CORONAVÍRUS

No Maranhão

935
1
88
1
SUSPENSE

Willem Dafoe e Robert Eggers falam sobre ‘O Farol’

” o farol” foi Eleito pela crítica como o melhor filme da Quinzena dos Realizadores no Festival de Cannes

Reprodução

Uma das es­trei­as mais aguar­da­das des­te iní­cio de ano, O Fa­rol che­ga aos ci­ne­mas com pro­mes­sa de pro­por­ci­o­nar uma ex­pe­ri­ên­cia in­tri­gan­te aos aman­tes do ter­ror e do sus­pen­se. O Ca­nal Li­ke (530 da Net/Cla­ro) con­ver­sou com Wil­lem Da­foe, as­tro do fil­me ao la­do de Ro­bert Pat­tin­son, e com Ro­bert Eg­gers e Lou­ren­ço Sant’An­na, pro­du­tor do lon­ga.

Elei­to pe­la crí­ti­ca co­mo o me­lhor fil­me da Quin­ze­na dos Re­a­li­za­do­res no Fes­ti­val de Can­nes, O Fa­rol se pas­sa em uma ilha na In­gla­ter­ra no fi­nal do sé­cu­lo XIX. Ne­la, o ma­ri­nhei­ro Eph­raim Wins­low (Ro­bert Pat­tin­son) é man­da­do pa­ra ser ze­la­dor e au­xi­li­ar o ve­te­ra­no fa­ro­lei­ro Tho­mas Wa­ke (Wil­lem Da­foe). Iso­la­dos por uma for­te tem­pes­ta­de, os dois têm que li­dar com su­as di­fe­ren­ças pa­ra aju­da­rem um ao ou­tro:

“É um be­lo tex­to e o mais bo­ni­to ne­le é que vo­cê não tem cer­te­za o que é ver­da­de e o que é in­ven­ta­do. A his­tó­ria é bem sim­ples: dois ho­mens pre­sos em um fa­rol, fi­can­do sem co­mi­da, co­me­çam a be­ber e a par­tir dis­so as coi­sas não vão bem en­tre eles. Eles ten­tem so­bre­vi­ver e man­ter o sen­so de quem são e no que acre­di­tam du­ran­te es­se iso­la­men­to. Não sa­ber co­mo se­rá o fu­tu­ro é o que mo­ve os per­so­na­gens e os faz pen­sar em di­fe­ren­tes es­tra­té­gi­as”, de­fi­ne Da­foe.

Lo­ca­ções

Fil­ma­do no Ca­na­dá com con­di­ções cli­má­ti­cas mui­to ad­ver­sas, a equi­pe en­fren­tou chu­vas tor­ren­ci­ais, ne­ve, tem­pe­ra­tu­ras bai­xís­si­mas e ven­tos cor­tan­tes em uma lo­ca­ção re­mo­ta do país. Ape­sar dis­so, o ator ga­ran­te que tu­do con­tri­buiu pa­ra a cons­tru­ção da at­mos­fe­ra do fil­me. “O cli­ma hor­rí­vel era im­por­tan­te por­que con­ta­va uma gran­de par­te da his­tó­ria, en­tão vo­cê não po­de re­cla­mar e nem se cha­te­ar com is­so, tem ape­nas que acei­tar”.

As­sim co­mo em A Bru­xa, tam­bém co­pro­du­ção bra­si­lei­ra, Ro­bert Eg­gers se ins­pi­rou em uma his­tó­ria re­al pa­ra de­sen­vol­ver seu ro­tei­ro, ao la­do de seu ir­mão, Max Eg­gers. O cli­ma ten­so é ob­ti­do atra­vés da fo­to­gra­fia em pre­to e bran­co, que não só dei­xa tu­do es­te­ti­ca­men­te bo­ni­to, co­mo aju­da a dei­xar o am­bi­en­te ain­da mais claus­tro­fó­bi­co.  Pro­du­zi­do pe­los bra­si­lei­ros Ro­dri­go Tei­xei­ra e Lou­ren­ço Sant’An­na, que tra­ba­lha­ram com Eg­gers em A Bru­xa, O Fa­rol é um pro­je­to bem mais am­bi­ci­o­so do que o pri­mei­ro, des­de a es­co­lha da lo­ca­ção quan­to li­dar com im­pre­vis­tos de pro­du­ção pro­va­dos pe­la na­tu­re­za.

Co­mo não en­con­tra­ram o lo­cal per­fei­to pa­ra a fil­ma­gem, o set in­tei­ro foi cons­truí­do, co­mo era de­se­jo do di­re­tor: “Tu­do que vo­cê vê foi cons­truí­do no fil­me; o fa­rol, os pré­di­os, e is­so de fa­to foi mui­to de­sa­fi­a­dor. Nós fil­ma­mos em uma par­te do Ca­na­dá mui­to re­mo­ta e ape­sar de to­dos os con­tra­tem­pos, a equi­pe bo­tou o fil­me de pé, foi um pro­ces­so mui­to bo­ni­to de acom­pa­nhar”, diz Lou­ren­ço, que pre­ci­sou re­mon­tar par­te do ce­ná­rio des­truí­do por for­tes on­das.

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias