VAI TER CLÁSSICO?

Final do Estadual vira caso de polícia e Ministério Público

Ao tomar conhecimento da intenção dos torcedores de realizarem manifestação em frente ao Palácio dos Esportes, sede da FMF, o presidente da entidade, Antônio Américo, resolveu pedir apoio à Polícia Militar

Foto: Reprodução

Antes mesmo da bola rolar para o confronto Moto x Imperatriz na decisão do Campeonato Maranhense, o clima já é de agitação. Tudo por conta do dia e horário do jogo programado para São Luís, às 21h45 do dia 5 de abril, quinta.

De um modo geral, muitos torcedores do Moto, que já haviam manifestado insatisfação desde a partida anterior, quando Moto e Maranhão jogaram no mesmo horário, desta vez resolveram agir. Pela manhã, começaram a circular informações de que um ato de protesto seria realizado em frente à Federação Maranhense de Futebol, uma forma de pressionar o presidente da entidade, Antônio Américo, a mudar de ideia e rever uma programação que não afaste a grande torcida motense de ir ao estádio para incentivar o time rubro-negro. Cópia de uma denúncia ao Ministério Público, por meio da Promotoria de Defesa do Consumidor, também foi distribuída à imprensa.

Policiamento

Ao tomar conhecimento da intenção dos torcedores de realizarem manifestação em frente ao Palácio dos Esportes, sede da FMF, o presidente da entidade, Antônio Américo, resolveu pedir apoio à Polícia Militar. Duas viaturas foram imediatamente para o local, onde permaneceram até o fim do expediente. A medida acabou frustrando o movimento. Foi solicitada a antecipação da partida de quinta-feira para sábado ou domingo, e ele (Américo) afirmou que, se o clube conseguisse negociar com a televisão, tudo seria resolvido. “Estamos só aguardando a disponibilidade da grade da emissora que vai transmitir o evento, para que a mudança seja oficializada”, disse Celio Sergio.

Os jogos finais do Estadual, segundo a FMF, terão transmissão de uma emissora local e do canal por assinatura Esporte Interativo, este último, por força de um contrato que ainda rola na Justiça comum.

VER COMENTÁRIOS
MOSTRAR MAIS