Terminal Portuário

Terminal do Cujupe passa por modernização

A EMAP já investiu R$ 12 milhões na obra que iniciou em fevereiro; Moradores da região foram contemplados com empregos

A estrutura está sendo montada em Caxias, onde foram criadas frentes de trabalho

Para transformar a atual estrutura do Terminal do Cujupe em um moderno terminal multimodal, com o dobro de área construída, o governo do Maranhão está investindo, por meio da Empresa Maranhense de Administração Portuária, R$ 12 milhões na obra que começou em fevereiro e gerou 78 empregos só nesta etapa inicial. O trabalho vem sendo realizado sem interromper o funcionamento de um sistema utilizado por 1,7 milhão de pessoas por ano. Ao lado do Terminal da Ponta da Espera, o Cujupe integra a infraestrutura de transporte aquaviário que faz a ligação entre a capital e os municípios da Baixada Maranhense.

Claudio José Pereira Viegas, morador do Cujupe, é um dos trabalhadores da comunidade do entorno que estão atuando diretamente na obra. “Agradeço muito a Deus por estar aqui, esse serviço veio na hora certa para ajudar muitas pessoas. Dá muito orgulho fazer parte disso, saber que o pessoal do Cujupe que ajudou a fazer isso aqui”, disse ele.

O serviço começou em fevereiro na parte sul, onde foi concluída a etapa de terraplenagem e nos próximos dias será instalada a cobertura metálica. A estrutura está sendo montada em Caxias, onde foram geradas 15 frentes de trabalho. De acordo com o planejamento da obra, a segunda etapa – que contemplará a parte norte, atualmente em funcionamento – será iniciada somente quando todo o trabalho na parte sul estiver concluído.

“O plano de ação foi pensado para garantir a continuidade das operações e a segurança dos usuários durante todas as etapas. Contamos com a colaboração de todos os envolvidos para podermos entregar um novo terminal com toda a infraestrutura que os maranhenses merecem”, diz o presidente da Emap, Ted Lago. Além da concepção multimodal, o novo Cujupe contará com um sistema de reaproveitamento de águas de chuvas, reformulação de pátio de espera e estacionamento, reforma estrutural do hall de espera, embarque e a área do entorno, reorganização do comércio informal e pavimentação de toda a área do terminal.
Mão na massa

As placas de orientação espalhadas pelo terminal e o fluxo de operários são os primeiros sinais de que há homens trabalhando, mas nada que atrapalhe o vai e vem de passageiros. A construção propriamente dita do novo Terminal do Cujupe, no momento, está ocorrendo atrás da estrutura de isolamento que separa a parte em funcionamento (norte) do canteiro de obras (sul).

Quem regula o acesso ao canteiro de obras é o Mauro Alves Coelho, morador do Cujupe que trabalha como porteiro da obra e gasta apenas 10 minutos entre sua casa e o terminal. Exigente com o uso dos equipamentos de segurança, ele cuida para que nada atrapalhe o fluxo do serviço e recebe gentilmente os colegas que chegam para colocar a mão na massa. “Para mim está sendo bom porque é uma oportunidade e estou agradecendo a Deus por essa chance para a gente que mora aqui perto. A gente não esperava porque sabe que a dificuldade de emprego aqui é muito grande. Cada dia que passa é melhor, uma vitória”, diz.

Antonio Carlos Sousa Costa, operário nessa construção, que mora em São Raimundo de Alcântara, diz que é uma graça estar trabalhando aqui dentro do município. “Eu era desempregado e hoje sou empregado”, diz, com orgulho. “É muito importante para a gente construir um pedaço desse terminal”, afirma.