EM SÃO LUÍS

Polícia registra 29º feminicídio de 2019

A vítima, Vanessa Costa Brito, de 30 anos, foi assassinada a facadas e o corpo encontrado, ontem, dentro de uma quitinete no bairro da Forquilha em São Luís

Reprodução

A po­lí­cia re­gis­trou mais um ca­so de fe­mi­ni­cí­dio no es­ta­do do Ma­ra­nhão. A ví­ti­ma foi en­con­tra­da mor­ta, em um con­jun­to de qui­ti­ne­tes, na Rua 7, do bair­ro For­qui­lha, em São Luís.

De acor­do com in­for­ma­ções po­li­ci­ais, Va­nes­sa Cos­ta Bri­to, de 30 anos, foi en­con­tra­da mor­ta den­tro de ca­sa, na ma­nhã des­ta se­gun­da-fei­ra (5).

O prin­ci­pal sus­pei­to do cri­me é uma pes­soa co­nhe­ci­da ape­nas por “Eva­nil­do”, que se­ria ex-com­pa­nhei­ro da mu­lher.

O Ins­ti­tu­to Mé­di­co Le­gal (IML) jun­ta­men­te com o Ins­ti­tu­to de Cri­mi­na­lís­ti­ca (Icrim) fo­ram aci­o­na­dos pa­ra fa­ze­rem os pri­mei­ros le­van­ta­men­tos do cri­me e a re­mo­ção do cor­po da ví­ti­ma.

Os pe­ri­tos che­ga­ram ao lo­cal e du­ran­te os pro­ce­di­men­tos de pra­xe re­ve­la­ram aos in­ves­ti­ga­do­res da po­lí­cia que a ví­ti­ma foi as­sas­si­na­da a fa­ca­das.

A po­lí­cia já ini­ci­ou as in­ves­ti­ga­ções do ca­so e con­se­quen­te­men­te as bus­cas pe­lo sus­pei­to.

Es­se ca­so é 29º fe­mi­ni­cí­dio no Ma­ra­nhão so­men­te nes­te ano.

Nos úl­ti­mos di­as, os ca­sos au­men­ta­ram, prin­ci­pal­men­te no in­te­ri­or do Ma­ra­nhão. Fo­ram 24 re­gis­tros em ci­da­des do in­te­ri­or e cin­co nos mu­ni­cí­pi­os que com­põem a re­gião me­tro­po­li­ta­na de São Luís.

Nes­te ano, a De­le­ga­cia da Mu­lher, atra­vés do De­par­ta­men­to de Fe­mi­ni­cí­dio, che­gou a 100% das elu­ci­da­ções dos ca­sos, mas al­guns sus­pei­tos ain­da en­con­tram-se fo­ra­gi­dos, as­sim co­mo o sus­pei­to do as­sas­si­na­to de Va­nes­sa Bri­to.

De­par­ta­men­to de Fe­mi­ni­cí­dio

O De­par­ta­men­to de Fe­mi­ni­cí­dio foi cri­a­do pe­la Lei 10.700, de 19 de ou­tu­bro de 2017, que ins­ti­tuiu ain­da o 13 de no­vem­bro co­mo Dia Es­ta­du­al de Com­ba­te ao Fe­mi­ni­cí­dio. O Go­ver­no do Es­ta­do ins­ta­lou o Gru­po de Tra­ba­lho In­te­rins­ti­tu­ci­o­nal (GTI) do Fe­mi­ni­cí­dio, or­ga­ni­za­ção que reú­ne mem­bros da Se­gu­ran­ça, Jus­ti­ça e de en­ti­da­des li­ga­das à pro­te­ção da mu­lher. O ob­je­ti­vo é cri­ar es­tra­té­gi­as de pre­ven­ção e re­pres­são dos ca­sos. O GTI po­de in­ter­vir em in­ves­ti­ga­ções, pro­ces­sos e jul­ga­men­tos de mor­tes vi­o­len­tas de mu­lhe­res com fins a pu­nir ade­qua­da­men­te os res­pon­sá­veis e ga­ran­tir re­pa­ra­ções às ví­ti­mas e fa­mi­li­a­res. A re­de de as­sis­tên­cia agre­ga a De­le­ga­cia da Mu­lher, o De­par­ta­men­to de Fe­mi­ni­cí­dio; a Co­or­de­na­do­ria das De­le­ga­ci­as de Aten­di­men­to e En­fren­ta­men­to à Vi­o­lên­cia con­tra a Mu­lher (Co­de­vim), a Pa­tru­lha Ma­ria da Pe­nha e a Ca­sa da Mu­lher Bra­si­lei­ra, além da pro­mo­ção de ações que pos­si­bi­li­tem a au­to­no­mia fe­mi­ni­na e aces­so ao em­pre­go e ren­da. O tra­ba­lho é con­so­an­te com as di­re­tri­zes da lei 13.104/15 – Lei do Fe­mi­ni­cí­dio, que al­te­rou o Có­di­go Pe­nal Bra­si­lei­ro (CPB), in­cluin­do o fe­mi­ni­cí­dio co­mo qua­li­fi­ca­dor do cri­me de ho­mi­cí­dio e ge­ran­do pe­na mai­or ao au­tor.

Nú­me­ros de Fe­mi­ni­cí­di­os

2019 (até 5 de agos­to)

  • 29 ca­sos
  • 17 pri­sões
  • 6 sui­cí­di­os
  • 6 iden­ti­fi­ca­dos fo­ra­gi­dos
  • 24 ca­sos no in­te­ri­or
  • 5 na Re­gião Me­tro­po­li­ta­na
VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias