Cultura

Reggae e Tambor de Crioula agitam Centro de Cultura Mestre Amaral neste domingo

O projeto ocorre neste domingo (13), a partir das 16h, e tem como cenário a privilegiada vista do por-do-sol da Praça Dom Pedro II

Reprodução

Neste domingo (13), a partir das 16h, o Centro de Cultura Mestre Amaral será palco de uma mistura que promete agitar e encantar os amantes da maranhensidade e do ritmo jamaicano que fincou raízes em terras ludovicenses. A banda Soulreggae, já conhecida por movimentar a Fonte do Ribeirão com o projeto Reggae na Fonte, traz no balaio o melhor do reggae, tambor de crioula e ritmos ancestrais para a ilha com o projeto Tambor + Reggae.

A expectativa é de casa cheia. Na ocasião, o cenário ganha um destaque especial pela vista privilegiada do Centro de Cultura Mestre Amaral, já reconhecido por fundir diversos estilos e matrizes culturais. Marca presença, ainda, para animar a tarde, o DJ Victor Hugo com um set especial do melhor do reggae e da música regional.

Visibilidade para a Fonte do Ribeirão

A vibe do reggae também já faz parte da Fonte do Ribeirão. Iniciativa de Pedro Muller, baixista, e Luizianne Assunção, produtora da Soulreggae, o projeto Reggae na Fonte tem arrastado uma legião de amantes do estilo. “Com o Reggae na Fonte eu percebi que [a Fonte] é um lugar muito mais desconhecido do que esquecido”, comenta Pedro.

O projeto fez uma pausa para que os organizadores pudessem ajustar a estrutura do local. Recentemente a banda recebeu a notícia de que contaria com apoio da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (SECTUR) em relação ao som, banheiros químicos e limpeza do local. Mas a banda garante: até o final do mês, uma nova edição do projeto deve acontecer.

A Soulreggae

Reggae de um jeito novo, sem medo da mistura. É esta a essência da Soulreggae, criada em abril deste ano pelo baixista Pedro Muller. A banda, que ganhou destaque nos últimos meses por movimentar e lotar a Fonte do Ribeirão, com o projeto Reggae na Fonte, é composta ainda por Branco Aick, nos vocais, Mario Praseres, na guitarra, João Aspira, no teclado, e Leo Vander, na percussão.

Pedro Muller conta que a ideia de montar a banda surgiu a partir de uma vontade de tocar o reggae para além do roots. “Eu queria montar uma banda pra tocar esse reggae que a galera tá tocando hoje em dia lá fora”, conta o baixista. O grupo é marcado por influências do roots, dub, ragga, pop e rock reggae, e conta, como inspirações, com bandas e artistas como SOJA, O Rappa, Rebelution, Bob Marley, Stephen Marley e Damian Marley. “A gente acaba fazendo um caldeirão ali”, explica Pedro, ressaltando as referências de cada músico da banda e pontuando que todos os integrantes já possuíam um background no gênero.

Sobre as perspectivas da banda para este semestre, Pedro Muller ressalta: a ideia é continuar com o Reggae na Fonte e expandi-lo para outros pontos da cidade, como a Fonte das Pedras, impulsionar o Tambor + Reggae, lançar um single autoral da banda, acompanhado de videoclipe, e dar início ao Soulidariedade, projeto beneficente que visa angariar fundos para instituições de caridade.

A banda conta, também, com parceiros essenciais para a recente, mas promissora, jornada do grupo, como o Amsterdam Music Pub, palco da primeira apresentação da banda, a hamburgueria Burguernight, localizada na Fonte do Ribeirão, os DJs Andrezinho Vibration e Ademar Danilo, André Trovão e a SECTUR.