EMPREGO

Quer conseguir um emprego? Saiba 3 coisas para não fazer no currículo

É sem­pre bom lem­brar de al­guns pon­tos tão cru­ci­ais que po­dem te ti­rar da cor­ri­da pe­la va­ga de­se­ja­da

Reprodução

Um bom cur­rí­cu­lo abre por­tas nos me­lho­res pro­ces­sos se­le­ti­vos. Im­pres­si­o­na de pri­mei­ra os re­cru­ta­do­res e cons­trói o fun­da­men­to pa­ra que vo­cê se apre­sen­te de ou­tras for­mas e nas pró­xi­mas eta­pas. En­fim, não dá pa­ra ne­gli­gen­ciá-lo. É sem­pre bom lem­brar de al­guns pon­tos tão cru­ci­ais que po­dem te ti­rar da cor­ri­da pe­la va­ga de­se­ja­da. Con­fi­ra!

Co­lo­car tu­do o que já fez na vi­da

Em­bo­ra se­ja im­por­tan­te apon­tar con­quis­tas e ex­pe­ri­ên­ci­as, elas pre­ci­sam ser re­le­van­tes pa­ra a va­ga. Is­so mes­mo: o ide­al é que o cur­rí­cu­lo se­ja cus­to­mi­za­do pa­ra a opor­tu­ni­da­de que o can­di­da­to es­tá ten­tan­do.

As ha­bi­li­da­des e en­tre­gas que im­por­ta­ri­am pa­ra quem se­le­ci­o­na va­ri­am de acor­do com a fun­ção, em­pre­sa, ní­vel hi­e­rár­qui­co.

Ca­da re­cru­ta­dor bus­ca al­go em es­pe­cí­fi­co. Mas, nos pro­ces­sos se­le­ti­vos, é me­lhor ser cer­tei­ro do que in­cluir tu­do e tor­cer pa­ra que uma in­for­ma­ção “ba­ta” com o que a em­pre­sa pro­cu­ra.

“É in­te­res­san­te que o can­di­da­to co­lo­que as ex­pe­ri­ên­ci­as e ati­vi­da­des que mais te­nham a ver com seu ob­je­ti­vo. Por exem­plo, se bus­ca uma opor­tu­ni­da­de co­mo ven­de­dor, seu es­tá­gio co­mo au­xi­li­ar ad­mi­nis­tra­ti­vo não fa­rá, ne­ces­sa­ri­a­men­te, mui­ta di­fe­ren­ça”, dis­se, em en­tre­vis­ta, a ana­lis­ta de re­cru­ta­men­to e se­le­ção Ma­rí­lia Cas­tel­li Prass.

É me­lhor ser cer­tei­ro do que in­cluir tu­do que que já fez na vi­da

Uti­li­zar ad­je­ti­vos

Quem viu a sé­rie How I Met Your Mother de­ve se lem­brar do “cur­rí­cu­lo” do Barney Stin­son. (Se não se lem­bra, tu­do bem, ele es­tá dis­po­ní­vel aqui pa­ra down­lo­ad).

Ba­si­ca­men­te, o per­so­na­gem cri­ou um vi­de­o­cli­pe mu­si­cal em que a le­tra da mú­si­ca são ad­je­ti­vos que ca­rac­te­ri­za­ri­am ele. Con­fiá­vel, pon­tu­al, de­ta­lhis­ta são só al­guns dos ter­mos usa­dos no ví­deo.

For­ma­to à par­te, ad­je­ti­vos não são uma boa pe­di­da em ne­nhum cur­rí­cu­lo pro­fis­si­o­nal.Em vez de fa­zer uso de­les, ten­te de­mons­trar al­gu­mas de su­as ca­rac­te­rís­ti­cas por meio de en­tre­gas e con­quis­tas. En­tre em mais de­ta­lhes so­bre as his­tó­ri­as du­ran­te a en­tre­vis­ta.

Su­per­va­lo­ri­zar seus fei­tos – ou men­tir

Não só é an­tié­ti­co men­tir no cur­rí­cu­lo, co­mo há gran­des chan­ces da men­ti­ra ser des­co­ber­ta quan­do vo­cê ti­ver que com­pro­var na prá­ti­ca o que des­cre­veu.

Ain­da que te­nha con­se­gui­do a va­ga, ne­nhum re­cru­ta­dor vai fi­car fe­liz com sua con­tra­ta­ção se per­ce­ber que vo­cê men­tiu. In­clu­si­ve, se­gun­do um es­tu­do, mais de 75% dos di­re­to­res bra­si­lei­ros já ex­cluí­ram can­di­da­tos que men­ti­ram no cur­rí­cu­lo.

O mes­mo com a su­per­va­lo­ri­za­ção: evi­te. “Com­pa­ra­mos quan­to que o can­di­da­to atri­bui de va­lor às su­as con­quis­tas e ha­bi­li­da­des com a per­cep­ção de ou­tras pes­so­as”, diz Le­o­nar­do Go­mes, co­or­de­na­dor de se­le­ção da Fun­da­ção Es­tu­dar.

Co­mo os re­cru­ta­do­res ge­ral­men­te têm ex­pe­ri­ên­cia, fi­ca fá­cil sa­ber o que é ou não re­le­van­te den­tre as con­quis­tas apre­sen­ta­das.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS