CORONAVÍRUS

No Maranhão

3483
183461
175992
3978
SÃO LUÍS

85% dos consumidores de São Luís estão endividados

Fragilização da renda dos consumidores pelos impactos da pandemia ainda força a tomada de crédito em São Luís, aponta pesquisa da Fecomércio

Reprodução

Cerca de 85,9% dos consumidores da capital maranhense se endividou em agosto para fazer compras. Estes números foram divulgados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio-MA), que mostrou o índice de endividados na comparação mensal com julho.

De acordo com a pesquisa, o indicador cresceu +0,46% entre os meses de julho e agosto. Comparando com a avaliação com agosto de 2019 e agosto deste ano, o número de famílias endividadas acelerou +43,4%.

Esses números de endividamento através de crédito cresce pelo terceiro mês consecutivo entre os consumidores de São Luís.

Motivação: renda frágil

Para a Fecomércio, os motivos para esse aumento pela demanda por crédito para financiar o consumo está ligado ainda à fragilização da renda das famílias após os impactos econômicos causados pela pandemia.

“Embora as atividades econômicas já tenham a oportunidade de retomar a sua dinâmica, o ritmo desse retorno ainda é lento e gradual. O setor do comércio em São Luís, por exemplo, durante o período de restrições ao funcionamento nos meses de março, abril e maio, foi obrigado a extinguir 1.725 postos de trabalho formais. Ou seja, centenas de famílias perderam a sua renda e, consequentemente, o seu poder de compra com recursos próprios, tendo que recorrer ao cartão de crédito para financiar as suas despesas do dia a dia”, explica o presidente da Fecomércio, José Arteiro da Silva.

O setor do comércio em São Luís, por exemplo, durante o período de restrições ao funcionamento nos meses de março, abril e maio, foi obrigado a extinguir 1.725 postos de trabalho formais

Atraso nos pagamentos aumenta inadimplência

Nesse cenário, em que as famílias dependem mais do crédito e seguem com a renda fragilizada, um dos efeitos é o crescimento da inadimplência. De acordo com a pesquisa da Fecomércio, 37,9% das famílias endividadas apresentaram dívidas em atraso em agosto. Esse índice cresceu 2,71% em relação a julho e 39,3% na comparação com agosto do ano passado.

Ainda segundo a Federação do Comércio, neste momento as famílias têm priorizado o seu consumo básico em detrimento ao pagamento das dívidas atrasadas, resultando nessa aceleração da inadimplência pelo terceiro mês consecutivo, acompanhando a subida da demanda por crédito.

Auxílio aquece a economia

A Fecomércio avalia também que a entrada de recursos na economia advinda dos pagamentos do Auxílio Emergencial e do Saque Emergencial das contas de FGTS tem impulsionado parte desse consumo básico, especialmente nos setores de gêneros alimentícios e materiais de construção, o que tem contribuído em parte para uma recuperação no comércio local. “As transferências federais de renda tem impulsionado o consumo entre as famílias de renda mais baixa e isso vem elevando o volume de vendas do comércio, como já se evidenciou nas pesquisas de intenção de consumo de agosto. As famílias estão usando os recursos para ir ao supermercado, farmácia, fazer pequenos reparos em casa, priorizando essas despesas correntes, e adiando o pagamento das dívidas atrasadas”, enfatiza o presidente José Arteiro da Silva.

Pelas projeções realizadas pela Fecomércio, esse cenário de crescimento do endividamento e da inadimplência deverá persistir ainda nos próximos meses, numa perspectiva de estabilização a partir de novembro e arrefecimento dessa trajetória somente a partir do início de 2021.

As famílias estão usando os recursos para ir ao supermercado, farmácia, fazer pequenos reparos em casa, priorizando essas despesas correntes, e adiando o pagamento das dívidas atrasadas

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Esportes
Polícia
Mais Notícias