MÚSICA

“Fui salva pela espiritualidade”, diz cantora Alcione

Alcione foi a grande atração do Programa Conversa com Bial da Rede Globo, na última terça-feira. Durante a entrevista, a cantora mostrou todo seu talento no palco do programa, além de comentar sobre seu processo de emagrecimento e do seu lado espiritual.

Cantora maranhense Alcione

Alcione foi a grande atração do Programa Conversa com Bial da Rede Globo, na última terça-feira. A cantora, que é chamada carinhosamente de Marrom, falou das comemorações dos seus 70 anos de vida, 45 dedicados à música ao lado do grupo As Bahias e a Cozinha Mineira.

Durante a entrevista, a cantora mostrou todo seu talento no palco do programa, além de comentar sobre seu processo de emagrecimento e o fato de ser homenageada pelo samba-enredo da Mocidade Alegre de São Paulo no carnaval de 2018. Falou também da sua espiritualidade.

Alcione revelou ao apresentador como descobriu que era médium. E contou: “Sou médium como qualquer médium (…) Eu aprendi a dar passes lá no centro onde eu frequento na Gardênia Azul no Rio de Janeiro…Eu era do grupo de Augusto César Vannucci…Foi ele que me levou para o espiritismo…Eu descobri que era médium quando eu fui fazer um show no Paraná em Santa Catarina e a minha irmã queria muito me levar para esse show e eu não queria ir. E minha irmã me perguntou: “Como a gente não vai ser o show?”.

Alcione em entrevista com Pedro Bial, da Rede Globo

E eu respondi: “Não gostei desse rapaz que está nos contratando a gente. Eu não conheço ele, mas nós vamos levar um cano”. E eu disse a ela: “Já que você quer que eu faça o show ti prepara para vender esse Kadette teu para me pagar”. Ela achou que eu tava brincando. A gente fez o show. O cara não nos pagou. E ela teve que vender o Kadette para me pagar. De lá prá cá ela disse: “Nunca mais eu duvido da sua intuição”, disse ela entre risos.

A Marron também afirmou que sua voz foi salva pela espiritualidade: “Fui salva (a voz) na espiritualidade. Um médico disse que eu ia perder minha voz, que só tinha mais um ano de voz. Fiquei tão triste, tão triste. (…) Aí fui em Recife, marquei o médico espiritual, fiquei das 21h à 01h esperando. Ele enfiou uma agulha em mim (na garganta), não doeu, a agulha saiu torta. Fiquei sem falar três dias. Depois que falei ganhei 18 discos de ouro e graças a Deus até hoje estou bem”, disse ela entre aplausos.

Leia a entrevista completa na edição digital  de O Imparcial