Caso Maciel

“Não quero monopólio, estou me preparando para não sair do mercado”, afirma Ilson Mateus

O empresário Ilson Mateus convocou a imprensa para uma coletiva para falar do histórico de crescimento do grupo, benefícios fiscais e plano de expansão. O governo também fez evento para debater oportunidades para o segmento supermercadista 

Reprodução

Uma semana preenchida com mais dúvidas do que certezas marcou as redes sociais e os debates sobre os incentivos fiscais dados a empresários de um determinado setor, neste caso o de Atacado e Centros de Distribuição. Dois eventos aconteceram nesta quinta-feira (17) com intuito de explicar os benefícios fiscais e tirar dúvidas em torno desta questão.

O Governo do Maranhão organizou mais uma edição de “Seminários Estratégicos – Oportunidades para a cadeia produtiva do atacado e varejo supermercadista no Maranhão” no Rio Poty Hotel em que reuniu o setor supermercadista, empresários e imprensa.

Já o empresário Ilson Mateus convocou a imprensa para uma coletiva de imprensa na sede do Grupo Mateus (Cohama). Na oportunidade aproveitou para falar do histórico de crescimento do grupo, benefícios fiscais e plano de expansão.

Benefício exclusivo – O Grupo Mateus, liderado pelo empresário Ilson Mateus foi acusado de deter o monopólio do setor e ser responsável pelo declínio do Grupo Maciel, tudo com a ajuda do Governo do Maranhão através de uma lei de incentivo fiscal voltado para o setor de Centros de Distribuição. Não é verdade.

Conforme adiantamos nesta semana aqui jornal O Imparcial, o Grupo Mateus tem benefício fiscal de 2% de ICMS, mas este benefício não se trata da Lei 10.576/2017 sancionada no Governo Flávio Dino. Esta lei, como já dito antes, foi criada para atrair Centros de Distribuição para o Estado do Maranhão. Nem o Grupo Mateus ou outra empresa faz uso deste benefício. Mesmo com quase dois anos da lei em vigor, o benefício nunca foi usado por nenhum grupo empresarial.

A Lei de Incentivo fiscal para incentivar instalação de Centros de Distribuição nunca foi usada no Maranhão. O Grupo Mateus tem benefício através do Decreto 31.287, outras 104 empresas tem o mesmo benefício

A legislação que beneficia o Grupo Mateus e outras 104 empresas atacadistas é o Decreto número 31.287 de 9 de novembro de 2015 em que permite que o empresário venda tanto para Pessoa Física (até 30%) ou Jurídica. O Grupo Maciel utilizou-se do mesmo benefício até maio de 2018. Uma das contrapartidas para fazer parte do incentivo fiscal é não dever o fisco.

Uma mesma empresa não pode participar de dois programas de incentivos fiscais. “Este benefício aqui [o decreto direcionado a Atacadistas] é mais interessante pra gente. O de Centro de Distribuição [Lei 10.576/2017] é interessante para importação, em nosso entendimento”, afirmou Ilson Mateus durante a coletiva de imprensa.

Grandes redes vão chegar

Em sua explanação inicial, Ilson Mateus diz que “somos uma empresa de logística que por acaso temos supermercados”, segundo o empresário o sucesso do grupo é honrar com fornecedores e instituições financeiras para poder continuar comprando. E comprar muito é outro segredo do grupo para isso investiu na construção de Centros de Distribuição, o primeiro feito em Imperatriz.

O volume de compra permite que o empresário negociar diretamente com as grandes empresas sem intermediários e para manter-se vivo no mercado vai ter que comprar ainda mais.

O empresário acredita que em pouco tempo grandes grupos do varejo e atacarejo vão chegar no Maranhão, a exemplo do Grupo Assaí. Com o Assaí, o Mateus já é concorrente nos estados do Pará e Piauí e acredita que em curto espaço de tempo também vai concorrer no Maranhão.

Para blindar da concorrência, Ilson Mateus acredita na logística, em Centros de Distribuição e também em franquias. É o caso do Camino Supermercados, modelo de negócio que aposta nos mercados de bairro. Segundo o empresário estes grupos podem chegar no Maranhão apostando nestes mercados de bairro.

No momento o Grupo Mateus atua como soberania no mercado maranhense com as marcas dos Supermercados Mateus, Mix Atacarejo, Eletro Mateus, Armazém Mateus e o Camiño Supermercados. Mas segundo o empresário a estratégia não é buscar o monopólio.

“Eu não quero o monopólio, estou me preparando para não sair do mercado”, afirmou Ilson Mateus. O empresário citou grandes grupos com mais tempo de mercado que o Grupo Mateus saíram do mercado. A chegada do Grupo em Belém-PA se deu ao fato do Grupo Y. Yamada fechar algumas lojas e oferecer ao Mateus.

Um Centro de Distribuição do Y. Yamada está sendo locado pelo Grupo Mateus no Pará. A estratégia inicial era chegar do interior paraense até a capital, mas com a proposta a ida do Mateus para a capital aconteceu antes do planejado.

Desinformação x negócio – Segundo o empresário, a propagação das notícias em blogs e redes sociais de que o Grupo Mateus teria benefício exclusivo dado pelo Governo do Maranhão chegou a atrapalhar os negócios. Parceiros, fornecedores e bancos procuraram o empresário para entender o que se passava no Maranhão. Segundo, Ilson Mateus a convocação de coletiva de imprensa se deu também para prestar esclarecimentos a estes parceiros e investidores.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS