BRIGA PELA PATERNIDADE

Trecho duplicado da BR-135 é alvo de disputas políticas

Trecho da BR-135 em Campo de Perizes é finalmente entregue. Políticos tentam aproveitar oportunidade para assumir a “paternidade” pela obra de duplicação da rodovia

Foto: Reprodução

A entrega dos últimos 11km do trecho do Campo de Perizes da BR-135 completamente duplicado é um marco para o Maranhão. A reivindicação pela duplicação da rodovia é antiga. Há tempos, políticos entraram na briga para assumir a paternidade da obra. Na solenidade realizada na manhã de ontem, com a presença dos ministros Maurício Quintella (Transportes, Portos e Aviação), Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e Sarney Filho (Meio Ambiente), do governador Flávio Dino, senadores e deputados federais e estaduais maranhenses, ficou claro que a obra de duplicação da BR-135 “possui muitos pais”.

“A duplicação foi priorizada pelo governo federal e é uma das principais obras rodoviárias do Maranhão e do Brasil. Vamos reduzir acidentes e dar mais segurança aos motoristas. A rodovia liga a região produtora de Matopiba ao Porto de Itaqui. A duplicação também vai baratear o frete”, avaliou o ministro Maurício Quintella.

A rodovia é o único acesso terrestre à capital São Luís e, por dia, passam mais de 25 mil veículos pela BR-135. A obra vai beneficiar diretamente mais de 1,5 milhão de pessoas na região metropolitana de São Luís. Isso significa que aqueles que se consideram como os “pais da obra” saem desta inauguração com mais prestígio e poder. Prova maior dessa disputa pôde ser vista durante a solenidade de ontem. Cada grupo político puxou para si a responsabilidade pela obra, que não surgiu do dia para a noite e, sim, ao longo de anos.

Embate

Ao discursar sobre a importância da entrega da duplicação do trecho do Campo de Perizes da BR-135, o governador Flávio Dino (PCdoB) falava sobre o rompimento “do ciclo da falta de estradas” que aconteceu em seu governo. As palavras de Dino incomodaram o senador João Alberto (MDB), que tentou interromper o discurso com xingamentos e em tom bastante agressivo.

Sem perder a compostura, o governador seguiu com sua fala e respondeu ao senador dizendo que o atual governo tem rompido, ainda, com “o ciclo da falta de educação, que é uma coisa importante para você governar bem: ter educação, serenidade e tranquilidade”. Nas redes sociais, o governador criticou a postura de “coronéis” que querem ser donos de todas as obras já realizadas no Maranhão. “O que realmente importa é a melhoria da BR-135”, disse.

A rusga entre Dino e João Alberto é apenas a cereja da disputa. A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) foi convidada para a solenidade, mas, sem cargo político, preferiu não comparecer. Enquanto isso, ela aproveitou para afirmar que o dia era de “festa para o Maranhão” já que a duplicação da BR-135 é uma reinvindicação antiga.

Roseana, inclusive, fez questão de também entrar na briga pela paternidade da obra. “Essa é a segunda parte da duplicação, pois a primeira, que está dentro da Ilha, foi feita no meu governo. Agora teremos mais um trecho até Miranda do Norte e a nossa luta agora vai ser levar essa estrada duplicada até Timon. Essa é uma obra importante não apenas para o Maranhão, mas também para o Brasil. Eu, realmente, estou comemorando porque eu me sinto parte dessa obra, então eu estou aqui agradecendo ao presidente Temer, à presidenta Dilma e a todos os deputados que lutaram por essa duplicação”, afirmou.

A obra proporcionará a melhoria do tráfego, o aumento da segurança dos usuários da rodovia e a redução do tempo de percurso em cerca de uma hora, trazendo benefícios econômicos para o Maranhão.

Quem é o pai?

A obra de duplicação da BR-135 é uma verdadeira novela. Tudo começou em 2003, durante o governo de José Reinaldo Tavares. Naquele ano, o deputado federal Pedro Fernandes foi um dos primeiros a levantar a bandeira pela necessidade de se realizar a obra. Ele chegou a enviar solicitação ao então ministro dos Transportes, Anderson Adauto, afirmando que “a realização da referida obra, além de ser necessidade urgente para o sistema de transporte rodoviário do estado, se constituirá em importante suporte para o sistema ferro-portuário do Itaqui”. Apesar do pedido, a obra estava ainda bem longe de sair do papel.

Somente em meados de 2008, durante o governo de Jackson Lago, o projeto de duplicação foi finalizado, mas ainda havia muitas indefinições a respeito de como seria a obra. Após os governos de Zé Reinaldo e Jackson, Roseana volta ao Palácio dos Leões e uma de suas “conquistas” foi inaugurar, em outubro de 2010, a duplicação do trecho de 15,4km entre Pedrinhas e o Porto do Itaqui, que seria a área urbana. Ela contou com a “ajuda” do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na ocasião, a então governadora assegurava, ainda, a vinda da Refinaria Premium I, da Petrobras, a Bacabeira. “A refinaria está assegurada, pois estamos garantindo infraestrutura para que a obra possa funcionar com êxito”, disse Roseana à época. Apesar da promessa, nada de refinaria no Maranhão.

Devido a esta entrega, Roseana Sarney entra na briga pela paternidade da BR-135. O detalhe é que o trecho mais complicado de ser feito entre Estiva e Bacabeira (26,4km) começou somente em setembro de 2012 após muita briga. Mas logo após o início da obra, tudo foi paralisado por falta de recursos.

Sem dinheiro, a obra atrasou e não adiantou em nada a boa relação de Roseana com o governo federal. Somente em 2016, já na gestão de Flávio Dino, foi que os deputados federais do Maranhão conseguiram recursos para dar continuidade à duplicação do trecho entre Estiva e Bacabeira. Foi então que cada parlamentar, ao seu jeito, procurou ganhar os créditos pela continuidade e conclusão da obra. Um dos que mais se vangloriam por isso é o deputado Hildo Rocha (MDB), que mesmo assim acabou sendo hostilizado na solenidade de ontem. Mas o que não faltou no evento foi a presença de políticos para aparecer na foto oficial.

Trechos 2 e 3

Em junho, a bancada federal maranhense conseguiu uma importante conquista para o estado: a duplicação de mais um trecho da BR-135. O valor de R$ 82,5 milhões já estava destinado como emenda, mas o empenho aconteceu somente naquele mês. Isso garantiu os recursos para as obras dos trechos 2 e 3 da BR-135. Estes trechos compreendem Bacabeira e Miranda do Note. A licitação da empresa já foi realizada com sucesso.

Questionado pelo jornal O Imparcial sobre o andamento das obras nos trechos 2 e 3, o superintendente do Dnit está otimista que as obras entre Bacabeira e Miranda do Norte sejam entregues até o fim de 2018. De acordo com Gerardo Fernandes, o trecho 2 está 30% finalizado, enquanto o 3, devido à demora de licenças ambientais, encontra-se com apenas 5% concluído.

Mais sobre a BR-135

Com a liberação, fica concluída a duplicação de todo o Lote 1, no total de 26,4km. O empreendimento, que integra o Programa Agora é Avançar, representa um investimento total no valor de R$ 503 milhões. Ele abrange a construção de uma nova faixa de pavimento e a requalificação da pista existente. Até o fim de janeiro, o consórcio responsável pela obra, formado pelas empresas Serveng, Aterpa e M. Martins, vai liberar o Viaduto de Bacabeira e iniciar a restauração completa da pista existente. A previsão é finalizar o empreendimento até junho de 2018.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS