Empreendedorismo Cultural

Bonecos de papel expressam a cultura maranhense e geram renda

Os fundadores da Éguas! Paper Toy conseguem combinar com criatividade a cultura maranhense e o empreendedorismo

João Manuel viu nos paper toys um nicho de mercado a ser explorado. Foto: Honório Moreira

Diz a lenda que se você “matutar” uma história na cabeça, ela pode virar um paper toy. O João Manoel Santos, designer e fundador do estúdio criativo Éguas! Paper Toy, é o responsável por dar vida a bonecos de papel para pessoas e empresas. Basta uma boa ideia ou uma boa história e voilá! Ela vira um bonequinho de papel.

O negócio surgiu no final de 2013, quando os sócios João e Roouse Santos viram na iniciativa algo que rendesse uma boa representação da cultura maranhense, e a possibilidade de personalizar campanhas publicitárias com um toque de criatividade. “Eu percebi um nicho de mercado onde nós poderíamos atuar a partir de um livro que ganhei sobre paper toys. Decidi sair da empresa onde eu trabalhava para fazer isso. Depois de um curso de capacitação para empreendedores culturais, a gente viu que a oportunidade era muito boa, são produtos que servem como lembrança à quem vem ao Maranhão”, conta João sobre a idealização do estúdio.

As criações da Éguas Paper Toy são voltadas para pessoas e empresas. Foto: Honório Moreira

1, 2, 3, criação!

Ter espírito empreendedor, ser criativo e acreditar na sua própria ideia são os princípios básicos para se ter um negócio de sucesso. João precisou se dedicar integralmente aos paper toys e abandonar o emprego antigo, e hoje ele começa a colher os frutos dessa dedicação. Com ele aconteceu assim, mas não existe uma fórmula. O importante é fazer algo motivador e que dê espaço para a criatividade entrar em cena. “Nos sentimos realizados em ser donos do próprio negócio e que nossos produtos tem um significado para os clientes”, pontua João.

Recentemente, o projeto Diz a Lenda, uma coleção desenvolvida pelo Éguas! Paper Toy que valoriza o folclore e as lendas maranhenses, foi aprovado pelo financiamento de projetos culturais da Cemar, através da Lei de Incentivo à Cultura. Esse foi um importante passo para a empresa pôr em prática outros projetos, como livros em braile sobre lendas maranhenses e distribuição de bonecos de papel nas escolas públicas.

Através de softwares de desenho e criação, o designer desenvolve bonequinhos de Cazumbás e Bumba Meu Boi, além de fazer referência à lendas que permeiam o imaginário maranhense como a de Dom Sebastião e a lenda de Ana Jansen. João já criou também bonecos do Batman, de mascotes de times maranhenses como Sampaio e Moto Clube. A Éguas! Paper Toy trabalha também com a confecção de camisetas, botons e brindes personalizados.

Marcas, pessoas e produtos para empresas viram arte nas Mãos de João Manoel. “Recebemos encomendas de personalizações pelas redes sociais e e-mail, de pessoas que querem um presente criativo e único. Também de empresas, para criação de personagens/mascotes em ações publicitárias e de vendas”, conta.

Mas o que são paper toys?

A arte de criar bonequinhos de papel invadiu o universo do design gráfico moderno de uma forma diferente. Eles remetem à tradição milenar chinesa dos Origamis (Oru = dobra; kami = papel), mas com menos dobraduras e em sua maioria são desenhados em softwares de criação que dão vida à customização que o artista deseja. Eles são dinâmicos e divertidos, ótimos para estimular a concentração das crianças e, depois de prontos, servem como enfeites de mesa.

Os paper toys são impressos, dobrados e cortados até adquirirem forma. O desenho é feito no plano para se tornar uma figura tridimensional depois de montado. Podem ser feitos em papel A4 comum (90g), mas o recomendado é um papel de gramatura mais pesada (de 120g a 180g), para que o brinquedo ganhe forma e permaneça montado.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS