PESQUISA

Aumenta a intenção de gastos dos consumidores para o Dia dos Pais

Pesquisa da Fecomércio-MA demonstra que os consumidores de São Luís pretendem gastar mais com presentes e comemoração. Rua Grande volta a ocupar a segunda posição nas opções de locais de compras

Reprodução

O levantamento de intenção de consumo para o Dia dos Pais, realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio-MA), indicou que 54,0% dos consumidores ludovicenses estão predispostos a comprar presentes este ano. O resultado apresenta ligeiro recuo de -3,2% em relação à intenção de consumo registrada no mesmo período de 2017.

A desaceleração na perspectiva de consumo foi motivada pela migração dos consumidores para a zona de indecisão, uma vez que a parcela de ludovicenses que diz ainda não saber se irá comprar presentes subiu de 4,0% no ano passado para 7,4% este ano, revelando uma possibilidade de aumento do nível positivo de consumo.

“Apesar desse leve recuou na intenção de compras, o nosso estudo apresenta outros dados que devem desenhar um cenário de vendas positivo para o comércio de São Luís no Dia dos Pais. Além do aumento do número de indecisos, houve crescimento dos que desejam comprar mais de um presente e também na intenção de gastos para o período”, destacou o presidente da Fecomércio-MA, José Arteiro da Silva.

De acordo com o estudo, entre os consumidores que estão convictos que irão às compras no período, o percentual de ludovicenses que apontou que deverá comprar apenas um item para presentear foi de 66,6%, revelando uma redução de -18,5% nesse perfil de consumo e abrindo espaço para os consumidores que desejam comprar dois produtos, que era de 13,6% em 2017 e dobrou para 25,7% em 2018, e aqueles que têm a intenção de adquirir três presentes, que também dobrou de 3,3% no ano passado para 6,0% este ano.

Além disso, o levantamento realizado pela Federação do Comércio do Maranhão traz como destaques positivos o crescimento de +17,0% na intenção de comemorar, assim como o aumento da média do valor do presente (+2,0%) e do valor total da compra, que inclui os gastos com o produto e a comemoração, que avançou +21,5% este ano, reflexo da tendência do consumidor em adquirir mais de um presente este ano e da elevação da intenção de comemorar a data fora de casa.

De modo geral, a intenção de consumo apresenta-se mais favorável entre o público feminino (58,4%), consumidores com idade de 21 a 35 anos (64,6%), com ensino superior completo (59,1%) e renda familiar mensal superior a três salários mínimos (62,4%).

Produtos

O tripé formado pelos artigos de vestuário, calçados e itens de perfumaria segue liderando a preferência do consumidor assim como no ano anterior. No entanto, os artigos de vestuário deixaram a liderança isolada ao apresentar uma queda na intenção de consumo de -35,0% na comparação com 2017, mas se mantiveram como primeira escolha dos ludovicenses para o Dia dos Pais com 28,7% das indicações deste ano.

Na segunda e terceira posição na lista, os calçados, com 24,6%, e os perfumes, com 23,6% das escolhas em 2018, absorveram a queda da intenção de consumo pelos artigos de vestuário e registraram crescimentos percentuais de, respectivamente, +72,0% e +110,7% na passagem do ano passado para este ano.

Na análise por gênero, o público feminino apresenta uma opção acima da média pelos artigos de vestuário (31,6%) e itens de perfumaria (28,6%). Já o público masculino destaca-se com uma escolha acima da média para os materiais esportivos (12,4%).

Em relação à faixa etária do consumidor, o público mais jovem, de até 20 anos, apresenta maior intenção de consumo pelos itens de perfumaria (33,1%), enquanto para consumidores com mais de 36 anos a preferência é pelos calçados (29,0%).

Na avaliação a partir do nível de renda, os consumidores com renda familiar mensal de até 3 salários mínimos apresentam preferência pelos artigos de vestuário (34,0%). Para os consumidores com renda de 3 a 6 salários mínimos, a indicação mais preponderante é pelos itens de perfumaria (30,8%). Já para os consumidores com renda familiar superior a 6 salários mínimos, o destaque é pelos eletrônicos como acessórios para computador, tablets e celulares (23,4%).

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS