SÃO LUÍS

Roupas lideram preferência de presentes para o dia dos pais

Vestuário, calçados, itens de perfumaria e relógios devem ser os itens mais procurados como opções de presentes para os pais.

Roupas estão no topo das intenções de presentes desde 2011, segundo a Fecomércio. (Foto: Reprodução)

“Eu ainda estou pesquisando, mas estou pensando em comprar uma calça e uma bermuda. Acho que são presentes que ele vai gostar de ganhar”, disse a publicitária Marcia Guimarães, sobre o que dar de presente para o seu pai, Antônio.

A preferência de Márcia segue a tendência de opção de presentes para o dia dos pais verificada pela Pesquisa de Intenção de Compras para o Dia dos Pais em São Luís, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Maranhão (Fecomércio-MA).

Na lista de preferências dos consumidores, os itens de vestuário e acessórios aparecem como a principal escolha para presentear, apontada por 46,1% do público entrevistado.

De acordo com a Fecomércio, desde 2011, presentear com roupas tem sido a preferência número 1. 

Em comparação ao último levantamento apurado em 2018, as roupas e acessórios lideram as intenções de compras com uma alta de +60,6%, uma vez que naquele ano, esta era a primeira opção para 28,7% dos consumidores.

Os calçados aparecem na segunda colocação com 14,5% das intenções de compra, o que representa uma redução de -41,1% em relação a 2018. Os itens de perfumaria e cosméticos fecham a lista dos três principais produtos, com a fatia de 11,1% da preferência. 

Este percentual mostra uma queda de -52,9% no comparativo com a pesquisa anterior, incentivada pela maior concentração de consumidores que, neste momento, devem comprar peças de vestuário mais fortemente. 

“A decisão pela compra concentrada nos artigos de vestuário reflete a avaliação dos consumidores sobre a sua capacidade de renda atual, deslocando a prioridade da escolha para itens essenciais no dia a dia, como as roupas e calçados” avalia o presidente da Fecomércio-MA, Maurício Feijó.

Os relógios também devem estar em alta este ano. Segundo a pesquisa, em quarto lugar entre os consumidores, de 2018 para cá, a alta na preferência para o segmento foi de +159,5%. 

A atenção do público para estes produtos tem ocorrido com maior frequência nas últimas pesquisas em datas comemorativas realizadas pela Fecomércio, a exemplo do Dia das Mães e Dia dos Namorados. 

Este destaque é decorrente das melhorias tecnológicas significativas pelas quais os relógios têm passado nos últimos anos.

Smartwatches estão no gosto dos pais neste ano

Os smartwatches (relógios inteligentes), chamam cada vez mais a atenção dos consumidores pelos benefícios ofertados, já que estes produtos agregam valor pela interatividade, personalização e uso de aplicativos conforme as necessidades dos usuários.

“A tendência é que este produto ganhe cada vez mais espaço no gosto do consumidor e esteja mais disponível em lojas físicas e online, dada a atual procura. Entretanto, é necessário observar que este é um produto importado e pode sofrer os impactos da alta do câmbio, encarecendo a sua compra em um cenário como este”, ressalta Feijó.

Mais de 70% deve presentear os pais

Segundo a Fecomércio, este é o maior patamar já alcançado para a data comemorativa em todas as pesquisas realizadas pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Maranhão (Fecomércio-MA), a partir de 2012.

Além disso, o dado representa uma alta de +42% na intenção de presentear, em relação ao último levantamento apurado em 2018, quando a pretensão dos ludovicenses em comprar pelo menos um item era de 55,8%.

Com isso, o comércio se mostra otimista, refletindo o efeito do represamento das comemorações ao longo dos últimos dois anos de pandemia.

A partir do apelo emocional da reaproximação física após a flexibilização das regras de distanciamento social, os dados da pesquisa apontam para a redução do percentual de pessoas que não pretendem presentear neste Dia dos Pais, que atingiu o menor nível histórico desde o início do levantamento.

Em 2022, apenas 8,3% dos entrevistados declararam não ter a intenção de comprar presentes na data, uma queda de -78,5% em relação a 2018. Em 2014, na máxima histórica, o percentual apontado por aqueles que não pretendiam comprar presente na data era de 40,5%. 

“O resultado, além de animador para o atual momento de recuperação econômica pós-pandemia, dá um fôlego para que o comércio de bens e serviços da capital maranhense possa renovar seus estoques e ampliar seu leque de ofertas ao consumidor” destaca o presidente da Fecomércio-MA, Maurício Feijó.

VER COMENTÁRIOS
Esportes
Entretenimento e Cultura
Concursos e Emprego
Polícia
Mais Notícias