CORONAVÍRUS

No Maranhão

1226
38174
12741
1028
FALECEU

Morre Tariq Aziz, ex-ministro do governo de Saddam Hussein no Iraque

Diplomata ganhou fama ao defender Hussein perante o mundo em três guerras

REPRODUÇÃO DA INTERNET

Bagdá – Tariq Aziz, o cortês diplomata que ganhou fama ao defender Saddam Hussein perante o mundo durante três guerras e que mais tarde foi sentenciado à morte por pertencer ao regime que matou milhares de pessoas, morreu nesta sexta-feira aos 79 anos em um hospital ao sul do Iraque, informaram as autoridades.

Aziz morreu após ser transferido para o hospital al-Hussein na cidade de Nasiriyah, 320 quilômetros a sudeste de Bagdá, segundo o governador provincial Yahya al-Nassiri. Ele estava preso, à espera de sua execução.
Aziz era o cristão de maior posto no regime de Hussein e foi o rosto internacional do regime durante anos, tendo ocupado os cargos de ministro das Relações Exteriores e vice-premiê. Em outubro de 2010, foi sentenciado à forca por perseguir membros dos partidos religiosos muçulmanos xiitas, que agora controlam o Iraque.
Um funcionário do governo de Bagdá informou sobre a morte de Aziz, pedindo anonimato. A religião de Aziz salvou-o da forca, destino que tiveram outros graduados membros do regime. Após a sentença de morte, o Vaticano pediu clemência, por ele ser cristão. O então presidente iraquiano, Jalal Talabani, recusou-se a firmar a sentença de morte, citando a idade e a religião dele.
Antes de ser sentenciado à pena de morte, porém, já parecia que Aziz morreria na prisão. Ele já havia sofrido vários derrames, enquanto estava detido, e enfrentava acusações por vários crimes do regime.
Aziz foi julgado sete vezes, quase todas por crimes contra a humanidade relacionados às campanhas de Saddam contra partidos políticos xiitas e curdos. Ele deixa mulher e dois filhos, Ziad e Saddam, que vivem na Jordânia e que faziam campanha para que o pai tivesse autorização para receber tratamento médico fora do Iraque. Fonte: Associated Press.
VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias