O que você quer ser?

Confira dicas para decidir que profissão seguir

A clássica pergunta sempre feita às crianças e adolescentes — “O que você vai ser quando crescer?”, por isso separamos algumas dicas que podem auxiliar o processo de escolha profissional

Reprodução

A clássica pergunta sempre feita às crianças e adolescentes — “O que você vai ser quando crescer?” — ganhou um sentido mais amplo e literal no contexto das fulminantes transformações tecnológicas e na estrutura do trabalho verificadas neste século. À dúvida entre as atividades já existentes — advogado, médico, engenheiro, administrador, economista, professor, jornalista… ? — soma-se a incógnita relativa a profissões que sequer foram criadas.

Pode parecer ficção sociológica futurista, mas não é. Um estudo do Fórum Econômico Mundial, intitulado Futuro do Trabalho, ressalta que 65% das crianças que estão começando o Ensino Fundamental terão atividades profissionais que ainda não existem. As mudanças serão estruturais, estima a pesquisa, salientando que para cada posto de trabalho eliminado pela tecnologia, 2,4 novos serão criados, principalmente em startups.

Nesse novo cenário, o grande desafio para garantir a empregabilidade humana na quarta revolução industrial encontra-se na educação. Este é um problema sério para países como o Brasil, nos quais o setor tem sido negligenciado durante muitos anos e sequer consegue cumprir com qualidade mínima a missão tradicional de alfabetizar, ensinar as quatro operações e os conhecimentos básicos.

Além da precariedade escolar, o modelo de educação vigente foi criado há muito tempo e está longe de atender às demandas relativas à formação das presentes e futuras gerações. Assim, o Brasil, para se converter de fato em nação competitiva, de renda alta e mais desenvolvida, terá de fazer uma dupla lição de casa na área da educação: recuperar o tempo perdido na estruturação de um sistema público de ensino eficaz e de excelência e, ao mesmo tempo, prover os novos saberes que se exigem cada vez mais.

Infelizmente, estamos atrasados no processo de inserção do ensino na nova era do trabalho. Num momento em que o mundo discute e implementa esses avanços, ainda estamos avaliando um novo currículo básico para as escolas, continuamos pagando mal os professores, assistindo a uma interminável sequência de fraudes e vícios nas licitações para compra de materiais escolares para o sistema público e taxando com impostos altíssimos os cadernos, lápis, canetas, réguas e outros produtos essenciais ao aprendizado de nossas crianças.

E quais são esses conhecimentos e habilidades já presentes no currículo de escolas de alguns países desenvolvidos? Capacidade de solucionar problemas e enfrentar situações críticas; criatividade; inteligência emocional; familiaridade com as tecnologias da informação; desenvoltura na comunicação e nas formas de expressão; facilidade de aprender rapidamente novos conceitos; e formação multidisciplinar. Embora saibamos nosso sistema de ensino está um pouco distante de atender às demandas do mercado, separamos algumas dicas que podem auxiliar o processo de escolha profissional:

Conheça suas aptidões

Para algumas pessoas é difícil identificar em si mesmo qualidade positivas. E no ambiente que vivemos, bombardeados de informações, acabamos nos tornando incapazes de nos aprofundar em atividades que temos afinidade e ainda, a ansiedade de definir que carreira seguir acaba deixando a escolha um pouco limitada. Mas sempre há esta ou aquela coisa que fazemos e todo mundo elogia. Perceba-se no dia a dia: que atividades tenho mais facilidade de executar? Quais as minhas habilidades e expectativas? Se você gosta de ler, escrever, se gosta de tirar fotos ou até mesmo se você gosta de assistir filmes… O Mercado de trabalho tem muitas oportunidades, basta aproveitá-las. Avance e busque avaliar sua história pessoal, se questionando sobre que valores vocês traz consigo, que experiências foram positivas ou trouxeram desafios que você deseja superar.

Busque informações

Tendo em mente o que você faz bem feito corra atrás de informações sobre as áreas que podem ter a ver com você. Avalie as possibilidade que essa área pode te oferecer, o desenvolvimento de novas tecnologias, as formas de vínculo trabalhista que existem. Imagine os possíveis ambientes de trabalho que a profissão pode ser aplicada, as rotinas, o tipo de relações com outras pessoas que as profissões estabelecem, a que objetivos sociais elas se destinam. Tudo isso será importante para você aliar o que você gosta de fazer com as suas características pessoais. Converse com profissionais da área e, se possível, vá até os ambientes e empresas que você poderá atuar. Conhecer a fundo o campo profissional que você escolheu, pode evitar possíveis arrependimentos.

A escolha pode não ser pra toda a vida 

Hoje o mercado de trabalho está muito dinâmico. Não é preciso ficar preso àquela decisão tomada anos atrás, sempre existe a possibilidade de mudar de ideia e trilhar outros caminhos. Em uma sociedade em constante mudança, um redirecionamento da carreira é, muitas vezes, inevitável. Com a experiência e a vivência profissional será possível perceber que nem sempre existem escolhas erradas, mas escolhas que não se adequam ao momento.

Faça testes vocacionais

Algumas ferramentas estão disponíveis para te auxiliar nesse momento. Existem profissionais especializados em orientação para o autoconhecimento e então orientaçao profissional. O coaching é aquele que oferece dicas e ajuda a trilhar caminhos para entender quem você é.  Além disso também existem diversos testes vocacionais disponíveis na internet, que também são ótimas ferramentas para tirar aquela dúvida. São perguntas que examinam se a pessoa é corajosa, aventureira ou tímida. Seguindo as características pessoais eles fornecem alguma opções que mais se encaixam com você.