O que está fazendo a deputada Luana Alves, sabe-se lá movida por quais mesquinhos interesses da baixa política, é achando que prejudica o governador Flávio Dino. Está cometendo um grave, lesivo, irresponsável e criminoso ato contra o povo do Maranhão”, afirmou Jerry.
Para ele, o Maranhão, assim como todos os estados brasileiros, sofre com a escassez de recursos.

“Quando as pessoas se dão as mãos para ajudar o povo do Maranhão, vem a deputada e resolve subtrair, tirar recursos que já estavam acordados, que já estavam pactuados e combinados. Um papelão. Uma coisa muito feia, infelizmente, praticada pela deputada Luana Alves”, definiu.

Márcio Jerry disse que é preciso superar esse tipo de baixíssima política e pensar nos maranhenses.

“Foi por dar muita vazão dessa política do ódio, da intriga, da inveja que nós ficamos atrás em muitas coisas. No momento em que a gente dá exemplos muito claros sob o comando do governador Flávio Dino de uma política de unidade, de amplitude, de dar as mãos, de olhar o bem sem saber a quem, você vê essas atitudes mesquinhas, reprováveis e lamentáveis”, ressaltou Jerry.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS